segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Começou o abate de arvores da Escola Secundária em Olhão.

Como tínhamos previsto há menos de uma semana, começou o abate destas árvores , motivado pelas obras de demolição de parte da Escola Secundária de Olhão DrºFrancisco Fernandes Lopes.

No dia da Floresta a banda, saiu à rua e cerca de dez altas figuras da nossa praça desde o presidente da CMO mais o vereador Camacho a engª Clarrise masi a Carla Caramujo, Martins da junta de Quelfes para isso fizeram este tipo de propaganda no site da CMO.

"É já na próxima terça-feira, 23 de Novembro, que começamos a Plantar Portugal em Olhão. Em 12 escolas básicas do concelho serão cultivadas árvores variadas e os alunos incentivados a cuidar das mesmas e, assim, a proteger o Ambiente. Será uma oportunidade para sensibilizar para a importância da conservação da Natureza.

A Câmara Municipal de Olhão associou-se ao Movimento Plantar Portugal, que decorre entre 23 e 28 de Novembro e durante esta semana, nos dias 23, 25 e 28, as escolas do concelho serão o alvo privilegiado para a reflorestação, com cerca de três dezenas de árvores a serem distribuídas pelas instituições de ensino."

Depois da palhaçada e da defesa da floresta, no dia da floresta, em menos de uma semana começaram a abater os pinheiros mansos da Escola Secundária Francisco Fernandes Lopes.

O que só demonstra a preocupação que os nossos governantes, e os nossos autarcas, tem pela defesa da Floresta.

Já em Faro na escola Tomás Cabreira e no liceu,João de Deus, o abate vai continuar o que quer dizer que não olham a meios para atingir os fins. A Parque Escolar foi planeada para gastar o dinheiro que não há, para encher a barriga de quem fez os projectos( sem concurso publico), sem ir ao local e verificar se havia árvores, e como as preservar, em vez de as abater.

E depois falam os governantes e autarcas, na defesa do ambiente, e da Floresta. Porque não dizem uma vez por todas que não querem saber do ambiente e da floresta para nada, e o que é preciso, é dar obras sem concurso publico às empresas do regime, para encherem os bolsos de dinheiro a esses senhores, à conta do nosso endividamento.

domingo, 28 de novembro de 2010

UM MODO DIFERENTE DE ENCARAR A CRISE

Transcreve-se na íntegra um artigo do ionline, sem quaisquer comentários, deixando que os leitores do Olhão Livre se pronunciem livremente:

Depois de um vídeo onde o ex-futebolista Eric Cantona apela a uma revolução monetária e incita as pessoas a levantarem todo o seu dinheiro do banco, vários países aderiram a este movimento.
Portugal é um deles e até já existe uma página no Facebook onde se pede que no dia 7 de Dezembro, terça-feira, todos levantem o dinheiro dos bancos. Segundo o comunicado na página, o objectivo "não é fazer o sistema colapsar de imediato", mas sim "educar a população sob
re como o sistema financeiro REALMENTE opera". Na página do movimento, perto de 1400 pessoas dizem querer participar na iniciativa.
"Este é o primeiro grupo de acção espontânea, a fim de proteger-vos da comunicação social e corrupção política e nos libertar da escravidão que nos foi imposta pelos grandes banqueiros", lê-se na página.
O movimento começou em França e já se estendeu a vários países como Inglaterra, Grécia, Itália, Dinamarca, República Checa, Islândia e México.

É Fartar Vilanagem!



É fartar, vilanagem!

00h36m

Uma estimável instituição vocacionada para a defesa dos consumidores mostrava há dias que na factura da electricidade, cada vez mais gorda, mais de 40 por cento não se referem ao que consumimos. Se bem entendi, estaremos aí a falar de "extras" variados, entre os quais (estou certo disso) não deixarão de ter o seu peso os salários e prémios milionários pagos aos gestores e, também, aos assessores (originários exactamente daqueles sítios em que o leitor está a pensar), bem como cátedras de luxo em universidades americanas...

Mas esses expedientes, hoje mais vulgares do que o "doce da Teixeira" nas romarias, não se ficam pela electricidade. Essas habilidades, que visam entrar nos bolsos dos cidadãos com aparências de seriedade, estão presentes noutros bens de primeira necessidade e prestados em regimes de monopólio ou parecidos.

É o caso da água: mais de metade da factura nada tem a ver com o consumo, antes se dispersa por rubricas como a recolha de lixo (que grande negócio vai por aí!), o saneamento e outras criatividades semânticas, entre as quais se destaca a "disponibilidade".

Mas há muito mais, a começar pelas gasolinas e a terminar... nunca. E coisas novas vêm a caminho sem o menor pudor: em breve estaremos a pagar uma "taxa de protecção civil", como se entre as obrigações públicas não estivesse precisamente a protecção das populações.

Cabe perguntar, aqui chegados, para que servem, afinal, os impostos que nos cobram!

Esta noticia foi retirada do J.N online.

Em Olhão, temos um caso que nós cidadãos, podemos questionar a CMO, se pagamos o tratamento dos esgotos, porque razão ainda existem esgotos TÓXICOS que correm para a Ria Formosa, sem qualquer tratamento?

Se pagamos o tratamento dos esgotos,qual a razão que as ETARs das Aguas do Algarve não tratam os esgotos como mandam as leis comunitárias?

Caso a C.M.Olhão insista em cobrar a taxa de tratamento dos esgotos, e esse tratamento não seja efectuado como mandam as leis, é caso para fazermos uma queixa ao tribunal pelo roubo que a CMO no faz mensalmente na factura da agua.

Em Maringá no Brasil aconteceu só isso

sábado, 27 de novembro de 2010

Barra da Fuzeta, 1 milhão de euros para a abertura de um cemitério

O mau tempo e o estado do mar abriram uma nova barra na ilha da Fuseta, disse à Lusa fonte da Administração da Região Hidrográfica

(ARH) do Algarve.

Segundo Sebastião Teixeira, um dos responsáveis da ARH, o mar galgou o cordão dunar da ilha, dividindo-a em duas, e a nova barra funcionou na enchente e durante a primeira hora da vazante, mas será necessário aferir se ela funciona mesmo, com a próxima semana e os próximos dias a serem críticos.

Segundo o responsável, trata-se de “um fenómeno natural raro que só acontece de 50 em 50 anos”, e a barra actual fechará naturalmente se a nova vingar.

“Na sequência da tempestade, o mar retomou o galgamento que tem vindo a fazer no último mês, apanhou uma zona de fraqueza em frente ao canal dragado e rasgou uma protobarra. A barra funcionou na enchente, porque via-se que o que entrava não eram apenas ondas mas também corrente, e estive lá até à primeira hora da vazante e está a vazar”, explicou.

Sebastião Teixeira afirmou que “a barra está oficialmente criada” e é necessário agora “ver se aguenta como barra ou não”.

Segundo o técnico, “é muito provável que mais algumas casas sejam destruídas, não na sequência do mar, mas do alargamento da barra”, alertou.

Segundo Sebastião Teixeira, esta abertura natural trava os trabalhos de abertura de uma nova barra, anunciados pela secretária de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, Fernanda do Carmo, quando há cerca de semana e meia visitou a ilha.

“Se a ideia era abrir uma barra e se ela abriu naturalmente, não faz sentido estar a abrir outra, porque para abrir outra tinha que se fechar esta e fechar uma barra é muito difícil”, sustentou.

O responsável da ARH disse ainda que o fenómeno de abertura natural de uma barra pelo mar “é raro, mas é normal”.

Teixeira acrescentou que “a barra da Fuseta tem dois ciclos históricos, com intervalo de 50 anos” e agora “abriu no sítio onde havia outra nas décadas de 40, 50″ do século passado.

Esta foi uma noticia da Lusa em 2 de março de 2010.

Hoje, depois de Valentina Calixto ter gasto mais de 1 milhão de euros em fechar essa barra(alegando Valentina Calixto que por razões de segurança), para abrir uma nova barra 300 metros mais a Leste, esta sim coloca em perigo a vida dos pescadores que tem de sair diariamente para o mar, pois não sabem fazer mais nada.

Passamos a referir declarações de pescadores da Fuzeta em noticia ao publico on line, do jornalista Edálio Revez:

"É dinheiro atirado ao mar", garante José Domingos, pescador, 68 anos de idade. "Já vi o mar abrir e fechar quatro barras nesta zona." A intervenção, decidida após os temporais do ano passado - quando o mar derrubou 38 casas de férias na ilha -, custou cerca 980 mil euros.

Um outro pescador, Jorge Gaspar, de 30 anos, assegura que não consegue atravessar o canal quando a maré está vazia.

Mas Valentina Calixto continua a mentir e defender interesses, que nada tem a ver com os interesses dos pescadores, Valentina Calixto diz, o seguinte sobre o fecho da barra que a natureza abriu, e ela fechou, a pedido do presidente da CMO por causa dos prédios construídos a menos de 20 metros do preia-mar na zona ribeirinha da Fuzeta.

"Não oferecia segurança, não oferecia a possibilidade de compatibilizar os usos que pretendemos para este local com a segurança dos banhistas. Danificou um conjunto de viveiros e criou fragilidades na zona frontal ao espaço urbano da Fuzeta."

Segundo as palavras da presidente da ARH os interesses dos banhistas que frequentam aquela praia durante 3 meses, estão em 1º lugar que os interesses dos pescadores,que há séculos governam a vida no mar.

Mas é assim um pouco por todo o Portugal, fala-se que Portugal tem de se voltar para o mar, mas o que acontece na realidade, é não dar condições de segurança aos pescadores, que saem diariamente para esse Mar que eles tanto falam, mas que nunca lá puseram os pés, pois se o fizessem, sabiam que um dos perigos dos pescadores enfrentam diariamente, é a entrada e saída das barras que estão assoreadas.


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

BRINCANDO COM O FOGO

Hoje, é inaugurada a nova barra da Fuzeta, sem que o trabalho esteja concluído, já que ao fazer as dragagens de dentro para fora da Ria, sem quaisquer estudos dos fundos, Leal e Valentina Calixto são agora confrontados com um fundo de barro à saída da barra e que está a impedir a sua dragagem.
Por outro lado, pretender uma cota de fundo de 2 metros abaixo do zero hidrográfico é o mesmo que estar a dizer que semana a semana a nova barra vai assorear.
É desta forma leviana, que os nossos responsáveis políticos, tratam os dinheiros públicos. Na ânsia de proteger construções autorizadas onde não deviam, prejudicaram a Ria e os pescadores, desculpando-se agora com os ambientalistas, esquecendo-se que a própria Valentina Calixto durante anos foi a manda chuva do ambiente no Algarve e que o Leal quando lhe convém também disserta sobre o mau ambiente que ele cria, como a poluição da Ria, transformando a caca numa maravilha.
Entretanto para este fim-de-semana anuncia-se vendaval e do grosso, especialmente para segunda e terça feira, com ondulação do quadrante sudoeste e que deverá atingir os sete metros.
Enquanto uns parecem atingir um orgasmo com uma inauguração da treta, outros têm a vida e haveres em perigo com é o casa dos habitantes da Praia de Faro. Que medidas preventivas, preparam a protecção civil, a Câmara Municipal de Faro e a toda poderosa presidente da ARH, Valentina Calixto? Quem responde pela desgraça anunciada? À negligente ausência de medidas preventivas devem as populações pedir o rolar de cabeças dos responsáveis políticos.
Para aqueles, que por não estarem na zona ameaçada, se sentem incólumes, é bom que reflictam no perigo de a breve prazo a Ria Formosa desaparecer, se não forem tomadas medidas a serio, contra esta espécie de catástrofes.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Aumento do IMI em Olhão


A próxima Assembleia Municipal vai aprovar o aumento do I.M.I. no concelho de Olhão para as taxas máximas que se pagam em Portugal. Um cidadão do concelho de Olhão (que é um dos mais pobres do país), que se endividou para conseguir adquirir a sua 1ª habitação, vai pagar a mesma taxa de I.M.I. que aqueles que constroem mansões de luxo para especulação imobiliária, em Vilamoura, Quinta do Lago ou Vale do Lobo.

Ou seja, quem tem uma casa de 1ª habitação não vai ser diferenciado no pagamento do IMI, daqueles que têm casas fechadas que alugam e especulam preços no verão, sem pagar qualquer imposto a mais por isso.

Outra medida que a Assembleia Municipal vai aprovar é o aumento do I.M.I. em 100% para as casas devolutas há mais de 1 ano. Resta saber o que considera a CMOlhão casas devolutas, se são aquelas casas que os donos têm dificuldades económicas e não as conseguem recuperar ou se devoluto são também os apartamentos, construídos para especulação imobiliária e que estão fechados, como a maior parte dos apartamentos do Marina Village e outros empreendimentos do género.

A C.M.Olhão vai aumentar o IMI em 100% para as casas devolutas há mais de 1 ano! Mas é a própria CMO que dá o mau exemplo. Veja-se a Vivenda Vitória, mais conhecida por Chalé do Saias. Essa família ofereceu esse edifício à CMO na condição desta o restaurar. O que acontece é que a CMO, passados mais de 15 anos, deixou degradar e destruir a vivenda Vitória.

Será que a CMO se vai taxar a si própria em 100% no caso da Vivenda Victória?

Sei que a A.P.O.S. pediu à C.M.Olhão esse edifício para a sua sede quando ainda estava em condições razoáveis, mas a C.M.Olhão inventou uma série de desculpas e não satisfez esse pedido. Hoje a Vivenda Vitória quase não tem hipótese de restauro, embora a sua recuperação seja sempre bandeira nas promessas do PS em campanha eleitoral para as autarquias. Promessas leva-as o vento o que resta da vivenda lá está para quem passa pelo local ver o desmazelo da CMO na conservação do seu património. É essa mesma CMO que leva para aprovação em A. Municipal os aumentos de I.M I em 100%. E serão legais ou a taxa máxima para o aumento do I.M.I. é de 30%?

Vamos ver como a oposição vai votar esta proposta de PS. Será que vai haver oposição a estas propostas impopulares que irão afectar um sector da população já sobrecarregado de aumentos de impostos e redução de salários?

Essa propostas de aumentos do IMI já foram aprovadas em sessão da CMOlhão pelo PSD e pelo B.E.! Vamos ver agora na Assembleia Municipal, dia 25 de Novembro o voto dos partidos que dizem ser oposição. O PSD vai continuar a votar a favor do PS ?? O B.E, vai fazer o mesmo que o vereador a quem o B.E. retirou a confiança politica? O que vão fazer CDU e CDS???

A solução das casas degradadas deve passar pelas Câmaras, que devem fazer as obras ao abrigo de programas existentes para a recuperação das casas antigas e depois colocar essas casa no mercado de arrendamento e cobrar as rendas até satisfazer o preço das obras efectuadas, entregando-as depois aos proprietários na condição de manter as casas ocupadas. Recuperava-se assim o nosso património, criava-se um mercado de arrendamento e dava-se vida à Cidade de Olhão, evitando assim a desertificação do casco histórico da cidade.

Sobre uma taxa ou agravamento de licença pelas gruas abandonadas na cidade pelos patos bravos nem uma palavra! Será que essas gruas vão cair de podres à espera que passe a crise para os patos bravos? Se cair uma e houver mortos de quem é a responsabilidade?

Também os estaleiros ao abandono da empresa CASAIS deviam ser taxados. Como o estaleiro que essa empresa ergueu nas obras do Ria Shoping, que passados quase 2 anos estão ao abandono em risco das placas voarem e ferirem os cidadãos que por lá passam. O mesmo se passa como os estaleiros da CASAIS para a construção do edifício ONDAS que está parado devido a dívidas ao fisco e à segurança social. Será que essas gruas, e estaleiros vão continuar ao abandono eternamente?

Uma cidade deve ser organizada e não se deve permitir a anarquia que existe pois não são só as casas devolutas e em ruínas que dão mau aspecto à cidade.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Frota da Sardinha em Olhão greve total!

A frota da sardinha teve hoje uma aderência total no porto de Olhão.
Tal facto, mostra bem, as condições de calamidade que se encontra este sector em agonia,tanto para os pescadores como para os armadores, e onde a cada dia que passa os armadores, são obrigados a abater as embarcações, face ao preço do peixe em lota,ao custo do gasóleo.
O estado Português foi o responsável pelo abate da maior parte das traineiras do porto de Olhão, que recentemente ficou sem mais duas traineiras, a operar no porto de Olhão.
Foram elas o São Pedro da Afurada, e a ultima traineira histórica de Olhão Nova Srª da Piedade, governada durante anos pelo saudoso mestre Peixinho à Fogo.

VIVA A GREVE GERAL

Hoje, dia 24 é dia de greve geral, é dia para mostrarmos o nosso descontentamento. Esta greve peca por ser demasiado "branda". O que este País precisa é de uma greve geral. sim, mas por tempo indeterminado, até à queda final de um governo que só nos desgoverna.
O País chegou ao estado a que chegou essencialmente por causa de uma classe política promíscua, uma classe política subserviente aos interesses do grande capital, uma classe política que só existe para um enriquecimento fácil, para toda uma série de mordomias.
José Penedos, destacado membro do P"S" e ex-presidentde da REN, teve direito a um prémio de 240.000€ (duzentos e quarenta mil euros), quando está acusado de ter delapidado a empresa, marioritáriamente detida pelo Estado. É certo que ainda não foi julgado nem condenado, mas mesmo assim e "admitindo" o direito ao prémio, enquanto estivesse a decorrer o processo não deveria receber nada. De qualquer forma, esse prémio é um insulto a todos nós, que temos de pagar a "crise". Quantos trabalhadores há na REN a ganhar 500€? Faça-lhe as contas e constará que esses trabalhadores tem que trabalhar 35 anos para receberem esse valor.
Estamos a falar de "prémios" que os gestores das empresas públicas ou participadas pelo Estado atribuem a si próprios, como se não bastasse os chorudos ordenados que auferem. Uma vergonha!!!
Na Suiça, a reforma máxima é de 1700€ (mil e setecentos euros) e não são permitidas acumulações de reformas. O princípio é de que se ganhou mais, também teve oportunidade de proceder a poupança e os 1700€ mensais são suficientes para  a sua velhice. Em Portugal tudo é permitido, porque são os políticos que criam essas "facilidades" para si próprios, enquanto que ao trabalhador por conta de outrém são pedidos todos os sacrifícios. Quantas reformas tem Cavaco Silva? Quantas reformas tem Manuel Alegre? Quantas reformas tem Mário Soares?
Por outro lado, é público que há cerca de 50 câmaras municipais em falência técnica. Provavelmente haverá até mais do que isso. Só a câmara de Faro deve cerca de 50 milhões. Como foi possível chegar a esta situação? E as outras? A de Olhão quanto deve, qual é o montante ddos empréstimos pedidos à banca e quanto deve aos fornecedores de bens e serviços?
Vivemos num País em que os políticos não são responsabilizados por nada. Eles levam as autarquias à falência e não respondem civil e criminalmente por tais actos e, mesmo, quando respondem o que lhes poderá acontecer é uma "pena" suspensa. Pois é, se for um desgraçado que seja apanhado a apropriar-se de um bem comestível num supermercado das grandes superfícies vai parar ao "cagarrão". O  primeiro ministro aparece associado a toda uma série de situações menos claras e que para o "Zé" estão bem "claras". Na cabeça do "Zé" ele é culpado mas não responde. Os ministros e secretários de estado aparecem nos mais rocambolescos negócios e não respondem.
É um mal que vai da direita à esquerda. Ninguém pede a responsabilização civil e criminal dos políticos. Nesta porca democracia não há ética e quando nos apelam à ética, é a ética do silêncio que nos pedem. Não há moral e quando nos falam em moral é para nos pedir que continuemos deixarmo-nos roubar por uma classe políttica abjecta.
Esté é um País com duas "justiças". Uma "justiça" para os ricoe e poderosos, outra para os "pobres e descamisados. É um País com duas "saúdes". Uma para quem tem "posses" outra para quem não tem como pagar . É um País com duas "educações". Uma para quem pode pagar aos privados (apoiados com subsídios do estado, por todos nós) e a outra para quem não pode pagar.
As eleições são uma farsa. Os partidos que fazem alternância do Poder tem sempre mais possibilidades que os outros. Os partidos que fazem a alternância do Poder tem as televisões, tem as rádios, tem os jornais e "montes de massa" para gastarem em eleições. É esta a "igualdade" da nossa democracia.
Estamos tramados! No próximo ano temos eleições presidenciais e muito provavelmente eleições legislativas. Vai-se gastar uma "pipa de massa" com um vencedor antecipado que se dá ao luxo de dizer que vai gastar o mínimo. Pura demagogia. Mas, entre uns e outros, que venha o diabo e escolha. Nada mudará neste País por ser A ou B. Quem quer que seja eleito será apenas e só apenas mais um corta-fitas. Quanto aos partidos, vamos ser confrontados com mais do mesmo. Quem quer que ganhe as eleições em 2011 não deixará de nos sobrecarregar a canga, não deixará de se governar a si e aos seus boy's le não deixará de utilizar os blindados que "seriam" para a cimeira da NATO ao carregarrem sobre o Povo deste País quando as "coisas" azedarem mais um bocado.
Votar? Votar em quê e em quem? Algum político assume um compromisso sério com o eleitorado? Infelizmente, no "sistema" que nós temos, basta um voto para legitimar o Poder, para perpetuar esta desgraça nacional.
A greve geral não é um dia de descanso. É, sim, um dia de luta por direitos perdidos, um dia de luta contra a classe política que nos rouba descaradamente e que devemos ousar enfrentar. Mas não é só com um dia de greve que conseguiremos pôr ordem na casa. É preciso mais, muito mais...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A Mentira do "Plantar Portugal" em Olhão

"É já na próxima terça-feira, 23 de Novembro, que começamos a Plantar Portugal em Olhão. Em 12 escolas básicas do concelho serão cultivadas árvores variadas e os alunos incentivados a cuidar das mesmas e, assim, a proteger o Ambiente. Será uma oportunidade para sensibilizar para a importância da conservação da Natureza.

A Câmara Municipal de Olhão associou-se ao Movimento Plantar Portugal, que decorre entre 23 e 28 de Novembro e durante esta semana, nos dias 23, 25 e 28, as escolas do concelho serão o alvo privilegiado para a reflorestação, com cerca de três dezenas de árvores a serem distribuídas pelas instituições de ensino.

O Movimento Plantar Portugal (MPP), sem fins lucrativos, tem como objectivo contribuir para a conservação da natureza. A Câmara Municipal de Olhão associou-se ao mesmo desde a primeira hora, incentivando os mais jovens ao lançamento das sementes para um futuro mais sustentável para todos. Esta iniciativa conta com o apoio da Autoridade Florestal Nacional, que fornece as árvores para plantar, Viveiros Monterosa, que fornecem fertilizante para a manutenção das espécies e da empresa F. Sousa Neto, que oferece casca de pinheiro.

Na Semana da Reflorestação, haverá plantação de árvores – alfarrobeiras, ciprestes, pinheiros e chorões – nas escolas do concelho, em que estarão sempre presentes os elementos da equipa de coordenação concelhia, os alunos e todos os voluntários que se queiram juntar à causa, assim como responsáveis políticos da Câmara de Olhão, entre eles o presidente da Câmara Municipal de Olhão, Francisco Leal e o vereador do Ambiente, António Camacho.

Os olhanenses podem aderir ao grupo de Olhão no site www.plantarportugal.org. "

Esta notícia foi retirada do site da CMOlhão, pago por todos os cidadãos, site esse que é propagandista do regime mentiroso que governa Olhão.

Digo que o regime que governa Olhão é mentiroso porque:

- a própria CMO promove a destruição do nosso parco património florestal, (como aconteceu na zona do parque urbano em Olhão, onde dezenas de pinheiros mansos foram abatidos)

-o seu presidente com a última alteração à variante de Olhão, (variante Norte à EN125) pretende abater mais umas centenas de laranjeiras, situadas numa propriedade em plena actividade e a produzir citrinos de excelente qualidade são vendidos no mercado de Olhão ao sábado de manhã e também enviados para o mercado abastecedor de Lisboa.

- também a CMOlhão na alteração ao PDM em Marim, pretende abater centenas de pinheiros mansos para em substituição se implantarem centenas de vivendas e um hotel com 900 camas. A C.M.Olhão pretende ainda acabar com o circuito de manutenção de Marim em terrenos que são da CMOlhão, abater os pinheiros implantados há décadas nesse perímetro, para construir vivendas.

Amanhã os VIPs da CMO, vão sair em fanfarra toda engalanada, para se plantarem 30 árvores em 12 Escolas Básicas do Concelho. Querem esses mentirosos tapar os olhos aos professores, às criancinhas, aos pais e a quem os veja cheios de “verdes intenções”, quando, por cada árvore plantada, muitas outras foram e irão ser abatidas.

E por falar em árvores… será que as árvores da Escola Secundária F.F.Lopes vão ficar de pé depois das obras? Não me admira nada, que as árvores dessa escola sejam abatidas ou fiquem com alguma doença por causa das obras! Estamos cá para ver!

sábado, 20 de novembro de 2010

Ser idoso em Olhão.

Ao ler esta noticia do Região Sul on line., fico revoltado por aquilo que passam os idosos em Olhão.


"Vila Real de Santo António candidata-se a «Cidade Amiga dos Idosos»

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António é uma das sete cidades portuguesas integradas no projecto «Vencer o Tempo nas 7 Cidades», que visa a promoção, nas localidades, da adopção de medidas que atendam às necessidades dos idosos, com o intuito de contribuir para a melhoria das suas condições de vida.

Com a participação neste projecto, o concelho algarvio candidatar-se-á à certificação de «Cidade Amiga dos Idosos», atribuída pela Organização Mundial de Saúde.

Vila Real de Santo António junta-se, assim, às 35 cidades que, em 22 países, tentam cumprir “a missão de se tornarem cidades mais amigáveis para a idade sénior”, num projecto que teve origem em 2005, no 18.º Congresso Mundial de Gerontologia.

Com uma duração prevista de dois anos, este projecto passará por várias etapas, sendo identificadas as dificuldades que os idosos possam ter na concretização das suas rotinas diárias, eventuais alterações que possam melhorar o dia-a-dia dos idosos e formas de combater o isolamento dos idosos.

Por outro lado, serão elaborados planos de acções para minimizar as dificuldades, concretizar as alterações e promover a reintegração dos idosos na sociedade.

A participação nesta iniciativa, promovida em Portugal pela Associação Vencer o Tempo, “surge no seguimento do extenso trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela autarquia de Vila Real de Santo António na área da acção social, e em especial no que diz respeito aos idosos”.

Porque será que os idosos de Olhão não são tão bem tratados? Sendo que o município de Olhão pregoa que gasta fortunas em acção social.
A C.M.Olhão é uma Câmara de maioria dita Socialista, que diz defender o estado social, mas é a C.M.V.Real de Stº António que é do PSD, a ser eleita a uma das melhores 7 cidades portuguesas de apoio aos idosos.
Graças à autarquia de V.R. Stº Antonio, que mandava os seus cidadãos ser operados em Cuba, que hoje os idosos são operados aos olhos são operados no H.D.Faro aos fins de semana por médicos que vem de Coimbra operar aos fins de semana.
Afinal quem defende o estado social o PS ou PSD????
Em Olhão vai ser votado na próxima Assembleia Municipal, um corte substancial ao apoio social, e à família, será que o PSD local, vai votar a favor desse corte??
É bom o PSD em Olhão, desmarcar-se de uma vez por todas da politica do PS local, e passar a ser um oposição digna desse nome, caso contrário o PSD dilui-se no PS como até aqui. Prova disso é que vários militantes do PSD terem feito parte das listas de honra de Francisco Leal, desde que este se candidata à presidência da C.M.Olhão, e já lá vão 17 anos.
Será que a restante oposição vai votar a favor da rectificação do orçamento, quando este vai prejudicar tanto as pessoas???
A ver vamos já dizia o cego!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Aldrabice na Revisão do Orçamento da CMOlhão

Na próxima Assembleia Municipal de acordo com a proposta da revisão do orçamento de 2010, que nos chegou às mãos, vão ser discutidos e quase de certeza aprovados, as seguintes alterações no Orçamento. Resta saber como vai votar a oposição em Olhão.

- Rubrica da protecção à família, à maternidade, à adolescência, à velhice e à carência, menos 750 000 euros (grandes socialistas me saíram quem faz propostas desta natureza!).

- Rubrica da acção social, menos 287 000 euros, dos 467 000 euros previstos, ou seja, mais de metade do previsto é retirado a quem mais precisa. No entanto o presidente da CMOlhão diz há boca cheia, que já gastou 300 000 euros, este ano na acção social no concelho. Ora se 467000-287000=180000, será que o presidente sabe o que diz, ou mente com quantos dentes tem na boca?

- Rubrica da Habitação Social menos 744 000 euros. Quem está à espera de casa de habitação social e vive mal e ao relento, bem pode esperar que apareça outro grande negócio como o dos 700 apartamentos do Marina Village e do Hotel de 5 estrelas, para que se faça habitação social e se corra com as pessoas do pé da ria onde sempre viveram.

- Rubrica do desporto e tempos livre e juventude o corte é de 884 000 euros no geral, mais 1.183.000 euros do parque radical que não se vai fazer (depois de servir de bandeira para a campanha eleitoral) e mais 104 000 euros para os jardins infantis.
Lembramos, no entanto que no ano passado a CMO contribui com a quantia de 1 milhão de euros para apoiar uma equipa de futebol profissional.

- As Juntas de Freguesias, levam um corte de mais 87 000 euros, ao seu já reduzidíssimo orçamento, pois a única J.F. que tem receitas significativas é a Junta de Freguesia da Fuzeta com as receitas do Parque de campismo, do qual, durante anos não apresentou contas.

- Na Rubrica de beneficiação das redes viárias, vai haver um corte de 555 000 euros. Ou seja se as nossas estradas já estão todas esburacadas, mais esburacadas vão ficar, colocando em risco a segurança das pessoas que circulam nas estradas do concelho.

Os cortes ficam-se por aqui, mas os reforços ao Orçamento são de pasmar!
- Reforço de orçamento no valor de 3.987.000 euros, para as despesas com os gastos da água, o que juntando ao valor de 2.231.488, que estava previsto vai dar um valor exorbitante de 6.218.488 euros. Que negócio da água é esse? Pelo que sei o que sai pelas torneiras é água e não champanhe.
Já várias vezes alertámos neste blog que as condutas estão velhas, podres e obsoletas e a perder água a todo o momento. Era bom questionar a CMO, sobre o valor que é pago de água, pelos cidadãos, sobre a quantidade de água entra na rede pública vinda das Águas do Algarve e para onde vai a água que se perde. Exemplos do gasto desmesurado por negligência da autarquia abundam em Olhão.

Era bom que a os partidos da oposição questionassem o presidente da CMOlhão sobre a questão da água, pois houve este ano uma conferência do Movimento de Cidadania Somos Olhão no Auditório Municipal da praceta de Agadir sobre este importante assunto, onde compareceu um represente da CCDR, mas da CMO nem um vereador se designou ir ver o que se discutia em Olhão sobre os recursos e desperdício da água.
Também sobre este assunto o presidente da CMO tem sido questionado em sessões públicas da CMO, por vários cidadãos, mas o Francisco Leal só responde “OPURTUNAMENTE vou tratar do assunto”. Pelos visto tem tratado mal da água, pois gastar mais de 6 milhões de euros nesta rubrica é meter muita água.

- Reforço da despesa Administrativa para aquisição de serviços para a CMO, no valor de 334 447 euros.

- Reforço do orçamento para consumo de gasóleo, no valor de 27 000 euros. Estará contemplado neste aumento de gasóleo, a utilização dos automóveis da CMO para fins particulares? Porque é que alguns funcionários levam os carros da autarquia para casa? Para quando o controlo por GPS das viaturas da CMO, para se saber onde param as viaturas e que percursos fazem durante o dia?

Perante todas estas medidas a CMO, manda para a comunicação social estas notícias de contenção, como a que saiu no Região Sul:

“A Câmara Municipal de Olhão anunciou esta terça-feira que, devido às difíceis condições que o país atravessa, decidiu reduzir os custos ligados às celebrações de Natal e da Passagem de Ano. “Olhão continua a celebrar estas datas festivas, embora este ano de forma mais modesta”, refere-se, em comunicado.
A edilidade olhanense decidiu reduzir os custos com a iluminação de Natal – que ainda assim estará presente nas principais artérias da cidade – em 50%, ficando os trabalhos totais em 42 mil euros.

Quanto à Passagem de Ano, a autarquia olhanense decidiu não promover qualquer evento, seja espectáculo musical ou fogo-de-artifício na zona ribeirinha da cidade, o que representa uma poupança de dezenas de milhares de euros.”

Estas são frases de carpideira do executivo da CMO, pois diz poupar dezenas de milhares de euros na iluminação de Natal e do “foguetório” da Passagem de Ano, esquecendo-se de referir, que só em foguetes o ano passado foram 150 000 euros.

Mas, porque motivo a CMO aluga o salão do Hotel Real Marina SPA Hotel para as conferências sobre a Ria Formosa, se a CMO tem 2 auditórios municipais? Será que há gato escondido, com o rabo de fora?

Nesta Assembleia Municipal qual vai ser o papel dos deputados da coligação "Em Olhão Nós Acreditamos" do Bloco de Esquerda e da CDU? Irão assinar de cruz esta revisão do orçamento, quando a CMO este ano se fartou de esbanjar dinheiro público com a sua má gestão?

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Dia do Mar. Falta de Oxigénio é preocupante!



Dia do Mar: Falta de oxigénio no fundo do mar é tema de programa europeu na Universidade do Algarve

As alterações climáticas e a falta de oxigénio no fundo do mar são apenas um dos temas do novo programa europeu de doutoramento na área dos ecossistemas marinhos que vai arrancar na Universidade do Algarve em setembro de 2011.

“Vamos estudar tudo aquilo que tem a ver com o impacto do Homem ao nível do mar. Tudo o que afeta a biodiversidade, mas também como funcionam os ecossistemas e de que modo a actividade humana influencia esses ecossistemas”, explicou, em entrevista à Lusa, Adelino Canário, professor na Universidade do Algarve e um dos responsáveis europeus pelo “MARES”.

A poluição sonora nos oceanos responsável, por vezes, pelo aparecimento de golfinhos e baleias na costa marítima, a acidificação dos oceanos, o aproveitamento dos recursos humanos, como por exemplo a aquacultura e a pesca, a perda de habitats, como recifes de coral, ou o planeamento costeiro, nomeadamente com o desenvolvimento urbano com dragagens e construção de pilares, são outros dos grandes temas do “MARES”.

O “MARES” é um programa europeu de doutoramento em “Saúde e Conservação de Ecossistemas Marinhos”, com parcerias com 24 instituições - nomeadamente Associações de Armadores e institutos de investigação - de 14 países diferentes, como por exemplo Bélgica, EUA, Austrália, Holanda, Lituânia, França, Alemanha ou Reino Unido.

As candidaturas para o “MARES”, que terá uma duração de três anos e está ligado ao programa “Erasmus Mundus”, já estão abertas e no final os investigadores vão receber o grau de doutoramento por duas universidades, mas pode até ser dado por três universidades, adiantou Adelino Canário, reconhecendo que esse título não é fácil de obter, pela autonomia de cada universidade que tem regras próprias.

O estudante tem de passar pelo menos por duas instituições – universidades e empresas – e é obrigatório saber duas línguas para realizar a investigação no estrangeiro.

“É importante a mobilidade, porque os estudantes além de ficarem treinados para serem investigadores, ficam em contacto com a empresa e o mundo real”, observa Adelino Canário, adiantando que já receberam quase “50 propostas de investigação”, mas que têm de selecionar 25.

Da Universidade do Algarve (UALG) saíram propostas para investigar na área da aquicultura, espécies invasoras, acidificação e planeamento costeiro.

Entre janeiro e fevereiro os alunos que vão participar no programa “MARES” já vão estar selecionados, estando já o processo de candidatura aberto, adiantou Adelino Canário.
(Agência Lusa)
19:50 segunda-feira, 15 novembro 2010

Nota do Olhão Livre.
Esperemos que os problemas da Ria Formosa, não sejam esquecidos tais como aqueles que temos apontado neste bolg, e que são no nosso entender:
- As descargas dos efluentes mal tratados para as zonas sensíveis da Ria Formosa, provenientes das ETARs obsoletas das Aguas do Algarve.
-Os esgotos tóxicos sem qualquer tratamento que descarregam para a Ria na cidade de Olhão e de Faro,sem que as entidades oficias nada façam para acabar com elas.
- O crescimento dos campos de golfe, que descarregam as suas escorrências,cheias de nitratos, para as zonas sensiveis da Ria Formosa, situada nas zonas protegidas do PNRF, sendo que este é um dos graves problemas apontados pelo plano de ordenamento do PNRF.
- O crescimento anárquico e sem controle do Nº de Marinas e portos de recreio, que fomentam o aumento do Nº de embarcações no PNRF, sem que existem estudos, sobre a Capacidade de carga de embarcações a motor, que a zona sensivél da Ria Formosa suporta.
- O aumento descontrolado ( violando por vezes a lei), da carga urbanística, que vem atrás dessas marinas e portos de recreio, que são implantados cada vez mais em cima das margens da Ria Formosa destruindo zonas húmidas de capital importância para a biodiversidade na ria Formosa.
Todos esses factores levam há diminuição do Oxigénio,mas as entidades responsáveis, tentam a todo o custo esconder esta triste realidade que existe na Ria Formosa.
Vamos ver se vão aparecer projectos, na Universidade do Algarve para estudar e dar resposta urgente a esses problemas, já várias vezes apontados neste blog.






domingo, 14 de novembro de 2010

FIM DE CARREIRA...




O BE retirou a confiança política ao único vereador eleito no Algarve. Tarde de mais? Provávelmente. Mas fê-lo e vai ter de arcar com o desgaste que isso lhe possa causar. Para quem conhece o vereador mais de perto, sabe que o homem não passa de um truculento. O BE teve a coragem de romper com o "artista". Deu-lhe a hipotese de sair pelo próprio pé, coisa que o parasita não quis aceitar. Na reunião agendada para esclarecimento sobre a situação, o labrego mobilizou as hostes de maneira a que as coisas lhe ficassem favoráveis. Alguns, acompanharam-no no abandono da reunião, por solidariedade, outros porque não são capazes de distinguir o trigo do joio. De uma forma ou de outra era importante que ouvissem as explicações e depois tirariam as necessárias conclusões. 41 processos em tribunal, quando dizia serem somente três ou quatro? Mentiu descaradamente. Processos em Espanha também? 3.000.000 (três milhões) de euros de dívidas? As contas da campanha ainda por acertar? Eh pá, o homem é mesmo truculento. Mas como pode um parasita destes falar em nome da transparência, querer exercer o seu mandato em nome da transparência e ter o passado que tem? E não é só passado, é que alguns dos processos são já de 2010. Deve ter sido por dar milho aos pombos, coitadinho...

sábado, 13 de novembro de 2010

POLIS DA RIA FORMOSA NA ASSEMBLEIA DA REPUBLICA

A Ministra do Ambiente foi questionada na Assembleia da República sobre o orçamento do Polis da Ria Formosa e sob a forma como estão a ser aplicados os dinheiros públicos desse programa sabendo-se
que a E:T:A:R. de Olhão continua a poluir a ria...

<embed src="http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/S3TtRAgyMweeHOu7edNk/mov/1" type="application/x-shockwave-flash" width="410" height="357" allowFullScreen="true"></embed>

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Birdwatching na Ria Formosa?? E quando não houver Aves??

Conversas sobre a Ria Formosa

“Avifauna e Valorização da Ria Formosa” é o tema do primeiro encontro a realizar no âmbito do ciclo Conversas sobre a Ria Formosa. Acontece no próximo dia 11 de Novembro, às 15h00, no Real Marina Hotel & Spa, em Olhão.


Os anfitriões da iniciativa, Valentina Calixto, presidente do Conselho de Administração da Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, e Francisco Leal, presidente da Câmara Municipal de Olhão, recebem neste dia o secretário de Estado do Ambiente, que preside à sessão.

Ria formosa


Durante mais de duas horas falarão da avifauna e valorização da Ria Formosa o director-adjunto do Parque Natural da Ria, o vice-presidente do Turismo do Algarve, o vice-presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, representantes da Natura Algarve e um responsável pelo Centro de Investigação e Recuperação de Animais selvagens.
A seguir ao encerramento desta cerimónia proceder-se-á à libertação de uma ave recuperada no Parque.

região sul 5/11/2010

Nota do Olhão livre

A ONU preocupa-se com a morte das aves será que essa gentinha importante, vai discutir a maneira de acabar com a poluição que tem vitimado até as gaivotas? Que são um espécie altamente resistente à poluição, como pode ver aqui: morte das gaivotas na Ria Formosa

Será que a Humberto Rosa vai falar sobre a morte de milhares que aves que tem morrido ao longo dos anos nas lagoas das ETARs da Ria Formosa? Pois podemos ver que não foi só este ano que as aves protegidas morreram às centenas nas lagoas envenenadas das ETARs situadas na ZPE da Ria Formosa .

As entidades responsáveis dizem sempre, que vão averiguar porque morrem as aves nas lagoas das ETARs de 3º mundo, que funcionam em zonas tão sensíveis da Ria Formosa, que nem sequer se pode navegar a motor,

Uma coisa é certa a comunicação social este ano denunciou a morte de centenas de aves assassinadas nas lagoas da ETAR Nascente de Faro, passado mais de 2 meses onde está o resultado das análises das aves autopsiadas???

Mas as Aguas do Algarve, responsável por essas ETARs obsoletas, diz que estas, estão a funcionar bem e que é normal as aves morrerem, nas suas lagoas.

Mas quem consulta o site das Aguas do Algarve sabe que a qualidade do efluente é de má qualidade, e nos houve inclusive meses em que a qualidade dos efluentes descarregaso para as zonas sensíveis da Ria Fomrosa não cumriam as leis comunitárias.

Ainda hoje as análises que deviam ser publicadas mensalmente nesse site e publicamente, estão desde Julho sem serem publicados.

As empresas de Turismo da Natureza divulgam a observação de aves, mas não devem elas falar e denunciar a morte das aves que deviam ser protegidas na Ria Formosa, ao abrigo da rede Natura 2000 e da Convecção de Ramsar,e que são assasinadas sem que as autoridades degamuma unica palavra sobre o assunto.

Tenham vergonha e nessas conversas sobre a Ria Formosa e a observação de aves discutam essa vergonha e a maneira de acabr com ela.


quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Nova Barra da Fuzeta já está Assoreada.Mas Leal está orgulhoso!

Correio da Manhã

Quintas do Algarve

A Barra da Fuseta

A Polis fez, antes do Verão, uma importante intervenção do reforço do cordão dunar, que permitiu salvaguardar a zona ribeirinha da Fuseta e que a época balnear fosse um êxito para a economia local.

Por:Francisco Leal, presidente da Câmara de Olhão

Entretanto está em fase de conclusão uma nova barra na zona da "toca do coelho", uma velha aspiração dos pescadores da Fuseta, com o fecho da anterior que está assoreada.

É uma obra muito importante para este núcleo piscatório. O problema e as dúvidas que preocupam os pescadores é a manutenção da navegabilidade da barra, se não for feita qualquer protecção com a colocação de pedras. Os ambientalistas não concordam com esta solução, que dizem afectar todo o cordão dunar, como tem acontecido noutros casos.

Para definir a melhor solução, deverá ser feito um estudo custo/benefício da fixação da barra, como defendem os pecadores, ou a manutenção da actual situação…

Nota do Olhão Livre:

Hoje de manhã ao entrar essa barra já aberta, ia acontecendo um naufrágio nessa barra que a Valentina Calixto em conjunto com Francisco Leal abriram na Fuzeta, depois de terem fechado a barra que a natureza tinha aberto e que tinha boas condições para os pescadores.

A nova Barra aberta sem estudos,previstos na lei, está já assoreada, e tem uma cabeça de areia em frente, impossibilitando a entrada das embarcações com meia maré.

Se acontecer algum naufrágio que resulte na morte de algum pescador, quero ver quem vai assumir as responsabilidades, quando os técnicos da ARH, na altura da abertura da barra, diziam que a barra que a natureza abriu era para manter, pois era a evolução natural das barras no cordão dunar da Ria Formosa.


300 trabalhadores despedidos no aeroporto de Faro.

A empresa Groundeforce despediu hoje 300 trabalhadores do aeroporto de Faro, mais uma machadada na economia da região,que vai afectar muito o concelho de Olhão visto uma grande parte desses trabalhadores serem oriundos do nosso concelho.

7 é o numero da Mentira,mas também o Nº para a entrada do FMI em Portugal!

O ministro das finanças ameaçava com o 7% de juros da venda da divida publica, para o orçamento ser aprovado, o orçamento foi aprovado à conta dos que trabalham descontam e que vivem de pensões de miséria.
Mas a alta finança não é como a maioria dos Portugueses que ainda continuam a acreditar nesta cá fila de políticos incompetentes e corruptos.
Assim sendo ontem os juros da divida publica já foram transaccionados a 7% mas este governo mentiroso como é, já diz que não é bem assim, tentando atrasar a entrada do FMI, como se isso não fosse inevitável numa governação, que vai continuando a mentir e a enganar os portugueses como no caso da ADSE.
O governo tenta poupar mais uns milhões de euros à conta dos portugueses que quieram acabar com as contribuições para a ADSE, e gasta aos milhões, numa cimeira da NATO,a realizar em Lisboa.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

PARECE QUE HÁ GATO


Logo de manhã cedo, houve a preocupação de afixar os catrapazios do costume, reconhecimento de que estavam em falta.
E parece que há gato no meio disto, embora ainda seja cedo para se afirmar alguma coisa. Na verdade, a superficie total de pavimento é de 1.066 m2, para três pisos com uma cercea de 9m. A casa fronteira com o Largo Sebastião Martins Mestre era uma antiga loja de rés do chão e nas traseiras predominava tambem o res do chão e havia inclusivé um quintal, daí que se ache duvidoso que a superficie total de pavimento anterior chegasse aos 1.066m2.
A confirmar-se o que dizemos, poderemos estar perante mais uma violação do PDM, o que até é normal em Olhão.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

OBRAS CLANDESTINAS?



As obras que as imagens documentam parecem tratar-se de obras clandestinas, já que não têm qualquer alvará exposto como manda o Regime Juridico da Urbanização e Edificação. Não tem alvará de demolição nem de construção, desconhecendo-se o dono da obra e, ou o responsavel tecnico.
A obra confronta a norte com a Rua Dr. Antonio Baptista Delgado e a sul com o Largo Sebastião Martins Mestre, sendo visivel da própria secção de obras da Câmara Municipal de Olhão, sendo que o alvará deveria estar visivel do exterior. Desde logo pergunta-se, onde anda o serviço de fiscalização?
E se não sabemos quem responde pela obra, pelo menos sabemos o que diz o Plano Director Municipal de Olhão.
A obra está localizada em pleno coração da Zona Histórica de Olhão, pelo que sua edificabilidade é abrangida pela alinea b), nº 2 do artigo 53 do PDM que diz:
A superficie total de pavimento não poderá ser superior ao existente antes da demolição.
Sendo prática corrente a violação dos planos de ordenamento que vigoram no concelho e dada a inexistencia da indicação de superficie e volumetria, esta obra torna-se suspeita e caso a acompanhar.

domingo, 7 de novembro de 2010

Pescadores da apanha lúdica do marisco revoltam de norte a sul!



Os pescadores da apanha de marisco preparam manifestações de norte a sul do país para mostrar ao Governo o descontentamento em relação à regulamentação da pesca lúdica, que consideram estar a destruir a identidade das regiões litorais.
Em declarações à agência Lusa, David Rosa, um dos representantes das Comissões de Pescadores e População, explicou que em causa está o descontentamento contra as lei da pesca lúdica e da apanha do marisco, em vigor há três anos, que "destrói a iniciativa privada local e o convívio" nas zonas costeiras.
"É a identidade da nossa região", sublinhou David Rosa, referindo-se à costa Vicentina, mas lembrando que esta lei "prejudica todo o litoral do país".
D.N. on line.

Já era sem tempo, só agora é que se aperceberam disso? Estão a impedir os locais de prosseguir com as tradições que sempre tiveram, da apanha de bivalves nas épocas festivas (natal, pascoa), a apanha de isco para a pesca, bem como está em causa a própria actividade de pesca lúdica, porque apesar de tudo não se pode pescar dentro de canais onde antes se pescava.

Para alem disso, proibiram as embarcações da demais população de navegar em determinados canais (quase todos só se pode navegar no canal principal e no do ramalhete) para depois os meninos das maritimo-turísticas poderem invadir a vontade, porque com embarcações de pescadores fundeadas em canais estreitos não dava jeito para passar com os barquinhos deles... alguns bem maiores que o meu que tem mais de 6 metros... Depois criaram zonas de interdição total onde ninguém pode ir, dizem que é para não pisarem os ovinhos dos passarinhos, mas a policia marítima anda lá de MOTO 4 a acelerar e pisar tudo e mais alguma coisa e isso já não faz mal, é só hipocrisia.

A meu ver, e depois de efectuarem estas demolições, passado algum tempo, isto vai ser tudo entregue a patos bravos para construção de resorts e centros turísticos de natureza. A nossa Ria vai ficar desfigurada, amputada, conspurcada com essa canalha que vai invadir o nosso espaço sagrado.

Quanto ao polis, acho que será uma oportunidade perdida, podia ter-se aproveitado esse dinheiro para acabar com o flagelo dos esgotos, melhorar infraestruturas existentes (cais, pontões, etc), criar programas de conservação e manutenção da biodiversidade entre muitas outras coisas. Mas não, optaram por demolições e pouco mais... para além disso não tenho conhecimento de mais nada positivo que o polis tenha feito.

Enfim... Vamos la ver se este movimento que agora está a nascer dá alguns frutos, porque aqui por Faro, o povo e manso, papou com o POOC e voltou a papar com o novo Regulamento do Parque Natural da Ria Formosa e engoliu tudo calado e as secas....

Triste povo este...

Cumprimentos cordiais

Luís Passos
Este post, pela sua actualidade, foi roubado ao blog nosso vizinho Faro é Faro

sábado, 6 de novembro de 2010

Projecto Sea Horse, na Ria Formosa!

Há anos que este projecto dura tendo chegado à conclusão que na Ria Formosa havia uma das maiores colónias de Cavalos Marinhos do Mundo.
Hoje a triste realidade é esta que vem nas noticias, do Barlavento on line, e que o C.C.M.A.R. da U.Algarve vai estudar:

CCMar lança projeto para salvar cavalos-marinhos algarvios


Foto
d.r. Ver Fotos »
Cavalo-marinho

Perceber porque razão a população de cavalos-marinhos da Ria Formosa está a diminuir e o que se pode fazer para parar e inverter esta tendência é o grande objetivo do projeto «Cavalos-marinhos em risco na Ria Formosa?», que é liderado pelo investigador José Pedro Andrade, do Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMar).

Este trabalho surge numa altura em que foi identificada uma redução na população de cavalos-marinhos na Ria Formosa de 85 por cento, em seis anos. A comunidade existente na zona lagunar algarvia chegou a ser considerada uma das maiores e mais estáveis populações do mundo, mas algo mudou.

É aqui que entra o projeto que mereceu o apoio do recém-criado prémio «InAqua – Fundo de Conservação by Oceanário de Lisboa e National Geographic Channel».

Além de perceber o porquê deste desaparecimento, a iniciativa pretende propor as medidas de mitigação que permitam a recuperação dos efetivos para valores verificados no passado recente e contribuir para a elaboração de um plano de recuperação e conservação das duas espécies de cavalos-marinhos existentes na Ria Formosa.

5 de Novembro de 2010 | 23:20
hugo rodrigues


Conselho do Olhão Livre a quem vai investigar.
Estudem a qualidade da agua, que sai das ETARs e dos canos de esgotos sem tratamento, o assoreamento da ria e os locais que o P.O.O.C. da Ria Formosa autorizou para fundeadores, pois todos os dias fundeiam embarcações em cima dessas colónias de cavalos marinhos,sendo que no verão são milhares de ancoras a destruir esses habitats.
Sensibilizem os pescadores para devolver os cavalos marinhos à ria em vez de os matarem e venderem aos turistas e a comerciantes sem escrúpulos.
Apontem o dedo a quem tenham de apontar e não escondam a verdade, como até aqui.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A Indústria da Alfarroba e a poluição da Ria Formosa

Fábrica de alfarroba vai triplicar produção em 2013 com nova unidade em Faro- Negócios 03/11/10 - Lusa

“A única fábrica portuguesa que transforma sementes de alfarroba e exporta matéria-prima para o Japão, EUA, Inglaterra, Holanda e Bélgica vai triplicar a produção a partir de 2013 com uma nova unidade fabril a construir em Faro, Algarve.

No centro da capital algarvia existe, desde 1944, a fábrica "Victus Industrial Farense" que transforma 1500 toneladas por ano de sementes de alfarroba, um fruto seco utilizado na indústria farmacêutica, para dar forma a alguns comprimidos, indústria cosmética para os cremes ou na alimentar, através de aditivos para pudins ou papas de bebé.

A autarquia de Faro tem, todavia, outros planos para aquela zona da cidade onde está implantada actualmente a unidade fabril e, até ao final deste ano, é iniciado o processo de deslocalização da fábrica, que emprega 14 pessoas.

"Vão ser necessários dois anos para a construção da nova fábrica, instalação e auditorias. A primeira pedra foi lançada em Fevereiro passado pelo ministro da Agricultura e o grosso da obra arranca este ano, com a construção da unidade de tratamento das sementes e tratamento de resíduos", avançou à agência Lusa o proprietário da futura fábrica.

Manuel Caetano acredita que ao longo do ano de 2013, a nova fábrica, que vai ficar edificada no Areal Gordo, perto da saída de Faro para Olhão, aumente a produção anual de 1500 toneladas/ano, para quatro mil toneladas/ano de sementes de alfarroba.

As quatro mil toneladas de sementes de alfarroba dão cerca de 40% de hidrocoloides (um espessante vulgarmente conhecido como E 410), e 20% de gérmen, uma farinha alimentar altamente proteica.

"Os hidrocoloides vão para os países mais desenvolvidos na área alimentar do fast food (comida rápida), como os EUA, Japão ou países do norte da Europa, como Inglaterra ou Dinamarca", referiu Manuel Caetano.

O gérmen, por seu turno, segue viagem para outras paragens, como por exemplo, Espanha, Holanda ou Bélgica, acrescentou Manuel Caetano, também conhecido por "mister Carob" ou "mister Alfarroba", por estar desde os 18 anos ligado ao sector alfarrobeiro.

O investimento para a nova unidade fabril de Faro, que manterá os mesmos 14 funcionários, é de 5,5 milhões de euros, sendo 35% do total do valor investido oriundo de fundos comunitários através do Quadro de Referência Estratégica Regional (QREN).

No Algarve existiam duas fábricas de transformação de alfarrobas, a Danisco e a Victus Industrial Farense, mas recentemente a dinamarquesa Danisco, que tinha sede em Faro, encerrou portas e deslocalizou-se para Valência (Espanha), levando toda a estrutura produtiva e desempregando 38 funcionários, entre os quais técnicos desempregados.

O volume de negócios no sector da alfarroba em Portugal ronda os "32 milhões de euros", referiu Manuel Caetano adiantando que apesar de Marrocos ser o país com maior capacidade de produção de alfarroba, é em Portugal que nasce a melhor do mundo".

Nota do Olhão Livre.

A maior parte da produção de alfarroba produzida na Europa provém da Região do Algarve e Portugal é o 3º maior produtor mundial desse fruto. Muitas das alfarrobeiras provêm do esforço dos nossos antepassados, pois a maior parte delas foram cultivadas pelas gerações anteriores às nossas. Como curiosidade a maior árvore desse fruto, em Portugal, encontra-se no Concelho de Olhão mais propriamente na Quinta da Parra em Moncarapacho.

Como em todos os sectores da agricultura em Portugal, também aqui se cometeram erros tremendos destruindo milhares de alfarrobeiras centenárias, para se plantarem pomares de laranjeiras para a caça aos subsídios da CEE e U.E.. Hoje jogam-se abaixo esses pomares e outros, para se voltar a plantar alfarrobeiras.

O negócio da transformação da alfarroba devia ter prioridade, pela parte do Estado. No entanto esse mesmo Estado deve também controlar a poluição provocada por essa indústria, pois não nos podemos esquecer que durante anos poluiu e continua a fazê-lo em Faro nas zonas sensíveis da Ria Formosa, com o fechar de olhos de todas as entidades responsáveis.

A multinacional Danisco, que encerrou agora as portas, despedindo 36 funcionários, mudando-se para Valência, durante anos polui a zona da Ria, atrás da estação de caminhos-de-ferro em Faro e não lhes foram pedidas responsabilidades nem lhes aconteceu nada. Argumentavam as autoridades que era para que a Danisco não despedisse os funcionários. Hoje a Danisco encerrou as portas, o mal ficou feito e quem vai agora gastar o dinheiro a repor o equilíbrio?

Também a Vitcus Industrial Farense tem todo o historial de produção referido, mas também ela é responsável pela poluição da zona da Ria Formosa onde os seus esgotos ainda hoje são despejados, ao lado do Moinho de Maré da Horta da Areia em Faro conforme mostra esta foto. Toda a zona está degradada, quem a vai limpar? Irá essa nova Fábrica da Victus Industrial Farense continuar a poluir a Ria Formosa sem lhe serem exigidas responsabilidades? Irá ser feita uma ETAR para tratar convenientemente os seus resíduos, altamente poluentes ou continuará o mesmo regabofe como até aqui?

Nós no Olhão Livre vamos estar atentos!