sexta-feira, 6 de maio de 2022

OLHÃO: COMO SE DESTROI UM SER HUMANO

 A minha amiga facebookiana Catia Pereira, mãe do Rodrigo, o tal menino portador de doença incapacitante foi denunciada junto do CPCJ por se estar a aproveitar da situação do filho. em beneficio próprio, o que merece alguns cometários.

Uma de duas situações que poderão estar por detrás de tal denuncia. Uma oriunda do Poder local com o objectivo de destruir a imagem da Cátia e a outra, de alguem que, procurando casa, vê nela uma concorrente de peso.

Em qualquer dos casos, devemos ter em conta que o beneficiário final da atribuição de uma casa, é sempre o Rodrigo, embora os pais possam tirar algum beneficio. É que a Cátia é cuidadora informal do filho, recebendo por isso um modesto apoio, que não dá para pagar uma renda no mercado de arrendamento habitacional. Mas nunca disse que queria uma casa de borla mas apenas uma renda acessivel, o que é bem diferente, e esse seria o seu beneficio, se é que tal se lhe pode chamar.

Venha a denuncia de onde vier, é preciso ser uma pessoa de muito nau caracter, pode dizer-se mesmo que própria de um(a) pulha, que inveja o mal estar de quem já está mal e se vê confrontado com uma doença incapacitante, como a do Rodrigo.

Vamos mais longe, porque sempre o defendemos, cabe ao aparelho de Estado, assegurar o direito à habitação a qualquer cidadão, não confundir com a isenção do pagamento de uma renda, mas também no acesso ao trabalho, porque há trabalhos que uma pessoa com deficiência pode prestar alguns serviços nem que seja numa portaria, fruindo de um salario que lhe permita uma vida decente. Bem sabemos que, com a crise de empregos, as primeiras oportunidades, são para os amigos, camaradas e outros que tais, sem que se estabeleçam prioridades.

O Rodrigo tem uma doença incapacitante, e a mãe Catia, apresentou no CPCJ os relatórios médicos comprovativos da deonça. Apesar de ser confrontada com tamanha indignidade, demonstrou uma grande serenidade, procurando sempre acautelar a situação do filho.

No estado de saúde em que o Rodrigo se encontra, ele precisa de uma casa adaptada, começando desde logo pela casa de banho e tudo que se prenda com a sua mobilidade, verificavel e devidamente atestada.

Entender isto como um aproveitamento, é tentar destruir a imagem da Cátia e de impedir um pouco de conforto a uma criança que sofre todos os dias.

Claro que a culpa disto só pode ser atribuida à autarquia, que tem casa devolutas e não as entrega, porque não tem um plano de prioridades; tem culpas porque nos ultimos anos, fazendo usso da lei tomou a posse administrativa de casas devolutas e degradadas para se substituir aos proprietários (será?), mas que nuca procedeu a obras. Mais se a autarquia quisesse melhorar a imagem da cidade, tê-lo-ia feito, recuperando todo o património imovel devoluto e degradado para o incluir no mercado de arrendamento forçado.

O menos que podemos dizer é que andam muitos pulhas à solta! Tenham vergonha!

1 comentário:

Anónimo disse...

Mto bem