quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

OLHÃO AUTO-ESTRADA DA ARMONA MEXE E REMEXE


Durante a semana passada a Câmara Municipal de Olhão e a Policia Marítima encenaram mais um episódio com vista à justificação da necessidade da construção da "auto-estrada" da Armona apesar de saberem que colide com os planos de gestão territorial e não só
Assim e de forma original descobriram que, a melhor maneira seria identificar pessoas que permanentemente  residem na ilha e que fruto da idade ou de outras situações como a locomoção possam estar em "risco" como se pode ver em http://www.diarionline.pt/noticia.php?refnoticia=149894
Para que a ideia de uma  via circular na ilha possa ser aceite, é necessário fundamentar e aqui entra um conceito de risco, novo. Na verdade aquelas pessoas podem vir a necessitar de um transporte ou de um auxilio mas daí até se dizer que as pessoas estão em risco vai uma grande distância cheirando mesmo a estrume. As pessoas estão lá por opção na maioria dos casos e se alimfixaram residencia é por gostarem da ilha.
Quando se levantou a questão da circular e do muro de betão à volta do edificado, pretendeu-se justificar com o risco de um tsunami ou dos pequenos sismos provocados pela extracção do gaz de xisto que se pretende fazer ali à frente da Fuzeta. Mas a ideia era tão estúpida que havia que procurar uma outra justificação, tendo por base o risco a que os residentes poderiam estar sujeitos e vai daí inventar-se este novo risco. No Relatório de Avaliação de Execução do PDM e no que concerne a este respeito, pode ver-se que a tal "circular" ao edificado é para assegurar a facilidade nas operações de socorro e assim há a necessidade de dizer que as pessoas estão em risco, única forma de poderem vir a fazer uma auto-estrada em cima da ilha.
Quando em risco de ficar sem um tecto para se abrigar estão os moradores dos ilhotes da Ilha de São Lourenço, em frente aos mercados, e a Câmara Municipal de Olhão com o António Pina à cabeça e a Policia Marítima nunca revelaram a mínima preocupação com o risco que aquelas pessoas enfrentam, tendo a Sociedade Polis feito chegar às mãos dos moradores um documento com a tomada da posse administrativa dos espaços. E Antonio Pina, a Câmara Municipal de Olhão e a Policia Maritima que agora se "mostram" tão preocupados com as pessoas da Armona não revelam a minima preocupação com estes moradores. Será que não foram feitos como os demais? Foram inventados ou achados num vão de escada?Não são seres humanos e filhos de Olhão?Não é pois pelo risco porque esta cambada nunca se preocupou com a situação das pessoas e se não é por isso que outro motivo pode estar por detrás da acção senão a justificação, de mais um crime ambiental perpetrado pela nossa querida Câmara?
Obviamente que se trata de mais uma peça para juntar ao processo de revisão do Plano Director Municipal como suporte da excentricidade do ainda presidente Pina, que apesar de estar à frente de uma autarquia que ajudou a endividar para rácios que podem comprometer as gerações futuras, continua a apostar no mesmo tipo de intervenções que conduziram o concelho a situação de calamidade social.
Tenha vergonha ó Pina e vá-se embora!
REVOLTEM-SE, PORRA!




terça-feira, 25 de Novembro de 2014

Conhecer a Ria Formosa?Ou mamar à conta dos indigenas da Ria Formosa?


Mão amiga fez-me chegar por e-mail, mais um fim de semana,que algumas figurase empresas do regime vão passar há grande e à francesa na Ria Formosa, com a Opium a organizar e a mamar.
O programa é vastissimo pode ler carregando aqui, mas escondido como sempre,  das populações que vivem no Parque Natural da Ria Formosa.
É  o lema do programa organizado pela Opium (mais uma empresa do regime, a mamar à conta de propaganda falsa da Ria Formosa): Conhecer, Organizar e Experimentar.

Vamos então nós no Olhão Livre dar uma ajudinha, à Opium,que se calhar não conhece, ou nem sequer quer conhecer, bem a Ria Formosa, nem a poluição que cada vez mais grassa na Ria Formosa, da qual  dependem mais de 10 000 pessoas,  que dela governam a vida.
O 1º convidado, é nem mais nem menos o ainda presidente da CMOlhão Antonio Pina,um dos princiapis poluidores das Aguas de Producção de Bivalves que são as aguas da Ria Formosa.
Antonio Pina se Portugal fosse um estado de direito sério há muito que tinha sido constiuido arguido,pelo ministério publico,  por crimes  ambientais  cometidos diariamente pela CMOlhão ao descarregar  diáriamente, esgotos Tóxicos nas Aguas onde se cultiva  e se capturam toneladas de bivalves.
 Esgoto Tóxicodo T  a descregar directo em OLhão.

 Por causa desses crimes, diários, e à vista de todos, o ano passado mais de 70% dos viveiros de bivalves em Olhão passaram da Classe B para a Classe C, motivo? Excesso de coliformes fecais  na carne dos bivalves!

Donde provêm esse coliformes fecais no Concelho de Olhão, há muito que se sabe, desde a origem do movimento de Avisar Toda a Gente,em 2006,que as entidades responsaveis pela poluiçãona Ria Formosa tomaram conhecimento publico das origens da Poluição da Ria Formosa.
O Avisar Toda  a Gente ficou pelo caminho,e foi pena,pois  foram pioneiros, no alerta  e no perigo que era a Poluição na Ria Formosa.
Apareceu o Movimento de Cidadania Activa "Somos Olhão" em 2009, que preseguiu os alertas para as entidades oficiais  nacionais, e como não fossem ouvidos alertaram as entidades Europeias sobre o grave problema da Poluição da Ria Formosa,fazendo então uma queixa à Comissão Europeia conforme pode ler carregando aqui.
Das entidades  oficiais presentes todos sabem dos crimes ambientais que todos os dias são praticados na Ria Formosa seja pela C.M.Olhão seja pelas ETARs assasinas de Olhão Poente e de Faro Nascente propriedade das aguas do Algarve que descarregam escorrências venenosas nas A.P.B. e nas aguas de prouducção de sal tradicional e de flor de sal como é o caso da ETAR Poente de Olhão.
A lei  diz que não pode haver fontes de poluição num raio de 500mt nas zonas de salinas que porduzam sal tradicional e flor de sal , no entanto a ETAR Poente de Olhão descarrega a menso de 500 metros para salinas que produzem sal tradicional e flor de sal.
Sabemos que a ministra Assunção Cristas sabe do crime, mas porque será que a ASAE sabe e não faz nada?
Aqui fica a foto do ponto de descarga da ETAR Poente de Olhão situado em Belamandil.



Das entidades convidadas para os passeiosde charme, e repasto à conta do orçamento duas são Associações que se dizem defensoras do ambiente e dos animais, são elas a Almargem e a LPN.
Porque será que essas associações de pretensa defesa do ambiente,  são convidadas e outras associações,   que estão contra a poluiçao na Ria Formosa não foram?
Será que só vão falar da beleza da  Ria Formosa e das belas fotos e videos que dela se fazem, e vão branquear mais uma vez a poluição na Ria Formosa.
Os nossos impostos em 1º lugar, deviam servir para colocar fim à poluição, coisa que as entidades oficiais, tentam com esses eventos esconder a todo o custo,até quando perguntamos nós?
Será que preciso aparecer um surto de Hepatite A na Ria Formosa para se colocar fim à poluição que cada vez é maior?
Que responda quem souber, mas depois as entidades com responsabilidades na matéria , não digam que não sabiam que havia poluição na Ria Formosa.

No e-mail que enviaram aoOlhão Livre,que pediram anonimato, fazia parte o seguinte texto,que publicamos na integra:

"SEXTA A DOMINGO À CUSTA DO ORÇAMENTO, REENVIOU-ME HOJE O CONVITE QUE LHE FIZERAM....SÃO SÓ PANSUDOS A COMER, BEBER, E ANDAREM ATÉ DE BARCO, BEM, INSTALADOS À CUSTA DOS QUE PAGAM IMPOSTOS PARA OS SUSTENTAREM .....PARTILHEM PARA SE SABER ONDE ANDAM OS NOSSOS IMPOSTOS.
Ou se têm vergonha e pagam as despesas que fizerem. PASSEIO DE CHARME PARA MOSTRAR, QUE O REI AINDA NÃO ESTÁ NU, E ONDE FOI APLICADO O DINHEIRO que a C C D R, CREN etc, etc, que REPARTIRAM PELOS AMIGOS. e AGORA AINDA VÃO CONTINUAR A COMER COM UM PROJECTO DE BALÃO DE ÉLIO BEM PINTADO ...."
 Nós no Olhão Livre perguntamos:
Será que não há um pingo de vergonha gastar o dinheiro do QREN desta maneira, em  nem um tostão do QREN para colocar fim à poluição na Ria Formosa .


segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

OLHÂO: EMPRESA MUNICIPAL FALIDA?

Porque dentro de dias vamos ser confrontados com uma assembleia municipal para aprovação das grandes opções e do plano; entendemos ser pertinente trazer à luz do dia alguns números sobre a empresa municipal ambiolhâo e que demonstram bem da inutilidade dela e da real necessidade da municipalizaçâo dos serviços: algo que foi bandeira de campanha eleitoral de todos os partidos:

   ANO     RECEITAS     CUSTOS     SALDOS     CONTRATOS     ACRÉSCIMOS
  2011         8.721              8.576              145                                          2.401
  2012         9.691              8.188           1.431             4.112                    5.148
 2013          9.479              8.206           1.273             2.247                    3.829
Totais        27.819            24.970           2.849             6.359
 Como se pode ver, não fossem os contratos programa celebrados entre a Câmara Municipal de Olhão e a empresa ao fim dos três anos analisados. a Ambiolhão apresentaria um saldo negativo de cerca de três milhões e meio.
Os acréscimos, são parte integrante das receitas, são valores a receberem mais tarde, no ano seguinte e em regra, representam na sua maioria, divida da autarquia para com a empresa, bastando pensar que se as facturas não forem pagas ao fim de dois meses cortam a agua aos consumidores. Aliás, repare-se como os acréscimos aumentam substancialmente no ano de 2012, correspondendo a um contrato programa superior ao normal.
A questão que aqui se coloca é a de saber se vale a pena manter uma empresa que depende essencialmente da Câmara e com a qual dispararam os preços da agua e resíduos para os consumidores ou se pelo contrario estes serviços devem ser municipalizados.
A apresentação de contas do sector empresarial local antecede a consolidação das contas do grupo que integram, a Câmara Municipal de Olhão, que sistematicamente procede à anulação das operações entre a autarquia e a empresa, ou seja não paga mesmo.
Nos anos em causa foram anuladas com a Ambiolhão contas no valor de 6.229, 3.443 e 3.276 respectivamente.
E é essa falta de pagamento por parte da autarquia, aliada à transferencia da divida que tinha para com os fornecedores que está a levar a empresa municipal para uma situação de falência, incapaz de cumprir com os prazos a não ser que deixe por pagar as contas recentes acumulando divida à divida.
Quando o PSD se prepara para viabilizar as grandes opções e o plano, está objectivamente a fazer o jogo dos socialistas na Câmara, omitindo que sem corrigir este problema não está a salvaguardar os interesses da população em geral e do município em particular, mas antes a manter um monstro que vai consumindo dinheiros rapinados ao Povo.
Também sabemos que no PSD, as vaidades pessoais se sobrepõem aos interesses da população e que a feira de vaidades leva a que responsáveis políticos locais estejam mais interessados nos lugares que lhe são oferecidos na administração da falida empresa.
Que OPÇÕES? Que PLANO?
Pela extinção da Ambiolhão!
REVOLTEM-SE, PORRA!


domingo, 23 de Novembro de 2014

OLHÃO: A EXEMPLARIDADE DA GESTÃO SOCIALISTA

No primeiro trimestre do ano, foi admitido para director financeiro da Ambiolhão o cunhado do presidente da Câmara Municipal de Olhão e cumulativamente da empresa municipal gestora da agua e resíduos, em baixa.
Envolto nalguma polémica e pouca transparencia o concurso para aquele lugar, foi necessário enaltecer as altas virtudes gestionarias do candidato concorrente e que o tempo se encarrega de mostrar que afinal tudo aquilo não passou de mais uma balela.
Coincidentemente ou não, a verdade é que nos últimos meses, funcionários da Ambiolhão têm vindo a fazer trabalhos na rede de águas na zona do Bairro da Cavalinha, ao fim de semana, provocando alguns incómodos aos moradores.
A primeira questão é esclarecer que os trabalhadores apenas executam ordens superiores e não têm autonomia para tomar decisões deste tipo, pelo que a responsabilidade por estes trabalhos tem de ser reportada única e exclusivamente aos superiores hierárquicos. Os trabalhadores, claro que têm direito a receber como trabalho extraordnario.
A segunda questão prende-se com o facto de distinguir o tipo de operação efectuada, se de urgência por ruptura ou de uma acção programada. No caso de ruptura obviamente que se justificam as intervenções efectuadas, mas fonte anónima e possuidora de imagens garante-nos que não se tratava de ruptura alguma.
Sendo assim, as acções desencadeadas foram programadas para o fim de semana. No caso de acções programadas, a Ambiolhão estava obrigada a avisar os moradores da zona do corte de agua por X tempo mas nunca emitiram qualquer comunicado, desprezando por completo quem ali vive, indiferentes aos transtornos causados de forma despropositada.
Como o trabalho extraordinario tem custos acrescidos, não faz qualquer sentido programar acções para o fim de semana, sem o aviso prévio aos moradores, a não ser que haja o intuito óbvio de alguém ganhar uns cobres extra à custa do erário publico e dos otarios munícipes que têm de criar o habito de criticar os devaneios do clã Pina na autarquia.
E é neste aspecto que se torna visível o fracasso ou a sacanice das qualidades gestoras de certos socialistas de encomenda, caso da família Pina, que não olham a meios quanto toca a dinheiros alheios, uma vez que com estas brincadeiras é o Povo em geral que é penalizado.
Cada Povo tem a governação que merece e por isso assume cada vez mais importância o lançamento de um grande movimento de critica às entidades publicas, desde há quarenta anos nas mãos das rosas socialistas ou das tangerinas social democratas. É preciso uma mudança radical em toda a administração publica e em particular no Município de Olhão. Basta de esquemas!
REVOLTEM-SE, PORRA!

sábado, 22 de Novembro de 2014

OLHÃO: O GOLPE DE BAÚ SOCIALISTA NA ACASO

Porque entendemos vergonhosa a actuação da direcção da ACASO no caso do utente afastado dos familiares e do confisco dos seus bens, iremos na medida do possível acompanhar o desenrolar da situação até ao seu total esclarecimento, de pouco valendo as ameaças que dali vierem, porque sabemos também as qualidades do presidente da instituição.
Afinal nem o utente estava internado na unidade de cuidados paliativos, nem estava inconsciente ou incapaz de reconhecer a família como foi transmitido pelos funcionários em obediência a ordens superiores.
Depois da intervenção da GNR e da denuncia publica, o utente passou a ter direito a visitas sem que antes os responsáveis da ACASO tivessem ensaiado uma manobra para impedir a família de ver o utente.
À hora do almoço, cerca das 13:30 de ontem, apresentou-se o irmão e a amiga de confiança do utente, nas instalações da ACASO no Brejo, mas já o utente tinha sido transportado de carrinha, a alta velocidade, para o Centro de Dia, ao lado daquilo que era a sua casa, para almoçar, tudo na vã tentativa de ludibriar a visita. Os visitantes não se fizeram de modas e apresentaram-se no Centro de Dia e após uma ligeira altercação, lá conseguiram falar com o utente que os reconheceu de imediato e manifestando desde logo estar em paz com a família, algo que era negado pelos responsáveis pela instituição.
Perguntamos-nos sobre o porquê de tanta mentira se o objectivo final não fosse apoderarem-se dos bens do utente?
Apesar de "drogado" pelo efeito da medicação, o utente embora evidenciando sinais de precária saúde mental e física, apresentava-se em condições de receber toda e qualquer visita, o que por si só demonstra que de facto os responsáveis pretendiam manter a família bem longe dele, para melhor de darem o golpe do baú, confiscando os bens através de uma doação que em primeiro lugar seria para a Tânia e depois passou para a Instituição, tudo isto com o conhecimento prévio de António Pina, conhecido entre os amigos por Pina Macaco.
Desde o seu inicio que a ACASO tem sido gerida pela orda socialista e os casos avolumam-se, desde a péssima gestão, passando pelo despejo de utentes por não terem dinheiro para pagar até ao confisco de bens. Grandes socialistas!
A família já contactou a segurança social, contratou um advogado e está em vias de levar o caso à Policia Judiciaria para apuramento de eventuais ilícitos criminais.
A ACASO, que ao longo dos tempos tem vindo a transformar-se numa instituição elitista, apesar dos financiamentos públicos como muitas outras do género, escolhe, selecciona a dedo a admissão dos utentes em função da sua capacidade financeira, bastando para isso comparar a quantidade de utentes internos com ou sem capacidade financeira, para vermos que os filhos da pouca sorte só têm lugar por imposição de cotas.
Os dinheiros públicos são de todos nós e todos nós devemos ter direito ao acesso a instituições que beneficiando desses dinheiros podem e devem estar ao serviço dos mais desprotegidos da sociedade sem com isto recusar o acesso a todos. Condicionar o acesso a uma IPSS em função da capacidade financeira do utente é próprio de mentalidades fascizantes, normal em determinados sectores socialistas, e não só, como é o caso do António Pina.
REVOLTEM-SE, PORRA!
NÃO DEIXEM ESTES GAJOS DORMIR DESCANSADOS!
BASTA!

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

OLHÃO: UTENTE SEQUESTRADO E OBJECTO DE "CONFISCO" DOS BENS EM IPSS?

 Um utente da ACASO, de nome José Catarino, encontra-se sequestrado nas instalações da Instituição, afastado do contacto dos familiares e de outras pessoas próximas, situação que levou a que os familiares pedissem acesso ao Livro de Reclamações o que foi negado, tendo sido chamada ao local, a Guarda Nacional Republicana.
José Catarino vivia sozinho, tem dificuldades de locomoção e pessoa amiga contactou o Centro de Dia da ACASO, ao lado da sua casa, para lhe dar apoio domiciliaria. Em menos de um mês a vida de José Catarino transformou-se radicalmente.
As chaves da sua amiga e protectora foram parar às mãos da ACASO e o senhor ficou sem o contacto habitual que tinha na pessoa em quem confiava.
Caiu em casa e esteve deitado no chão todo um fim de semana sem qualquer assistência. Foi parar ao Hospital de Faro onde lhe foi diagnosticada uma desidratação profunda, mas que no cadastro da ACASO consta como um problema de acido úrico. Esta desidratação está bom de ver que não seria provocada apenas pelo facto de ficar fechado em casa um fim de semana sem assistência mas também porque a alimentação e todos os cuidados prestados pela ACASO deixavam a desejar.
Ora a ACASO quando aceitou a guarda e cuidar de José Catarino assumiu também a responsabilidade de prestar todos os cuidados que o utente precisava e de forma alguma o podia deixar abandonado como aconteceu. A responsabilidade da desidratação profunda do utente, é única e exclusiva da ACASO, até porque sabiam as suas responsáveis que mais ninguém tinha a chave de casa.
Já no Hospital e com um diagnóstico de possíveis problema pulmonares, ficou em observação mas as responsáveis pela ACASO resolveram "resgatar" o utente, trazendo-o de volta e internando-o na Unidade de Cuidados Paliativos a funcionar junto das suas instalações no BREJO.
Quando a família tentou visitar o utente, foram impedidos pelos seguranças de serviço industriados por ordens superiores, o que aconteceu por varias vezes. O argumento invocado era de que o utente não estava em condições de receber visitas. Isolar, afastar um utente desta maneira é o equivalente a um autentico sequestro, que se torna compreensivel quando se percebe toda a tramóia armada.
É que neste vai e vem do Hospital, os médicos pediram para que o utente se fizesse acompanhar do aparelho auditivo que possuía porque não conseguiam comunicar com ele, tal a surdez de que padecia.
Mas a Dª Tânia nunca fez questão de entregar o aparelho nem nunca permitiu a sua utilização. 
No meio disto o senhor deu entrada no "corredor da morte" da ACASO, sem visitas por não oferecer condições, condições essas que tinha para enfrentar um notário que tratou da doação do seu património, que em principio seria para a D.ª Tânia mas porque era funcionaria passou para a ACASO.
Porque somos livres de pensamento, tudo leva a crer que o "sequestro" do José Catarino caiu como mel na sopa para quem se queria apropriar dos bens, como casas e terrenos.
A ACASO é superiormente dirigida por António Pina, conhecido pelos amigos como Pina Macaco, ex- director regional de educação, ex-governador civil de Faro, ex-presidente da Região de Turismo do Algarve, onde mostrou todos os seus dotes políticos. Levou tempo a perceber que tratar de idosos pode compensar desde que estes tenham bens para serem objecto de confisco.
Corram com esta cambada sem vergonha.
REVOLTEM-SE, PORRA!

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

OLHÃO: COMO SE ROUBA O POVO






O Povo de Olhão tem sido sistematicamente roubado pela canalha socialista através de uma gestão ruinosa com efeitos nefastos para o bolso dos munícipes.
Nas imagens acima pode ver-se a exemplaridade, a transparencia das contas da Ambiolhão, a empresa municipal que gere a agua e resíduos sob a batuta socialista e agora com a complacencia da tangerina social democrata..
Um primeiro mapa das dividas a fornecedores relativa ao ano de 2011, apontava valores na ordem dos 4,3 milhões, o que estaria em linha com as contas do Relatório e Contas da Águas do Algarve relativas àquele ano, que apontava uma divida da Ambiolhão na ordem dos 3,7 milhões.
Mas só em 2013 a Ambiolhão resolve fazer um novo mapa dos calotes com a indicação de Mapa Reajustado o que distorce as contas porque naquela altura a Câmara Municipal e o Município deviam 4,2 milhões, enquanto a divida da Ambiolhão se situava nos 3,7 milhões.
O porquê desta distorção?
Em 2012, como se pode ver no mapa da Águas do Algarve, toda a divida acumulada pela Câmara Municipal de Olhão à Águas do Algarve, foi transferida para a Ambiolhão, o que por si só não foi o bastante para que a Ambiolhão apresentasse um mapa correcto. Daí, e novamente em 2013, a Ambiolhão elabora um novo Mapa Reajustado, onde vai acumular a divida que fora da Câmara e mais o calote que entretanto fizera.
Deve dizer-se em abono da verdade que o Mapa Reajustado de 2012 até faz sentido porque nesse ano já a divida transitara para a empresa, mas o de 2011 é absolutamente incoerente. No ano de 2012, a Ambiolhão ao aceitar a transferencia da divida deveria incluir a divida herdada da Câmara Municipal no mapa inicial se necessidade de recorrer a um novo mapa, mas podendo tratar-se de um lapso, aceitar-se-ia a correcção.
A transferencia desta divida mais que se lhe diga, uma vez que ela resulta da aquisição de bens e serviços que a Câmara vendeu e recebeu, e como tal deveria ter transferido também os proveitos resultantes  dessa venda.
Ou seja, a Câmara, de forma muito conveniente, transfere dividas mas não transfere receitas para que num futuro próximo justificar o aumento de tarifário.
E enquanto os socialistas vão delapidando o erário publico, as tangerinas social democratas vão discutindo quem vai ser o presidente do conselho de administração e o 2º vogal da Ambiolhão, esquecendo que a divida que vão receber inviabiliza a empresa a não ser que cumpram com o acordo à conta da criação de nova divida para o Povo pagar.
Até 2010 os serviços de agua e resíduos eram serviços municipalizados e nunca houve nem uma pequena parte dos cambalachos que agora vimos. Mesmo sem as parangonas que apresentam em torno da empresa municipal, a gestão dos serviços era bastante profissionalizada e não fora a ingerência dos eleitos políticos de merda e nunca se teria chegado ao ponto de ruptura que a empresa municipal apresenta.
Socialistas e social democratas fazem uma bela caldeirada na gestão publica e o Povo que se dane!
REVOLTEM-SE, PORRA!

Demolições na Ria Formosa: A CCDR e a ARH deixaram construir casas em DPM na Ria Formosa! O Governo argumenta agora, que as casas a demolir é porque estão em DPM! Mas a lei não é igual para todos?


Na zona ribeirinha da Fuzeta onde era uma Horta(Cerca do Resinde), começaram a construir, 93 apartamentos que fazem parte de , condominio fechado, em Dominio Publico Maritimo já o programa  Polis  Ria Formosa estava em vigor, aqui deixo a foto para quem duvida que ali não era espaço urbano consolidado:
 [​IMG]

Esta construção na Fuzeta iniciou-se durante o periodo de vigência do Polis Ria Formosa,situa-se  em Dominio Publico Maritimo,como podem ver nesta foto,
 

Na Ilha do Farol há duzentas e tal habitações que o governo quer gastar uns milhões para as demolir, argumenta o Secretário de Estado  Paulo Lemos, que as casas tem de ir abaixo porque estão em Dominio Publico Maritimo.
Porque será que a lei em Portugal não é igaul para todos?
É possivél  haver uma lei para os poderosos e os especuladores imobiliários,construirem dentro de agua na Ria Formosa,  e Paulo Lemos argumentar agora  a lei do D.P.M. para  demolir as casas ditas ilegais dos descamisados, e em especial dos pescadores, como é o caso dos Hangares Praia de Faro e Ilhotes de São Lourenço parte Oeste,em frente aos mercados de Olhão?
A Maior parte das casas nem estão em DPM, logo essa afrmação é uma mantira de tamanho de hoje e de amanhã,ou então Paulo Lemos numca colocou os pés em cima da Ilha do Farol dos Hangares e da Praia de Faro.
Os moradores dessas  casas,  que o governo quer demolir, tem de organizar e unir a luta para se preparem para a resistência,e deixarem de acreditar nas promessas dos partidos que deram origem a essas demolições,ou seja dos partidos do arco da governação.

quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

OLHÃO: CERTIFICAÇÕES DA TRETA

A Ambiolhão, empresa  municipal de águas e resíduos, foi distinguida pela qualidade exemplar da e agua e

deveria fazer-se representar hoje no Congresso da Agua a fim de receber o respectivo galardão.
A primeira questão prende-se com o facto de o presidente da Ambiolhão, António Pina saber da realização do dito Congresso e do que lá ia ser defendido, particularmente no que concerne à privatização da agua e do aumento dos tarifários, situação que silenciou não dando conhecimento aos seus camaradas de partido e muito menos aos representantes da oposição, mas sabe agora, mandar para a comunicação social a distinção atribuída.
Não sabemos, nem isso é importante para o momento, quais os critérios para atribuição de uma distinção desta natureza, embora tenham um Regulamento próprio, porque as entidades oficiais do calibre da ERSAR já nos habituaram a esta permanente farsa.
Embora não possamos pôr em causa a qualidade das analises, podemos e devemos pôr em duvida a qualidade da agua e isto porque foi  a própria presidente da Águas do Algarve quem admitiu a possibilidade de poder ser injectada agua de furos na rede.
Obviamente que a ocorrer uma injecção dessa natureza, a Ambiolhão não iria proceder nesses dias a qualquer analise. E  para que não restem duvidas recordamos um pequeno episódio passado há um ano atrás, como se pode ver em http://www.sulinformacao.pt/2013/10/camara-de-olhao-garante-que-agua-no-concelho-e-de-boa-qualidade/.
Porque veio naquela data, a Ambiolhão pronunciar-se pela qualidade da agua? Qual a necessidade disso? Pois bem, aqui no Olhão Livre denunciávamos que a agua, agora classificada de excelente qualidade, poderia estar contaminada com substancias cancerígenas, a saber o bromato, como se pode ver em http://olhaolivre.blogspot.pt/2013/10/olhao-agua-da-rede-cancerigena.htm.
Poderia tratar-se de um boato, como vai sendo habito na Câmara Municipal de Olhão e também na Ambiolhão, mas a verdade é que de seguida a empresa municipal vazou os depósitos, largos milhares de metros cúbicos jogados fora, e procedeu à sua limpeza, por causa dos tais bromatos.
Neste contexto, a distinção da ERSAR é pior que rançosa e muito pouco cuidada, não admitindo que no sistema possam ocorrer situações menos transparentes em que o universo Câmara Municipal de Olhão é useira.
Quem pode realmente garantir a qualidade da agua em Olhão? Um trapalhão feito presidente? 
Quando é que o Povo de Olhão acorda deste pesadelo que já dura há quarenta anos?
REVOLTEM-SE, PORRA!

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

OLHÃO: PINA NÃO QUER RESOLVER PROBLEMA DA PASSAGEM DE NIVEL!

No passado dia 4, realizou-se a reunião entre os representantes da REFER e da Câmara Municipal de Olhão, o que é do conhecimento publico. O que não é do conhecimento do Povo de Olhão, é que perante a postura de António Pina, um dos administradores da empresa abandonou a reunião e não fora os elementos da oposição deitarem agua na fervura e de nada teria servido a viagem.
Depois daquele incidente, a REFER comprometeu-se a comparticipar a intervenção necessária, ponderando ir até aos 500.000 euros, embora nada esteja escrito.
O que fez ou faz Pina?
Como em Olhão, apesar da carência de trabalho no ramo imobiliário, contrata um arquitecto de fora, que curiosamente participou na sua pré campanha eleitoral e que foi co-autor do Relatório de Avaliação de Execução do PDM, o tal relatório que previa a construção da "auto-estrada" na Ilha da Armona. Ele há com cada coincidencia?
Aquilo que o Povo de Olhão pretende é uma passagem de nível, desnivelada sim, simples mas funcional. eficaz quanto baste para suprimir as dificuldades das pessoas com dificuldade de mobilidade ou acessibilidade. Ninguém está a pedir uma obra de arte.
O arquitecto escolhido, professor Sidónio Pardal, certamente não deixará de enriquecer o seu projecto e com isso também elevará os custos da intervenção de tal forma que a REFER poderá não comparticipar ou fazê-lo de forma reduzida.
E a Câmara Municipal de Olhão tem dinheiro para suportar a intervenção nesses termos? Parece-nos que não!
Mais um projecto megalómano se cozinha, à semelhança das demolições ou da substituição da calçada propostas no PP da Zona Histórica, que pode vir a ser inviabilizado pela mania das grandezas de um presidente que vive de imagens e não da realidade de um Povo, que quer um simples acesso que acabe com a fronteira que divide a cidade.
Na prática, o que Pina faz é criar obstáculos na resolução do problema da passagem de nível!
Convém, mais uma vez alertar para a atitude do Pina com esta contratação, e que é demonstrativa da asneira que foi feita pela oposição ao dar-lhe a delegação de competências. Pina apresentou o facto como consumado sem dar qualquer explicação à dita oposição e esta aceita que este faça o que muito bem quer e entende, à semelhança do que tem acontecido em tantas outras situações. Quando é que esta oposição deixa de ser muleta e passa a cumprir o seu papel oposicionista, retirando-lhe a delegação de competências? E quando é que a concelhia socialista, face a sequência de asneiras, retira a confiança politica ao eleito António Pina?
Olhão precisa de uma mudança, profunda, pouco ou nada compatível com as vaidades pessoais e mania de grandezas em momentos de crise profunda. Mais vale uma oposição forte que um governo fraco. Será que o Povo tem de correr com este Poder e Oposição?
REVOLTEM-SE, PORRA!

OLHÃO: PINA ASSUME-SE COMO NOVO DITADOR

Um elemento do corpo de bombeiros foi punido com uma pena de vinte dias de suspensão por factos ocorridos há 9 anos.
Independente das razões que determinaram o procedimento disciplinar, a verdade é que se nos afiguram como prescritos todos os prazos para a sanção de qualquer infracção disciplinar e o bombeiro em causa pode e deve reclamar da decisão.
Porque razão, veio agora a Câmara Municipal de Olhão, através do novo ditador, cada vez mais assumido, aplicar a presente pena?
O bombeiro em causa terá sido dos que mais contestaram o actual comandante, que à data dos acontecimentos ainda estava em inicio de carreira, e não havendo outros motivos para o castigar foram desenterrar actos que se reportam a 2005. A principal razão para o procedimento disciplinar e consequente punição por actos já prescritos, reside precisamente na contestação ao comandante apoiado pela cúpula socialista na autarquia, uma forma de no futuro silenciar qualquer voz discordante no corpo de bombeiros.
Se a este processo, juntarmos um outro na Mercados de Olhão onde um funcionário no exercício das suas funções denuncia uma violação do respectivo Regulamento por parte de um operador e passou de vitima a réu, por ser um oponente do presidente na Comissão Concelhia socialista, então estamos perante o desenterrar da besta fascista, personificada por António Miguel Pina.
Os funcionários da Câmara Municipal de Olhão são vitimas de perseguições pelas chefias e pelos eleitos socialistas, e estão tementes pelo futuro, porque não sentem qualquer protecção e muito menos podem criticar o que de errado se passa no palácio branco do tirano Pina, e sentindo que os procedimentos adoptados nos casos aqui denunciados podem vir a ser-lhes aplicados.
Levado o assunto à sessão de câmara, a maioria dita de oposição validou a sanção aplicada sem se assegurar de uma eventual prescrição do processo, porque no fundo estão de acordo com a perseguição aos trabalhadores, com especial enfâse para os eleitos pelo PSD.
Neste contexto, a solidariedade dos bombeiros para com o seu colega é vital para fazer recuar os mandantes deste aberrante castigo, desencadeando formas de luta que levem à paralisação dos serviços, até ao levantamento do castigo imposto.
Contra o fascismo, lutar!
REVOLTEM-SE, PORRA!

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

Gonçalo Mansinho um filho de Olhão campeão Nacional de Judo!

Parabéns ao Gonçalo Mansinho um filho de Olhão, pela presistência em lutar  pelo titulo nacional de judo que há anos  lhe fugia.
Parabénstambém  ao Judo Clube do Algarve.
 Noticia retirada do Região Sul online

 Judo: Filipa Almeida e Gonçalo Mansinho sagraram-se campeões nacionais

Dois atletas do Judo Clube do Algarve (JCA), Filipa Almeida (-57 kg) e Gonçalo Mansinho (-60 kg) venceram as respetivas provas do Campeonato Nacional de Seniores de judo, realizado no passado dia 7, no Pavilhão Multiusos de Odivelas.

Para além dos dois campeões,

Gonçalo Mansinho estreou-se como campeão nacional de seniores, enquanto Filipa Almeida renovou o título de há dois anos.

A terceira representante do JCA, Joana Santos (-63 kg), alcançou a medalha de bronze, revalidando o 3.º lugar do ano transato.

“Os atletas e o seu clube são razão de orgulho para a cidade, especialmente o Judo Clube do Algarve, liderado pelo mestre Júlio Marcelino, pelo trabalho, pela dedicação, pelo esforço e pela orientação dada aos jovens atletas, merecendo ver o seu mérito reconhecido pois são um exemplo ímpar de valor e excelência no panorama desportivo nacional e mundial”, referiu a câmara de Faro, em nota de felicitação ao emblema.


Crime nas ruas de Olhão, ou atrações turisticas?

Fernando Soares partilhou a sua foto com o grupo Cidade de Olhão.
33 min ·
Tirada ontem pelas 11,30. De tarde - 17,45 - ainda estava na mesma. E hoje?
Olhão, hoje de manhã. O cheiro nauseabundo afastava os transeuntes, maioritariamente turistas. É isto que queremos para Olhão? Meu caro Presidente: não sabe, não quer ou não pode resolver estes problemas? Dê o lugar a outro que o saiba, queira e possa fazer.
 Nota do Olhão Livre,esta noticia de indignação foi roubada da página de facebook de Fernando Soares

Fernando Soares, tem quanto a nós todo o direito à indignação, como aliás tem todos os cidadãos que gostam de Olhão,e não se revem neste vereação, que anda mais interessada em negociatas de pedra e betão, do que em acabar com estes situações fedorentas e criminosas. que deixam indignados qualquer cidadão de Olhão.

Só acresento que esse esgoto corre desde 5ª feira passada segundo um e-mail recebido por nós de uma pessoa que é militante do PS, e que também ele já se queixou à ambiOlhão, mas até hoje às 20h está na mesma ,ou seja verte  de uma caixa de esgoto entupida, que depois corre para um sumidoro de aguas fluviais, que vai por sua vez desaguar na Ria Formosa.
Um crime a juntar ao outro por nós relatado  e pode ver carregado neste link videos no Largo João de Deus.

Para uma autarquia que diz querer apostar no tuirismo será que Antonio Pina pensa que um novo nincho de mercado turistico para observar merda a sair nas ruas de Olhão?
Todo o mundo sabe que os esgotos Tóxicos em Olhão directos para a Ria, e para a Docapesca já são conhecido munidalmente, mas aqui ficam mais uma vez as fotos para reavivar a memória da ASAE, da Brigada de Ambiente da GNR,e todas as oprganizações com responsabilidades nos crimes ambientais e de saude publica.

Esgoto da Doca Pesca em Olhão cuja agua pestilenta,e conspurcada de esgoto, serve para lavar os apetrechos de pesca e as embarcações, também há saida desse esgoto, se pescam  robalos que são vendidos directamente aos restaurantes.


A atração turistica mais fotografada de verão situado no cais de embarque para as Ilhas da Armona Culatra e Farol.o célebre esgoto do T, que durante a maré cheia não se vê, também nesse esgoto, são pescados uma centenas de klg de robalos vendidos directamente aos restaurantes.



O  Esgoto da Marina.
Quanto mais tempo vamos assistir a estes triste espectáculo que deixa envergonhados e revoltados todas as pessoas que gostam de Olhão.
Quanto tempo mais vão as autoridades fechar so olhos a estes crimesambientias e de saude publica?
Estão à espera de um surto de Hepatite A, para depois actuar?


OLHÃO: A DIVIDA A FORNECEDORES DA AMBIOLHÃO



A Ambiolhão vai fazer quatro anos de existência e os resultados até hoje não têm sido nada agradáveis para os munícipes confrontados com sucessivos aumentos de tarifário de agua e saneamento, mas valendo municipalizar os serviços do que mantêm-los com esta politica.
Nunca, como desde que foi criada a empresa municipal, se ouviram tantas reclamações no que respeita ao fornecimento de agua e saneamento, sendo expectável que ao agravamento dos tarifários correspondesse uma melhoria dos serviços.
A verdade é que, e muito depois da entrada em serviço da Ambiolhão, a Câmara Municipal de Olhão, accionista único, transferiu a divida de agua que tinha com a empresa exploradora em alta. Divida essa que não tinha razão de existir porque os munícipes ou pagavam ou eram alvo de execuções fiscais com custos agravados para os consumidores.
Apesar disso a Câmara Municipal de Olhão não pagava aos fornecedores e deixou amontoar a divida para limites incomportáveis.
Ainda assim a empresa, depois de um reajustamento efectuado após a prestação de contas relativas aos anos de 2011 e 2012 apresentava os resultados expostos nas imagens acima, verificando-se um pequena quebra da divida total de cerca de 100 mil euros no ano de 2013.
Quem ler apenas esta parte, dirá que a situação está a melhorar, mas desenganem-se.
Em meados de Julho de 2013, a Ambiolhão fez um acordo com a Águas do Algarve e Algar, no primeiro caso para liquidar a divida em quatro anos e com a Algar em dois.
Como a divida à Águas do Algarve ultrapassava os onze milhões significa isso que em 2014 terá de pagar para alem da factura normal, mais cerca de 2,9 milhões e à Algar cerca de meio milhão, num total de cerca de três milhões e meio para alem da factura anual daquelas duas empresas.
Ora o custo dos bens e serviços, de acordo com as contas de 2013, ronda os seis milhões, os gastos com o pessoal cerca de 2,8 milhões, ou seja, temos já mais de oito milhões e meio a que teremos de acrescer a amortização da divida, mais três milhões e meio, num total de  11 milhões e meio.
Do lado da receita verificamos que ronda os nove milhões e meio, do que resulta um saldo negativo de mais dois milhões.
As contas muito engenhosamente contabilizadas disfarçam mas não enganam, e são prenuncio do que está para surgir novos agravamento de tarifários, porque no fundo quem paga é sempre o mesmo.
Quanto ao presidente não esperem dele um pingo de benevolencia porque primeiro está o seu sindicato de voto e conta com o apoio incondicional de PSD nesta tarefa.
REVOLTEM-SE, PORRA!

domingo, 16 de Novembro de 2014

Dia Nacional do Mar em Olhão!



O Dia Nacional do Mar celebra-se a 16 de novembro.
Neste dia decorrem várias iniciativas em Portugal com vista a mostrar a importância do mar para a economia e desenvolvimento nacional.
Importância do Mar
O mar assume uma importância estratégica e é um setor vital para a economia portuguesa e para o produto interno bruto (PIB).
De acordo com dados divulgados em 2013, o mar português dá trabalho a 100 mil pessoas e representa uma riqueza anual de 8 mil milhões de euros.
Origem da data
A celebração do Dia Nacional do Mar teve origem na "Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar", que entrou em vigor a 16 de Novembro de 1994. Portugal ratificou o documento em 1997.
Esta convenção é muito importante, pois é a partir dela que são estabelecidos, entre outros, os limites marítimos inerentes à Zona Económica Exclusiva e à Plataforma Continental.
Portugal é um país fortemente ligado ao mar, ficando marcado para a posterioridade como o país dos Descobrimentos marítimos.

Nota do Olhão Livre:
O mar é a essência de Olhão e também para a nossa população é um sector vital para a nossa economia. Para que isso seja verdade, Olhão precisa do mar e da ria em boas condições ambientiais. Infelizmemte a CMOlhão e os seus presidentes  nunca olharam para o mar com um olhar inteligente e estratégico a médio prazo.
Continuamente dia após dia, ano após ano, o esgoto do cais T, contiua a envenar as águas o mar e as águas da Ria Formosa. A foto já tem uns aninhos, mais precisamente quatro anos e fui buscar aos arquivos do blog, num artigo sobre as Maravilhas Naturais da Ria Formosa em Olhão e em Faro.
Passados quatro anos desde que a foto foi tirada e a Ria passou a Maravilha, nada mudou. Mudou o presidente da CMOlhão, saiu o Leal (agora em casa a gozar a reforma e o subsídio de reintegração) ficou o Pina, mas o veneno que sai diariamente desse e dos outros esgotos  assasinos, continua o mesmo.
Claro que estes crimes só perduram porque as autoridades como a ASAE, o Delegado de Saúde, a Brigada de Ambiente da GNR, o Comandante da Capitania do Porto de Olhão a CCDR e a ARH.

Numa coisa temos de dar a mão à palmatória: é que Antonio Pina prometeu seguir o legado do cacique Francisco Leal e neste aspecto, como em muitos outros, está a cumprir na perfeição a promessa que fez.

OLHÃO: A CABEÇA DO PRESIDENTE NA LARGO JOÃO DE DEUS?

video
video
Apesar da semelhança de conteúdo, o vídeo de cima mostra, não o tampo da cabeça do Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão e da Ambiolhão, empresa responsável pela agua e saneamento, mas tão só a tampa de um esgoto localizado no Largo João de Deus, fronteira da chamada Zona Histórica.
Esgoto este que está a deitar por fora desde a manhã de quinta-feira mas que ninguém com responsabilidades viu ou não quis ver.
Diga-se de passagem que o caudal agora exibido é diminuto devido à hora a que foi feito o vídeo, 07:50 deste Domingo, com bastante gente ainda a dormir. O que seria em hora de ponta de um dia de semana?
Não venham agora atribuir culpas aos funcionários que executam ordens e que até prestam um serviço exemplar mas que contrasta com aqueles que têm por obrigação mandar executar, uns autênticos nabos.
Para quê tanto engenheiro, como a Clarisse que levou catorze anos para detectar um esgoto directo ou de um Alberto Almeida, filho de quanto baste para ser funcionário com direito a carro da empresa municipal, se depois não conseguem ver o que está à vista de todos.
Já sabemos que o Pina e a restante pandilha não gostam de andar a pé e muito menos percorrer algumas ruas da cidade porque não querem misturas com aqueles que os elegeram, que lhes delegaram um capital de confiança com base em promessas feitas para mais tarde serem confrontados com o oposto daquilo que lhes foi prometido.
E não basta aquela porcaria estar a correr para a rua senão ainda ir parar à rede de águas pluviais e desaguar na Ria Formosa que a acrescer ao incomodo dos moradores da zona, são motivos mais que suficientes para uma rápida intervenção.
Fosse isto à porta do Pina ou do Pirolito e tudo se resolveria de imediato, como o fizeram com os lugares de estacionamento.
Os moradores do Largo João de Deus devem mostrar a sua indignação e revolta pela forma displicente como são tratados pelo Poder local e exigir a Rápida resolução do problema.
REVOLTEM-SE, PORRA!

sexta-feira, 14 de Novembro de 2014

Demolições na Praia de Faro! Será justo as casas dos pescadores irem abaixo e as mansões da Quinta do Lago,construidas em D.P.M. ficarem de pé?

A Câmara de Faro aprovou nova moção contra as demolições nas ilhas-barreira do concelho, desta vez relativa às casas situadas nas zonas Nascente e Poente da Praia de Faro.
Depois de ter aprovado, por unanimidade, uma moção contra a destruição de casas nos núcleos dos Hangares e do Farol da Ilha da Culatra, a Câmara farense volta a carga, desta vez sem os votos favoráveis da coligação PSD/CDS-PP, no poder.
Extrato da noticia de hoje do Sulinformação online

 Nota do Olhão Livre:
O secretário de Estado Vitor Lemos diz que as casas na Praia de Faro e nas Ilhas do Farol Hangares e S.Lourenço tem de ir abaixo porque estão construidas em Dominio Publico Maritimo,ou seja a menos de 50 metros do maior preia mar conhecido.

Aqui deixo uma foto das casas da Praia de Faro,que o governoPSD/CDS,  quer demolir para levar à prática o programa Polis Ria Formosa aprovado pelo governo do PS tendo como 1º ministro o aldrabão do Socrates.
Nesta outra foto estão várias mansões situadas na Quinta do Lago, no extremo Oeste da  Ria Formosa,e em frente à Praia de Faro lado Oeste,   também elas construidas em Dominio Publico Maritimo.
É razão para perguntar ao ministro, se a Republica Portuguesa é  baseada na igualdade e nos principios do direito democrático, porque razão algumas  casas construidas em Dominio Publico Maritimo nas Ilhas barreira vão abaixo, e as outras casas construidas em Dominio Publico Maritimo, e em zonas sensiveis da Rede Natura 2000, ficam de pé?

Perg

OLHÃO: QUEREM MATAR-NOS À SEDE!



António Miguel Pina enquanto presidente da Câmara Municipal de Olhão é um perfeito trapalhão, fingindo ignorar assuntos que pela natureza das suas funçoes esta obrigado a conhecer. Se António Miguel Pina fosse uma pessoa séria e honesta, politicamente falando, daria a conhecer aos seus camaradas de partido as manobras que se preparam nos bastidores por si frequentados, da mesma forma que o daria a conhecer aos vereadores da oposição. Mas António Pina prefere ficar calado e apresentar os problemas como facto consumados e com isso fazer chantagem politica com os seus camaradas e adversários políticos. A actuação de António Pina é merecedora do repudio dos seus camaradas de partido que podiam e deviam retirar-lhe a confinaça politica, mas também por parte da oposição que há muito lhe deveriam ter retirado a delegação de competências que nunca lhe deviam ter dado.
Vem isto a propósito da possibilidade da Ambiolhao vir a integrar a Águas do Algarve.
Sabe-se que o governo pretende proceder à fusão de empresas de distribuição de agua e saneamento em alta, de entre as quais se colocava a fusão da Águas do Algarve com a Águas de Stº André e a Águas do Baixo Alentejo, dando origem a Águas do Sul, processo que só não avançou porque os municípios alentejanos discordaram.
Quando a Águas do Algarve vem propor que a exploração da agua e saneamento em baixa passe para a mesma empresa que o faz em alta, estamos desde logo perante um projecto de concentração de riqueza sob o pomposo nome de ganhos de escala, o que por si só merece a rejeição do projecto.
E pior ainda quando sabemos que o projecto passa pelo aumento do tarifário em alta para os municípios do litoral a pretexto de desequilíbrios na contabilidade da empresa mãe a Águas de Portugal, chegando-se ao ponto de se prever um aumento para os municípios que sejam ao mesmo tempo clientes e accionistas.
E em baixa
Em baixa, os munícipes poderão vir a ser confrontados com uma duplicação dos aumentos quer sejam eles agravados pelo aumento dos tarifários em alta quer pela inclusão dos custos de manutenção e conservação das infra-estruturas.
No âmbito do programa da troika uma das empresas que o governo vendilhão equacionava vender era precisamente a Águas de Portugal, a accionista maioritária de todas estas capelinhas que agora querem juntar, não para reduzir custos com se pretendem justificar mas para proceder a concentração da riqueza gerada pela exploração da agua e saneamento em baixa.
Tudo isto era e e do conhecimento de António Miguel Pina que finge não saber, mas felizmente encontramos literatura suficiente e abundante sobre o tema e que desmente a ignorância voluntária deste aprendiz de politico.
As imagens reportam um excelente artigo do Jornal Agua e Ambiente sob o titulo FUSÕES DE SISTEMAS DE AGUA EM ALTA AVANÇAM COM TARIFAS REVISTAS, de Julho deste ano.
CORRAM COM ESTE GOVERNO E PRESIDENTE!
REVOLTEM/SE, PORRA!

quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Património de Olhão: " Vivenda Vitória" em Olhão, grafitada com autorização do presidente da CMOlhão.

Talvez a maioria da população olhanense não saiba, mas a Vivenda Vitória em Olhão, é um edificio doado pela família Saias à CMOlhão, que prometeu fazer dessa vivenda um Centro de Artes. Sabendo que a C.M.Olhão enferma de aversão à cultura, não admira que nunca tenha sido feito nada, nem se fará nos próximos tempos uma vez que o orçamento para a cultura no concelho de Olhão para o ano 2015 é ZERO!
Durante décadas a autarquia votou ao abandono este edifício, bem como muito do seu património. Agora incentivou artistas grafiters, a limparem todo o espaço (que estava uma autêntica estrumeira) e em troca ficaram com um espaço autorizado para grafitar.
Se é esse o conceito de centro de arte para a Vivenda Vitória, então há que dar mérito ao ainda presidente da autarquia de Olhão,  Antonio Pina, por ter cumprido a promessa e bem à vista de todos.
Nada me move contra a arte dos grafiteres que vão disfarçando, com as suas obras e o seu talento, as condições de ruina dos edifícios de Olhão. Precisamente por isso é foi autorizado este trabalho, assim, mais uma vez se disfarça a ruína do património urbano da nossa cidade.
A Vivenda Vitória, o Chalet João Lúcio, o Chalet Saias, o Chalet Bivar e a Casa Baeta são elementos a preservar e exemplos importantes das manifestações revivalistas neogótica e de arte nova no nosso concelho e, no entanto a CMO deixa degradar estes edifícios fazendo crer que com os grafitis lhes lava a cara e engana o povo.
Serão os responsaveis de Olhão tão ignorantes que não sabem o que estão a destruir? Quem não sabe pergunta e aconselha-se com quem sabe!
Por que razão a CMOlhão nunca classificou estes edifícios como sendo de interesse municipal e ainda por cima os destrói?
Mais uma vez a comunidade estrangeira radicada em Olhão se pronuncia sobre os interesses culturais da nossa cidade: a foto foi retirada da página do f.b. I love Olhao, e perguntam: “Is this the Arts Centre that the Camara promised a few years ago?” ou seja “ É isto o Centro de Arte que a Câmara prometeu há poucos anos atrás?”
Responda quem souber