quarta-feira, 29 de julho de 2009

comunicado do Somos Olhão!

distribuido hoje e que reproduzimos
Comunicado à Imprensa
29 de Julho de 2009
Atentado Ambiental a decorrer na Ria Formosa
destruição de vários hectares de habitat natural
Para a
COMUNICAÇÃO SOCIAL
Estão a decorrer trabalhos de movimentação de terrenos em plena Ria Formosa, em Bias-Sul, a norte da Regueira dos Barcos e a Sul da Ecovia, a Longitude: 7o 46’ 43,25’’ O e Latitude: 37o 2’ 27,6’’ N.
Estando envolvidos meios pesados de grande capacidade de trabalho, quatro retroescavadoras, das quais duas giratórias, quatro camiões pesados, dos quais dois de tracção total e articulados.
Os trabalhos estão a consistir em remoção de barreiras separadoras de salinas, tejos, canais e regueiras para zona de enchimento até cota mais elevada que as circundantes. Tendo já afectado mais de seis hectares.
Constata-se de imediato a alteração da circulação das águas das marés, a destruição de toda a vegetação na área e vizinhança dos trabalhos, destruição de comedouros de aves.
Para o local não é de conhecimento público, que tenham sido aprovadas quaisquer construções, por até nem serem permitidas, assim como na listagem oficial dos Estudos de Impacto Ambiental não foi feito nenhum para o local.
Somos Olhão! chama a atenção da população em geral para este atentado ambiental que está a decorrer numa zona particularmente sensível da nossa Ri Formosa.
Somos Olhão! clama pela exigência às autoridades que tem tutela sobre a Ria que esclareçam de imediato o que se está a passar e paralisar de imediato todas os trabalhos até apuramento da conformidade legal.
Foram pedidas informações à CCDR-A, PNRRF e à CMO.
SO!
Mantenha-se a par em:

Somos Olhão! em http://somosolhao.blogs.sapo.pt/
Email: somosolhao@gmail.com
Fax: 289 119 000
Telem.: 964406814
SO!

terça-feira, 21 de julho de 2009

LEAL, JULGADO E CONDENADO !

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé, face à queixa apresentada pelo SO! Somos Olhão, contra Francisco Leal, presidente da Câmara Municipal de Olhão, condenou-o no pedido e por litigancia de má fé.
Na verdade F. Leal na contestação apresentada, mais uma vez mentiu, e acusava o SO! de relapsia e má fé mas o tiro saiu-lhe pela culatra, já que o tribunal detectou a omissão do relatório da CADA (Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos) e constatou que afinal a má fé era do próprio presidente ainda em exercício na CM OLHÃO.
Fica ainda obrigado a aceder aos processos solicitados.
Ora a transparencia anda de mãos dadas com a corrupção e é chegado o momento de esclarecer se há ou não indícios de corrupção na Câmara Municipal de Olhão. Ainda que as questões levantadas (14) sejam uma pequena parte daquilo que o SO! se propõe esclarecer, poderão já deixar uma ideia do descalabro que tem sido a gestão autárquica, não sendo demais lembrar que entre outras se ficará a saber do negocio dos carros para a vereação, do quadro e admissão de pessoal, as relações com o Grupo Bernardino Gomes ou a célebre moradia 176 na Ilha da Armona.
Cabe aos verdadeiros socialistas questionarem agora Francisco Leal como é que se chegou a esta situação quando ele dizia que tinha tudo sobre controlo. É que a apelidada corja, bando de terroristas, acabou por ver reconhecidas as suas razões, que poderão por fim ao caciquismo de Francisco Leal.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

o anedota aldrabante

publicado no CM a 15/07/09

clik para ampliar

Já sabíamos que Olhão é tido pelo seu presidente de Câmara o eng F. Leal como uma quinta privada, onde faz tudo o que quer sem prestar contas a ninguém.
Há quem diga que a massa encefálica do homem tem crescimento inversamente proporcional ao tamanho do nariz pinoquiano, mas todos temos que reconhecer que tem uma enorme imaginação para resolver os problemas em crescendo no concelho.
Olhão cheira a caca por causa da Etar-poente, o iluminado manda instalarver uns spays industriais da Brise com odor a limão.
As Piscinas Municipais precisam de renovar a água?
Ela até é tão boa que é aproveitada para regar os jardins, só que a GNR pela brigada do Ambiente, pelos vistos não entende assim, e acha que a Ria Formosa não é jardim da Quinta do Leal, e toca de lhe levantar um autover de contra-ordenação por crime ambiental.
Esta imaginação do nosso edil mor é tão fértil que se confunde com aldrabanice.

domingo, 12 de julho de 2009

A outra "Feira do Ambiente"


(Fotogafia retirada do site do NAMB)

Os responsáveis pelo ambiente dizem que a CMO é um exemplo para a conservação da natureza e do ambiente.

Eu pergunto a esses exóticos todos, se conhecem a esta realidade de Olhão e do Parque Natural da Ria Formosa.

Botar discurso é muito bonito mas ninguém explica, porque cada ano que passa temos mais turistas e mais embarcações na Ria Formosa e os mariscadores e viveiristas apanham cada vez menos amêijoas e os pescadores capturam cada ano que passa menos peixe.

Cada ano que passa faz-se mais uma Feira de Ambiente mas as imagens dizem que os anos passam e nada se faz para a defesa desse mesmo ambiente.

Será que as pessoas, verdadeiramente interessadas na defesa do ambiente e das populações que dependem da ria para sobreviver, irão cruzar os braços perante falsas declarações? Falsas de quem diz que tudo está bem enquanto se prepara para a construção de um campo de golfe em Marim e para a destruição do circuito de manutenção de Marim e da maior parte dos pinheiros da zona, para em terrenos da CMO, construir-se 20 luxuosas vivendas.
Tudo isso sem estudos de impacto ambiental e sem uma avaliação ambiental estratégica!

Mais umas imagens: em Zona de Protecção Especial, a menos de 500m da sede do PNRF, onde antes eram salinas e praia temos agora depósitos de entulho e lixo.



quinta-feira, 9 de julho de 2009

Crimes na Ria Formosa

"A Feira do Ambiente é importante, mas o Ambiente ainda é mais! Nesse aspecto a CMO tem muito a aprender!" - Anónimo em comentário no Olhão Livre.


Os responsáveis negam tudo mas contra factos não há argumentos.
Ainda deixamos mais alguns:
- Hoje o esgoto do T corria assim;



- No moinho da horta da Areia lixo e esgoto;









- Foi resolvido finalmente o mau funcionamento da ETAR poente: ambientadores de ar, com aroma de limão, dispersam o cheiro (veja-se os aspersores do ambientador e a canalização ao longo da ETAR). Esta foi a solução encontrada pelas "Águas do Algarve" para evitar o cheirete e deitar areia p'rós olhos.











- Uma nora dentro da ETAR poente de Olhão! Será que está declarada na ARH (Administração de Recursos Hidrícos do Algarve) como exige a lei?


- Contaminação dos lençois freáticos pela nora no meio das lagoas ETAR e pelas telas destruídas.








Uma imagem vale mais que mil palavras e os responsáveis pelos crimes ambientais que se pronunciem sobre elas.

terça-feira, 7 de julho de 2009

A feira dos Seminários das inutilidades ambientais

De 9 a 12 deste mês vai decorrer mais uma Feira Nacional de Parques Naturais e Ambiente, é a 4ª, e não vai faltar o Seminário, à semelhança de todas as anteriores, nos anos de 2006, 2007, e 2008.
Pelo contributo das anteriores para o estado do Parque da Ria Formosa e do Ambiente em Olhão pode-se ver o contributo que tem dado para o que se propõem.

Em nada melhorou a situação.
Este ano o organizador anfitrião, eng. F. Leal, para a apresentação,
deram-lhe um texto que bem cita o sr D’Escoto "A água é um bem público, uma herança comum do povo e da natureza e um direito humano fundamental”, que serve de fundo à mote do Seminário deste ano “A Água e o Turismo”a ter lugar no dia 10 no Auditório Municipal.
O Painel 2, a começar às 11h30, é moderado pela responsável máxima pelas Águas no Algarve, Valentina Calixto, sob o tema Sensibilização e informação, os convidados espanhóis de Andaluzia e Valência vão ocupar a maior parte do tempo com o tratamento que dão à água por lá, o sr. Pedro Mendes do INAG abordará o Uso eficiente da Água.
Com este último senhor, os olhanenses devem esperar, que o nosso presidente de Câmara (e já agora toda a vereação e os candidatos a substitutos também podem ir à boléia) aprenda, pelo menos, como usar com eficiência a água para consumo humano no concelho, resolvendo o desaparecimento de 40% da água em roturas e outras não facturadas. Um bom início para começar a eficiência.
Outra é sobre o destino a dar aos milhares de litros, diários, saídos das ETARs, de água doce, não potável, que são lançados na Ria Formosa, poluindo-a.
É que poderiam ser aproveitados para algumas largas centenas de hectares agricultados, onde até fariam parte da cara adubação de base.
Só nestes dois aproveitamentos já nós ganharíamos muito, ficávamos com uma Câmara cuidadosa na gestão do bem público, deixava de ser a maior poluidora da Ria e todos ficávamos a ganhar, os turistas também.
Sr.ª Valentina, primeiro dê oportunidade para que os nossos autarcas aprendam alguma coisa de útil, depois para os que não aprenderem, logo lhes arranja programa para inutilidades.

aceitamos, agradecemos e premiamos

Asul

lembrou-se de nos atribuir o prémio Lemniscata e aceitámos, mas temos que nomear outros blogs, depois de muita ponderação decidimos atribuir a estes, porque por alguma coisa se distinguem

para visitares nos nossos nomeados clica na imagem respectiva

domingo, 5 de julho de 2009

MARINA VILLAGE - SEGURANÇA E SAÚDE PÚBLICA EM RISCO?

De um leitor recebemos o contributo que a seguir transcrevemos e o qual agradecemos.

É um tema polémico mas que deve levar as pessoas a reflectirem no que e como querem para para o concelho. A juventude de hoje, por desconhecimento do que era aquela zona, poderá não compreender mas os mais velhos sabem do que falamos. Aqui vai:

Saúde publica MARINA VILLAGE uma bomba relógio!!!
Espero que tudo o que escrevo esteja errado!!!!!

Vamos falar da história sísmica
Sismicidade histórica em Portugal
Portugal tem sido afectado por vários sismos de magnitude moderada a forte, que muitas vezes resultaram em danos importantes em várias cidades do país.
A maior parte dos sismos graves tiveram origem em zonas interplacas, cuja sismicidade pode considerar-se elevada, uma vez que Portugal está perto da fronteira entre a placa africana e a placa Euro-Asiática (podem ser sismos de magnitude elevada (M>6), têm origem no oceano e têm períodos de retorno de algumas centenas de anos – aponta-se para que sismos com a intensidade do de 1755 seja cerca de 250 anos). Os epicentros dos maiores sismos localizam-se perto do Banco de Gorringe, a Sudoeste do Cabo de São Vicente. Sismos de alguma importância em Portugal continental:
Espero que esta teoria esteja errada porque estaria na altura do sismo.
Caso VILLAGE
Para quem não sabe a zona de construção é uma zona de antiga lixeira municipal (não tão antiga como dizem nos estudos) em que parte do lixo foi retirado para outro aterro mas grande parte ficou enterrada esperando a decomposição e contaminando o solo e as aguas.




Quando foram feitas as sondagens e o estudo geotécnicos chegou-se á conclusão que aquela zona a cerca de 1metro da superfície era composta por uma camada lixo em decomposição com media de 4 metros de espessura nuns sítios menos e em outros mais e depois era uma espessa camada de lodo como seria de esperar mas reparem que o nível freático esta entre 2 a 3 metros
Quanto á construção em cima de lixeira não é problema desde que se tome as devidas precauções pois os resíduos devem ser isolados com telas próprias para o efeito tal como foi feito para a construção do parque das nações (expo 98) pois lá era uma grande lixeira e foi tudo protegido não havendo problema algum mas lembro que no VILLAGE nada foi isolado...
O problema do VILLAGE é que testemunhos afirmam que por cima do lixo foi feito um aterro de 1metro e pouco e que quando abriram as valas de saneamento atingiram a zona de lixo e encontraram agua que parecia nafta ou acido era preta com cheiro horrível e a libertar gazes que parecia ferver sendo o saneamento feito nesse local com o tempo os assentamentos inevitáveis vão levar a agua podre a contactar com a potável e a dos esgotos pois esta agua vai quimicamente contaminada que duvido que a nossa boa ETAR(poente)consiga descontamina-la e muito menos os nossos estômagos(dos moradores) .
Será que as pessoas que vão viver naqueles apartamentos com o tempo não irão começar a ter problemas de saúde ?(vamos ver o futuro dirá )
Será que não vamos ouvir falar da pandemia do MARINA VILLAGE?
E estou a falar de assentamentos que acontecem em qualquer lado agora imaginem sobre lixo que como é obvio tem menor consistência logo irá ter assentamentos maiores. E em caso de sismo duvido que se verifique todas as juntas da canalização.
Como foi possível autorizar uma construção nestas circunstancias?
Será que quem comprou os apartamentos sabe disto?
Em caso de contaminação quem se responsabiliza?

sexta-feira, 3 de julho de 2009

quinta-feira, 2 de julho de 2009

O Amor é...?

O amor de Francisco Leal pelo poder é tal, que faz este tipo de promessas!

F. Leal em 16/04/2009
“Olhão está à frente do projecto do Governo nesta área, que prevê a oferta do pré-escolar e escolas do primeiro ciclo a funcionarem em contínuo durante pelo menos um ano, mas nós, através destas remodelações, construção de 21 salas de aulas e mais sete de pré-escolar, ultrapassaremos esse objectivo em vários anos. Em Olhão, todas as salas de aula de primeiro ciclo estarão a funcionar em regime normal até ao final do ano ou, no máximo, logo no início do próximo”.

Depois das promessas feitas, afinal a escola nova da Chasfa não vai abrir este ano e as obras nas outras escolas, provavelmente também não se vão fazer.
No meio deste imbróglio todo, ficam os professores que concorreram a uma escola nova (que não vai estar pronta), os professores que andaram a desmanchar turmas da escola Nº4 e da Cavalinha para irem para a dita escola e os pais dos alunos que já tinham pedido transferências. Os alunos do pré-escolar, parece que vão ficar em contentores, não se sabe é onde.
E porquê?
O presidente diz que a culpa é da empresa que adjudicou a obra!
Eu, pessoalmente, sei que há trabalhadores da cofragem e armadores de ferro da empresa construtora que não recebem há meses!
Como é que ficamos? Há escola ou não há escola?
Com o destino dos alunos, dos pais e dos professores não se deve brincar. Tantas promessas de investimento na educação para o concelho e tanto dinheiro gasto em publicidade enganosa. Será campanha eleitoral que está a sair pelo buraco?
Onde param os 6,8 milhões de euros destinados à educação? Quem souber esclareça!