quarta-feira, 26 de abril de 2017

OLHÃO: É PRECISO DEGRADAR E DESTRUIR PARA DAR LUGAR A NOVOS NEGÓCIOS NA ZONA HISTÓRICA

Hoje há mais uma sessão de câmara e um dos pontos em analise, é a aprovação do Plano de Pormenor da Zona Histórica. E como já vai sendo costume, faltam alguns documentos essenciais para que se possa ter  uma noção do que, a quadrilha da geringonça olhanense prepara para o futuro de Olhão.
Desde logo, porque dos poucos documentos apresentados, retirando a torre do Pina, praticamente tudo o mais se mantém mas com nova roupagem linguística. A calçada de escarpão, é na nova redacção, calçada da região, como se a pedra de escarpão também o não fosse. E por isso seria muito interessante ver a estimativa de custos para avaliarm0os se estamos ou não em presença da mesma pedra.
De qualquer das formas, uma autarquia que se queixa da falta de dinheiro para acabar com os esgotos directos para a Ria Formosa, e depois não pretende reutilizar a pedra, desperdiçando mais de um milhão de euros, é no mínimo curioso.
A Zona Histórica, cuja delimitação deixa muito a desejar por deixar de fora uma bairro histórico como o do Mundo Novo, na opinião dos nossos ilustres autarcas, deveria ser completamente arrasada, para dar a lugar a empreendimentos de luxo, até pela proximidade com a frente de mar.
Cientes de que a generalidade dos nossos autarcas não querem saber minimamente da história dos olhanenses, porque outros valores, dinheiro, falam mais alto, não nos espanta a destruição de casas em bom estado de conservação e que remontam ao século dezoito, como se elas não fizessem parte da história de Olhão e do seu Povo.
A ACASO, vendeu uma casa nessas condições, a antiga Agência Funerária Leitão, para no seu lugar surgir um novo edifício, com lojas e mais dois pisos, e que ao que ouvimos, já terá dado entrada o respectivo processo de obras.
Acontece que para além da antiguidade da casa, só por si, razão suficiente para a manter, a mesma encontra-se na faixa automática de protecção da Igreja, que como já sabemos, o Pina é avesso a respeitar, o que levará a uma mais que provável queixa.
Cabe aos nossos autarcas, preservarem a identidade, a história e cultura dos olhanenses, mas estes cavalheiros, a única coisa que sabem preservar é a carteira dos amigos.
QUEM ACODE À ZONA HISTÓRICA?

segunda-feira, 24 de abril de 2017

OLHÃO: OS MERCADOS E OS DITADORES!

Na sequência da petição lançada pelos operadores dos Mercados de Olhão, deslocaram-se ali, o presidente e segundo secretário da Mesa da Assembleia Municipal, tentando manipular os operadores, com objectivos eleitorais que devem desde já ser denunciados.
Alegaram para tão ilustre visita que a maioria das assinaturas não pertenciam a pessoas de Olhão, omitindo que em sede de elaboração do Regimento da Assembleia que essa situação fora devidamente acautelada, tendo em conta o direito à participação de municípes que não sendo eleitores do concelho, têm aqui a sua segunda habitação. Mas mesmo que assim não fosse, em plena Assembleia foi dito pelo Pina que se os operadores dos Mercados arranjassem duzentas assinaturas, estaria disponível para discutir o assunto e muito mau seria se em cerca de duas mil assinaturas recolhidas, duzentas não fossem de cidadãos eleitores no concelho, bastando para tal os próprios operadores e respectivas famílias.
Depois de termos dado o alerta para a convocatória da Assembleia Municipal para o próximo dia 27, surgiu a ordem de trabalhos, onde não constava a discussão do problema dos operadores dos Mercados. Sentindo que isso poderia trazer problemas, até pela violação do Regimento da Assembleia Municipal, surge uma alteração para incluir o tema em causa.
Mas mesmo assim, e ainda que no novo documento se diga constar o respectivo Relatório, ele não é apresentado, ou seja, está em falta, abrindo as portas para a fuga à discussão do problema.
Tal como dizíamos em anterior post, o PSD, tal como o PS, não têm o mínimo interesse em discutir este assunto, porque como e do conhecimento publico, o objectivo final das intervenções a realizar na Avenida 5 de Outubro, é virá-la exclusivamente para o turismo, com mais esplanadas, suprimindo algum trânsito e estacionamento, o que a breve prazo pode determinar o definhar até à liquidação total dos Mercados, enquanto actividade económica, pondo em causa dezenas de postos de trabalho.
Dois factores que pesam na atitude dos elementos da Mesa da Assembleia Municipal, são por um lado, a proximidade com as eleições autárquicas e o facto do segundo secretário daquela Mesa, integrar o consórcio que ficou com a concessão da "Marina", onde se prevê duplicar os lugares, depois de corrida as embarcações da pequena pesca artesanal.
Para estes cavalheiros, a democracia esgota-se no acto de votar, alegando a legitimidade da delegação de poderes concedida pelo voto popular. Ou seja, depois das eleições, os elementos do Povo, não passam de um mero numero, uns verbos de encher, não esquecendo que foi o próprio Pina quem o afirmou em sessão de câmara. No fundo não passam de pequenos ditadores e depois vêm comemorar a Revolução!
Certo é que operadores dos Mercados e a população interessada, têm o direito de participar na discussão do assunto, embora tudo esteja a ser feito para que não participem.
QUE OS OPERADORES DOS MERCADOS COMPAREÇAM EM PESO NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL!

domingo, 23 de abril de 2017

OLHÃO: CUMPLICIDADES PS/PSD!

Alertados por moradores da zona, deslocámos-nos hoje até junto do gaveto da Rua Alexandre Braga com a Rua da Feira, nos limites de um bairro, o Mundo Novo, que sendo histórico ficou fora da delimitação Zona Histórica de Olhão.
Deparámos-nos com a construção de um novo prédio, um hostel, do ex-vereador Alberto Almeida que continua a ter assento na distrital laranja. Este vereador ao longo dos anos, tem beneficiado da falta de vista da fiscalização da Câmara Municipal de Olhão e também com a ambiguidade dos seus serviços técnicos, a que não serão alheias as interferências dos eleitos locais nos processos técnicos.
Já lá vão um par de anos, em que Alberto Almeida construi na mesma zona, um edifício de cinco pisos, algo a que mais ninguém foi permitido, mal se percebendo a política da autarquia nesta matéria, a não ser que a intenção seja dar de mão beijada aos patos bravos aquilo que aos actuais proprietários é negado.
Mas mais, Alberto Almeida ocupou uma parte de terreno da autarquia na Urbanização dos Pinheiros de Marim para alargar o quintal da sua moradia e ali construir um anexo. E mais uma vez os serviços camarários não viram nada.Sofrerão de miopia os serviços técnicos da CMO?
E até o filho do Alberto Almeida se deu ao luxo de construir uma vivenda em terrenos abrangidos pela faixa de protecção, de 500 metros,do Plano de Ordenamento do Parque Natural da Ria Formosa e pelo POOC, com a cobertura total da CMO que autorizou.
Voltando à construção em causa, para além de ter ocupado uma parte do passeio publico, está também assente em cima da parede da casa ao lado, causando prejuízos à proprietária, que já tentou junto da autarquia que fosse feita uma vistoria às obras, sem qualquer efeito.
Devemos lembrar, que nos dias de hoje há meios técnicos não intrusivos que permitem confirmar se de facto a parede da nova construção está ou não montada em cima da antiga casa.
Na visita ao local, fomos abordados por duas cidadãs estrangeiras que adquiriram uma casa na Rua Alexandre Braga e que agora com esta construção, ficaram com a vista entaipada. É certo que os serviços técnicos da CMO virão dizer que se trata de um gaveto, e como tal admitir a construção de pelo menos mais um piso, justificando assim a volumetria utilizada.
Devemos também dizer que serviços de fiscalização deveriam ter verificado da conformidade da implantação no terreno com o projecto apresentado, mas pelos vistos, ignoraram o procedimento. Ou terá sido premeditado?
A verdade é que a Câmara Municipal de Olhão continua a prosseguir uma política de construção em altura mesmo em zonas que deveriam ser protegidas, não bastando os autênticos crimes urbanísticos cometidos em dezenas de anos. Os olhanenses sabem que a sul do Caminho de Ferro, as ruas são estreitas, não comportando nem a circulação automóvel nem o estacionamento e que quanto mais volumetria, mais se agrava o problema, para além de se perder parte do nosso património edificado e que deveria ser fonte de orgulho.
Até quando vamos aturar isto? Não estará na hora de acabar com a teia de cumplicidades do PS/PSD em Olhão?

sábado, 22 de abril de 2017

OLHÃO: ASSEMBLEIA MUNICIPAL DIA 27/4. E OS MERCADOS?

Segundo edital publicado no site da Municípi0o de Olhão, no próximo dia 27, quinta feira, vai realizar-se mais uma assembleia municipal,k desconhecendo-se por enquanto a respectiva ordem de trabalhos.
Como é do conhecimento publico, os operadores dos Mercados, apoiados pelos seus clientes, face à aprovação da supressão da circulação automóvel na frente ribeirinha dos Mercados e fim do estacionamento no lado norte da Avenida 5 de Outubro, promoveram uma recolha de assinaturas, cerca de duas mil, enviadas à Mesa da Assembleia Municipal para que integrasse na ordem de trabalhos a discussão sobre o tema, cumprindo os requisitos previstos no Regimento da Assembleia Municipal.
Quanto a esta questão, recordamos que o artigo que permitia levar à inclusão na ordem de trabalhos uma subscrição com 200 assinaturas, foi dos que mais discussão suscitou na Comissão criada para elaboração daquele documento. A razão de tão prolongada discussão, prendeu-se precisamente com o facto dos proponentes terem a obrigação de serem ou não eleitores no concelho, uma vez que muitos terão aqui a sua segunda habitação, embora votem noutros locais, e que por via da imposição de serem eleitores residentes os impedia da participação na vida do concelho.
A Mesa da Assembleia, no todo ou em parte, contactou os principais subscritores, alegando com o facto de muitos dos subscritores não serem aqui residentes, encarregando-se da validação da petição junto das Juntas de Freguesia, no que constitui uma manobra dilatória para atrasar o agendamento da discussão.
Tal não acontece por acaso, uma vez que o próprio vereador do PSD, o mesmo partido que domina a Mesa da Assembleia Municipal, sempre se pronunciou a favor das medidas apresentadas. Isto para dizer que, tanto o PSD como o PS não têm qualquer interesse em discutir o assunto com os operadores dos Mercados e seus apoiantes.
Se atentarmos no Jornal de campanha do Município, edição de Março, podemos ver que o presidente afirma que o Orçamento Participativo é para aplicar até ao final do ano, ou seja que a supressão da circulação automóvel, e com ela o estacionamento, no lado sul dos Mercados é mesmo para avançar.
António Pina já demonstrou que não é uma pessoa confiável, podendo, porque estamos a meia dúzia de meses de um acto eleitoral, adiar a execução do Orçamento Participativo, dizendo que foi sensível aos argumentos apresentados pelos operadores.
E como será depois das eleições? Vai manter a palavra dada aos proponentes da proposta vencedora em sede do Orçamento Participativo, ou pelo contrário vai dar ouvidos aos operadores?
O Pina já demonstrou o quão hábil é na arte de manipular, e se por acaso o Povo de Olhão lhe concedesse uma maioria absoluta no próximo acto eleitoral, não tenhamos duvidas que ele levaria por diante as suas intenções de projecto de Poder pessoal, que passa por correr com os olhanenses da baixa de Olhão, virando-a exclusivamente para fins turísticos.
Por acaso sabemos que o partido dito socialista encomendou uma sondagem a nível regional que lhe dá um crescimento, mas que a nível local, em Olhão, se apresenta em queda, felizmente.
E porque entendemos que este individuo exerce o Poder de uma forma autoritária, prepotente, anti-democrática, e contrária aos interesses da população, aconselhamos o Povo de Olhão a escolher outro candidato, que seja capaz de ouvir primeiro as pessoas na definição das prioridades para depois decidir em conformidade. Continuar com o Pina, é deixar ao critério e interesses pessoais, a definição daquelas prioridades.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Ilha de Moçambique em risco de desaparecer! Será por saber disso que o Presidente da C.M.Olhão não presta contas à Assembleia Municipal, se houve ou não Geminação de Olhão com a Ilha de Moçambique?

Ilha de Moçambique em risco de desaparecer

Considerada Património Mundial da Humanidade, desde 1991, a Ilha de Moçambique corre o risco de desaparecer devido aos problemas relacionados com as alterações climáticas. Um dia pode mesmo acordar no fundo do mar...
 Ilha de Moçambique (DW/J.Beck)
Em Abril de 2015 e no segredos dos deuses  e sem prestar contas a ninguém o ainda presidente da CMOlhão, deu-lhe na  mona ir de férias à Ilha de Moçambique e nada como ir acompanhado com diversas personalidades de Olhão, comitiva essa que  numca se soube que eram, e até hoje não se sabe quem como foi paga essas deslocação e estadia: A desculpa foi ir assinar um protocolo de geminação entre a Cidade de Olhão e a Ilha de Moçambique, noticia essa que pode ver aqui.
Passados dois anos continuamos a não saber como foi possível ao presidente da CMOlhão ir passear à Ilha de Moçambique à conta do erário publico sem prestar contas a NINGUÉM! 
Porque será que os partidos da dita oposição em Olhão não exigem contas dessa passeata?
E  já agora deixamos no ar a pergunta quanto foi gasto nessa passeata e se houve ou não houve geminação de Olhão com a Ilha de Moçambique?
 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

RIA FORMOSA; PASSADO, PRESENTE E FUTURO EM REVISTA!

No passado, o presidente da câmara de Olhão, desde o inicio da era democrática um socialista, era por inerência do cargo, o presidente da Junta Autónoma dos Portos do Sotavento do Algarve, entidade que tutelava ou administrava as ilhas.
Quando se deu o maior surto de construções no núcleo do Farol, presidia à JAPSA, o João Bonança, o mesmo que vem dar uma entrevista, de duas páginas, ao órgão oficioso do partido socialista local, onde diz que as entidades da época sempre fecharam os olhos às construções, omitindo a sua própria responsabilidade no assunto, o que não espanta.
Na verdade, João Bonança, em determinado momento, assinou um edital onde permitia obras, e que serviu para proceder à ampliação da sua casa, e que findas as obras logo se apressou a retirar o dito cujo. Mais, o João Bonança tinha a obrigação de saber que o maior fornecedor de tijolos para as ilhas, era um funcionário da própria Junta.
João Bonança é hoje o presidente da assembleia geral da Associação de Moradores da Ilha do Farol!
A partir de 2014, quando o governo de então decidiu avançar com o processo de demolições logo se formou um grupo de contestação ou de oposição ao governo, o SOS Ria Formosa.
Existindo na Ilha uma associação representativa dos moradores, legalmente constituída, com personalidade jurídica e corpos sociais eleitos, seria com toda a naturalidade que fosse ela a tomar a cabeça da contestação, mas deixou-se ultrapassar pelo SOS, sem a mínima legitimidade por nem ter sido eleita pelos moradores.
A partir daí, o movimento de contestação passou a ter uma direcção bicéfala, falando a várias vozes, algumas vezes desencontradas, o que serviu como mel na sopa para a descarada manipulação do traste Pina.
Pina esse que enquanto presidente da câmara municipal de Olhão, não tem qualquer legitimidade para interferir em zona que administrativamente pertence a Faro, governada por uma laranja.
Apesar disso, os trastes Pina e Luís Graça, sem estarem mandatados por qualquer órgão do Poder, excepto o partido, vêm entabulando conversações, o que não é o mesmo que negociações, com o SOS, em lugar de as ter com as Associações dotadas de legitimidade para representarem os moradores do núcleo do Farol.
No caso das demolições quem representa o Estado, é o governo e a sua sociedade Polis, investida por decreto dos seus poderes, e portanto o interlocutor terá de ser, neste caso, um representante do Estado mandatado para esse fim, que não um representante do partido dito socialista.Logo Pina e Luís Graça não são interlocutores de coisa alguma, mas meros moços de recados do partido com a função de apagarem o fogo da contestação
Pela parte dos moradores, o interlucotor terá de ser necessariamente a direcção da associação, mandatada pelos moradores, que em caso de incumprimento das instruções emanadas da respectiva assembleia geral, deve ser imediatamente substituída.
Não pode de forma alguma serem reconhecidos como interlocutores válidos, de qualquer das partes, quem não esteja devidamente mandatado para o efeito, sob pena de, como é o caso, de se estar a partidarizar uma luta que é de todos.
Quem representar os moradores deve estar de boa fé, de portas abertas a todas as correntes partidárias, apelando ao seu apoio.
Não estamos mandatados para a defesa de quem quer que seja, mas em nome da verdade, devemos repudiar as atitudes de quem, em nome dos moradores, visou pessoalmente representantes partidários, quem chantageou outros por telefone, quem cercou e ameaçou jornalistas quando executavam o seu trabalho ou ameaçar moradores que entenderam denunciar manobras de bastidores.
Quanto ao futuro, sabemos de fonte segura, mas que não podemos revelar, que infelizmente, as demolições são para ser executadas tal como previsto no POOC, podendo apenas ser adiadas por forma a criar as condições que retirem o impacto eleitoral da contestação.
Assim cabe aos moradores preparem-se para a luta e abandonarem de vez a ideia de que estes bandidos disfarçados de cordeiros, como são o Pina e o Luís Graça, lhes vão resolver qualquer problema. Não podem continuar a deixar-se manipular por trastes, cuja sede de Poder os leva a vender quem neles vota.
LUTEM, PORQUE SEM LUTA, NÃO HÁ VITÓRIA!  


quarta-feira, 19 de abril de 2017

RIA FORMOSA: LÁGRIMAS DE CROCODILO!

António Pina, presidente da câmara municipal de Olhão, e filho do proprietário de uma casa no núcleo do Farol da Ilha da Culatra, estratégica e premeditadamente, ausentou-se em Marraquexe, durante a demolição das casas dos descamisados daquele núcleo. Para ele, cinquenta casas são insignificantes se comparadas com o evento cultural, também ele importante é ce5rto, em que marcou presença. 
Não podemos esquecer que o Pina, enquanto membro do concelho de administração da Polis, sabia exactamente o dia das demolições, que não sendo na sua coutada, fez questão de intervir por razões político-eleitorais, antes da tomada de posse do actual governo.
Para as pessoas menos politizadas, de forma simplória, poderíamos dividir os partidos em duas tendências, a do arco do Poder composta por PS, PSD e CDS que vão alternando entre si o exercício da governação, e os da contestação, crónicamente votados à oposição.
Os primeiros gozam do poder de decisão, total ou parcial, e quando do interesse deles, chegam a juntar-se os três, para aprovar nas costas e contra o Povo, tudo o que acharem como conveniente. Foi assim com a Lei de Bases do Ordenamento Marítimo, a tal que permite concessões até cem anos, apresentada com pompa e circunstância no Real marina Hotel, pelo desmiolado Miguel Freitas, então deputado socialista.
Aos partidos do arco da contestação, cabe apreender as reivindicações das populações e conjuntamente com elas pressionar os primeiros a resolverem os problemas.
Os problemas da Ria Formosa, como a poluição, o assoreamento das barras, a fraca renovação das aguas e o défice de oxigenação, a mortandade dos bivalves e espécies piscícolas, a pesca, ou o edificado nas ilhas barreira, são temas que cabe aos partidos de contestação, em representação daqueles que não têm voz, dar forma e corpo às lutas que se vão desenvolvendo.
Por principio, os partidos de Poder, os tais que têm poder de decisão, são os principais responsáveis pela degradação que assola a Ria Formosa, até porque as suas perspectivas de desenvolvimento em obediência aos ditames da UE, passam única e exclusivamente pela opção turismo, condenando todo o sector produtivo.
É neste contexto, simplório, que temos de ver como se posicionaram os movimentos ou associações de defesa dos moradores das ilhas barreira.
Sem fechar a porta a qualquer dos partidos, dos de Poder aos de Contestação, é por demais óbvio que seriam estes últimos aqueles que poderiam apresentar a melhor solução, aquela que foss4e de encontro aos interesses dos moradores, enquanto os demais não passam de reles serventuários dos grandes interesses económico-financeiro.
A partir de meados de 2014, assistimos aos representantes dos moradores apelarem ao voto nos socialistas, precisamente aqueles que estavam na origem do problema. E com o apoio deles, os socialistas ganharam as eleições. Entretanto passaram-se dois anos e o governo que era a grande esperança dos moradores, manteve-se firme na defesa das demolições, apenas criando mais uma divisão, desta vez por fases, ou seja, protelando a estocada final, para evitar grandes ondas de choque. O mentor, o ideólogo das demolições foi o actual ministro do ambiente, que como se viu, na elaboração do POOC, usou de uma habilidade extrema para dividir as zonas e as pessoas, segundo critérios muito próprios e pouco discutidos.
Vem agora o presidente da associação de moradores da Ilha do Farol, lamentar-se por não ter conseguido evitar as demolições em curso. Este cavalheiro é familiar do Pina, socialista de longa data, continuando a fazer o jogo daquele partido, até mesmo quando verte as LÁGRIMAS DE CROCODILO. Com que sinceridade o diz, se nem uma simples manifestação foi capaz de convocar para que todos os moradores estivessem presentes? As pessoas não deixam de ser ordeiras se assobiarem, gritarem e manifestarem o seu descontentamento.
Cabe aos moradores do núcleo do Farol correrem com todos os que pactuam com o Poder e eleger uma direcção capaz de lutar.
SEM LUTA, NÃO HÁ VITÓRIA!

terça-feira, 18 de abril de 2017

RIA FORMOSA: A CONTRA-INFORMAÇÃO DE TRAIÇÃO!

Ontem à tarde estivemos à conversa com um membro da direcção da associação da Ilha do Farol, que nos informou de que as máquinas iriam chegar ao Farol hoje e amanhã seria a altura das demolições.
Depois disso, o SOS Ria Formosa, emitiu um comunicado que reproduzimos a seguir, onde desmente tudo:
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Página gostada · 12 h 
 
Caros Ilhéus,

corre neste momento um boato que as máquinas irão chegar ao Núcleo do Farol amanhã. É uma notícia não confirmada e portanto não há certezas de nada.

Apelamos mais uma vez a que se mantenha a calma e que todos se mantenham serenos. Caso se confirme, estarão presentes responsáveis das associações de forma a garantir que tudo decorre como previsto e que não há enganos em relação a qualquer habitação.

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES! 
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O SOS Ria Formosa ao emitir este comunicado mais não faz do que desmobilizar os moradores das Ilhas, ao mesmo tempo que se presta, como serventuários do Poder socialista, para serem eles próprios a indicar quais as casas a demolir.
Entretanto, e pela madrugada, chegaram as máquinas demolidoras, havendo já um miúdo detido, e pela informação que nos chega a ser maltratado pela Policia Marítima, por ter cometido o "crime" de se recusar a sair da sua casa.
Convém aqui relembrar que foi o SOS a emitir um comunicado onde dizia não se responsabilizar pelo que acontecesse às máquinas, mal se percebendo se o tal comunicado não visava mesmo a comparência de uma força musculada, para não dar qualquer hipótese de resistência por parte dos moradores.
Certo é que as demolições começaram, ao mesmo tempo que sabemos ir ser construído um novo hotel de betão, em cima das dunas, na Praia de Montegordo, portanto em Domínio Publico Marítimo e em área abrangida pelo POOC, o mesmo POOC que manda demolir as casas das nossas ilhas.
Os moradores das ilhas não podem alimentar a ilusão de que sem luta alcançarão qualquer vitória; quando muito, poderão atrasar o processo de demolições, já que está mais que visto que aquilo que é permitido ao sector turístico-hoteleiro se recusa ao cidadão anónimo.
Aos poucos, todos nós seremos corridos das ilhas para que as mesmas sejam privatizadas, ao abrigo do acordo parlamentar do PS/PSD/CDS que esteve na origem da Lei de Bases do Ordenamento Marítimo, que prevê o regime de concessões  até cem anos, consoante a natureza e dimensão dos investimentos.
Os melindres provocados pela denuncia dos actos de traição não nos fazem a mais pequena mossa, pelo contrário. Sempre dissemos e continuamos a dizer que a política não pode nem deve ser feita com base nas amizades, mas sim na defesa de valores e princípios, há muito arredados desta luta. Fazer politica na base da amizade, é o abrir a porta a toda a espécie de cambalachos, como a escolha selectiva de casas a demolir!
Felizmente ainda há quem lute e que merece o nosso apoio e solidariedade.
Queremos o miúdo solto imediatamente.
PELA LIBERTAÇÃO IMEDIATA DO MIÚDO!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

RIA FORMOSA: TRAIDORES!

Há hora em que escrevemos este pequeno texto, ainda não havia noticias sobre o que se passava no núcleo do Farol, enquanto a líder do movimento SOS Ria Formosa, de forma sub-repticia, atacava o autor do blogue Olhão Livre por estar a dividir as hostes, na versão dela. E em boa hora o fez, porque nos merece um reparo à sua atitude a partir de determinado momento. A divisão é o resultado da traição!
Em primeiro lugar, porque a líder do SOS passou o fim de semana na sua casinha na ilha enquanto nenhum dos autores do blogue não tem qualquer espécie de interesse material na Ria Formosa. Portanto é com naturalidade que a "Joana dArc" do sitio estivesse no cais de embarque, não à nossa espera, porque se alguém tem interesses a defender é ela e os restantes moradores e não quem nada lá tem. A nossa solidariedade não pode ser confundida com a obrigatoriedade da defesa de interesses alheios. Nós defendemos valores e princípios que parecem ter escapado à "Joana".
Curiosamente, desta vez não foi feita qualquer convocatória para que os moradores comparecessem e se manifestassem contra as forças da repressão, o que diz bem da postura do SOS.
Foi a líder do SOS quem nos procurou para lhe fornecermos algumas informações e não o contrário. A essa altura ainda não tinha sido absorvida pela maquina socialista e por isso levantava, por exemplo, a situação do Delmar na Fuzeta. E percebe-se bem porque mudou o seu diapasão.
A líder do SOS, como centenas de milhares de pessoas caiu no desemprego e aproveitando essa fragilidade, os socialistas. logo se apressaram a arranjar-lhe emprego como secretária executiva num organismo publico, o IPMA, desconhecendo-se qualquer concurso. Claro que isso implicava o seu silêncio sobre determinadas questões. E calou-se, trocando a luta por conversas, que não negociações, entre o Pina e o Luís Graça, aceitando como válidas as promessas, não de soluções, mas sim de manipulação dos moradores das ilhas, através do SOS.
Aliás, a "Joana", já numa assembleia municipal havia manifestado a sua entrega aos socialistas quando se pronunciou em relação a um deputado municipal, em termos pessoais que não em em representação do partido, quando em relação aos outros, falara sempre nos partidos.
Antes das eleições legislativas, a "Joana" sempre se destacou na contestação ao anterior governo sendo suposto que trilhasse o mesmo caminho, até porque o ideólogo das demolições foi o actual ministro e não o meia leca do Moreira. Ao invés disso, e apesar das visitas de governantes, o SOS nunca mais contestou o quer que fosse, aceitando tudo quanto o Pina e o Luís Graça lhe encomendavam. O preço do emprego!
Qual o saldo das lutas?
Cerca de cinquenta demolições, de "barracas" de casas "abandonadas" que escondem um aterro de resíduos, utilizado como protecção à invasão das aguas das marés.
Tudo o mais, para alem de não passarem de promessas, não representam qualquer tipo de solução.
Temos assim que, a líder dos moradores, trocou a contestação às demolições pelo emprego. Não é isso um acto de traição à luta dos moradores?

domingo, 16 de abril de 2017

RIA FORMOSA: AMANHÃ, O DIA D!

Hoje é Domingo de Pascoa, mas nem por isso deixa de ser um dia de luta para aqueles que amanhã verão as suas casas demolidas no núcleo do Farol - Ilha da Culatra, com os quais estamos inteiramente solidários.
No passado a agua entrava pelas areias do núcleo adentro e foi necessário criar uma barreira para o evitar, As casas agora a demolir estão precisamente na faixa de protecção rudimentar criada para evitar o avanço das aguas, pelo que as demolições podem pôr a nu um outro problema, a exposição das restantes à situação de risco invocada para as demolições.
Há cerca de três semanas atrás os representantes dos moradores faziam chegar a alguma comunicação social, uma nota dizendo que não se responsabilizavam pelo que pudesse acontecer às maquinas demolidoras. Os mesmos vêm agora apelar à calma, à serenidade. Só falta dizerem para os moradores a correr das ilhas devem ir munidos de picaretas para ajudarem a demolir as suas próprias casas.
O que mudou?
Pelo meio houve uma reunião com os trastes Pina e Luís Graça, que apresentaram uma promessa, mais uma, não de solução, mas apenas e só, de uma mera participação no conselho consultivo do novo programa de ordenamento a aprovar. Um chupa para calar a criançada impertinente.
De comunicado em comunicado, o SOS Ria Formosa, vai deixando cair a máscara, apresentando-se mais como uma célula partidária do que como defensora de todos os moradores, e não só daqueles que por caminhos esquisitos, temporariamente, ficaram de fora das demolições. O discurso do SOS é exactamente o mesmo dos trastes Pina e Luís Graça, e serve para estes dizerem no Largo do Rato que controlam a situação junto dos moradores, evitando a contestação.
Mais uma vez lembramos que a Ministra da Justiça, e o Ministro das Infraestruturas vieram a Olhão e os moradores não foram chamados a manifestarem-se, tal como acontecera durante o governo anterior. Mas o Ministro do Ambiente, o verdadeiro ideólogo das demolições, foi a Tavira e mais uma vez os moradores das ilhas ficaram em casa, porque não lhes chegou a comunicação de tal visita. Para culminar, o secretário de estado do ambiente, veio aos Salgados inaugurar a nova ETAR, mais uma vez sem a presença contestatária dos moradores, pelo contrário mereceu aplausos da parte de quem diz defendê-los.
Agora, entre os apelos à calma e serenidade, diz-se que é fruto de uma nova postura, a negociação política, "razão" para evitar o clima de conflitualidade. Nada mais errado do que parar uma luta para negociar. Essa estratégia serve como mel na sopa para quem pretende dividir os moradores, que vão vendo as suas casas serem demolidas por fases, uma atrás das outras.
Quem sabe se a "limpeza" desta parte da praia não implicará no imediato de mais demolições quando encontrarem aquilo que as "barracas" a demolir escondem. São as barracas que defendem o núcleo do Farol e por isso nunca poderiam estar a mais, razão mais que suficiente para as defender.
Acham os senhores, que estas "barracas" estão a mais, porque não são deles, esquecendo que pode muito bem acontecer que as suas casas passem também, e por isso mesmo, a estarem em zona de risco.
NEM UMA SÓ DEMOLIÇÃO!
LUTAR ATÉ AO FIM!
SEM LUTA NÃO HÁ VITÓRIA!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

RIA FORMOSA E A TRAIÇÃO SOCIALISTA

Ainda não passou muito tempo desde que o secretário geral da centtral sindical fantoche UGT veio a terreiro defender a redução das indemnizações. Esta central sindical foi criada pelo partido dito socialista para, com a sua cumplicidade, vender os trabalhadores em sede de concertação social, onde aprovam a exploração desenfreada de quem vende a sua força de trabalho, a escravatura dos tempos modernos. Tal  situação encontra paralelo também naquilo que tem sido a luta dos moradores das ilhas barreira, com os socialistas a manipularem descaradamente as associações e a desviar os moradores do único caminho que os podia levar à vitória: a luta!
A manipulação da associações está bem patente no comunicado do SOS Ria Formosa e que pode ser visto em https://www.facebook.com/notes/sos-ria-formosa/apelo-demoli%C3%A7%C3%B5es-n%C3%BAcleo-do-farol/1855732944695290.
A Ria Formosa tem de ser encarada como um todo, tendo em conta os valores em presença, barras naturais, cordão dunar, o sapal, as actividades económicas tradicionais e também a ocupação humana.
Os planos de ordenamento que incidem sobre a Ria Formosa foram objecto de discussão pouco publica com a generalidade das pessoas interessadas, talvez por falta de informação, a não participarem, deixando assim que as entidades publicas tomassem as decisões que põem em causa a vida de milhares de pessoas.
Também o Programa Polis, o instrumento financeiro da execução dos planos de ordenamento, foi objecto de tal discussão e aconteceu quase o mesmo.
Recordemos um pouco do desastre que foram as intervenções do POLIS:
Destruíram a península de Cacela, a pedido, abrindo uma barra no saco de fundo que com o vendaval espraiou para dentro da Ria.
Nas Cabanas de Tavira tiveram que repetir a intervenção, porque a primeira não resultou. Na sequência tentaram impedir os pescadores de atracarem ao cais criado para usufruto turístico.
Em Tavira tiveram de repetir a intervenção na barra porque na primeira meteram agua. Ainda em Tavira, portaram-se como autênticos donos disto tudo, ocupando parte de umas salinas que são propriedade privada.
Na Fuzeta, mais uma vez por encomenda dos socialistas, abriram uma barra onde não deviam com os resultados que estão à vista.
Em Marim fizeram uma intervenção na praia urbana do Pina, com parque de estacionamento, em espaço privado, sem pedir autorização ao proprietário que os meteu em Tribunal.
Nos ilhotes de Olhão demoliram casas e apesar de situarem dentro do perimetro da administração da Câmara Municipal de Olhão, o Pina aplaudiu. porque não era a casa dele e nem sequer se dignou proceder ao realojamento do quem lá vivia!
Depois das demolições na Praia de Faro, seguem-se as dos núcleos do Farol e dos Hangares com inicio marcado para segunda feira.
Pelo meio ficou um desastroso plano de dragagens, com vista única e exclusivamente para permitir a navegabilidade, e a repulsão de areias, muita dela contaminada, na Praia do Farol e que passadas duas semanas já tinham desaparecido.
Um saldo extraordinário!
Quando o SOS Ria Formosa, apela à calma porque a Policia Marítima apenas vai fazer o seu trabalho, esquece que aquela força faz parte do aparelho repressivo do Estado, um Estado que está refém dos grandes interesses económico-financeiros.
E são esses interesses que estão de dentes afiados para tomarem contas das ilhas, existindo projectos e estudos que apontam para a construção de eco-resorts, casas palafiteiras, para substituir as actuais.
Mas os moradores das ilhas barreira na sua maioria apenas estão interessados na salvaguarda da sua casinha quando as prioridades na Ria Formosa são de outra ordem, mas que não interessam ao Poder Político, uma cambada de vendidos.
No inicio da luta dos moradores ainda foi levantada essa questão, mas a partir do momento em que entrou em cena o Pina e o seu partido dito socialista conseguindo manipular a liderança do movimento dos moradores, logo se calaram com essa coisa.
A poluição é o principal problema da Ria Formosa e não é pelo facto de construirem uma nova ETAR que o problema será resolvido. Este tipo de ETAR tem uma vida útil de quinze anos e somente nos primeiros cinco anos apresenta alguma eficácia, para além de que o enorme volume de agua doce num meio salino e confinado como é o da Ria tem sempre impactos negativos para as actividades econ´micas tradicionais e para toda a biodiversidade.
Se ao invés, os moradores tivessem mantido espírito de luta, marcando presença contestatária nas visitas de representes do governo à região e particularmente a Olhão, os resultados poderiam ser outros. Mas foram na conversa do traidor mor, o Pina, e agora vêm lamentar se de que afinal o melhor que conseguiram foram estas demolições.
Continuem de mãos dadas com os socialistas e não lutem, se querem ver onde vão parar todos e aí não serão só estes 47. Mais não se esqueçam que ao abandonar os que agora ficam sem a sua casa, amanhã vão precisar de um apoio que depois não terão.
LUTEM, PORQUE SEM LUTA NÃO HÁ VITÓRIA!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

RIA FORMOSA: PINA, O NOVO DEMOLIDOR!

António Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão, é por inerência, membro do concelho de administração da Sociedade Polis da Ria Formosa.Não há muito tempo apelidava Sebastião Braz Teixeira de demolidor. E agora?
O novo conselho de administração da Polis obedece a orientações superiores do Governo. E o anterior, não obedecia também às mesmas orientações? O que mudou afinal, a não ser quem ordena as demolições?
A Sociedade Polis foi uma criação do partido dito socialista para dar cumprimento às emanações do POOC, ou seja proceder à renaturalização das ilhas, um eufemismo de demolições. 
E o Pina ofereceu-se para integrar a administração da Polis para ser ele próprio a proceder às demolições previstas para a próxima segunda feira, dia 17, como nos dá conta a imprensa em http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/demolicoes-no-algarve-avancam-na-proxima-semana?ref=Bloco_CMAoMinuto, e por nós avançado em primeira mão.
Há cerca de duas semanas atrás, os canalhas Pina e Luís Graça, reuniram para lhes comunicar que o POOC iria ser revisto e substituído por um Programa, alimentando a ilusão nos moradores, mas omitiram deliberadamente que se iam iniciar as demolições programadas. Mais, o Pina defende mesmo a necessidade daquelas demolições, conquanto a casa dele e dos seus fãs se mantenham de pé. Ora este canalha, devia lembrar-se que qualquer daqueles que v~e agora a sua casa demolida, está no legitimo direito de pedir também a demolição da casa dele, apresentado uma queixa no Tribunal Administrativo, algo que só não faço para não prejudicar terceiros que não têm culpa das atitudes deste bandido.
Quanto às expectativas criadas em torno da revisão do POOC, devemos ser muito claros. O actual governo socialista, se o quisesse, podia suspender o POOC e proceder a uma alteração avulsa. Mas não o faz. E aqui também, assistimos ao jogo duplo do Pina que pretende suspender o Plano Director Municipal para legitimar as irregularidades cometidas pela câmara a que preside.
De qualquer das formas, as associações ditas de defesa dos moradores das ilhas, logo embandeiraram em arco porque iriam integrar o conselho consultivo do novo programa. Mais uma ilusão! Não será por integrarem aquele órgão que vão conseguir o quer que seja porque outras entidades com muito mais peso político e institucional também irão participar. Basta lembrar o Turismo de Portugal, o ICNF ou a própria APA.
A questão é muito política do que de qualquer outra natureza.
Para além dos privilégios de que o sector turístico-hoteleiro goza, são nos diversos estudos, encomendados, para desmontar toda a argumentação dos moradores. Recordamos que para a elaboração do actual POOC, o Turismo de Portugal, encomendou um estudo para a capacidade de carga das praias do Farol e da Culatra, onde preveem áreas a concessionar (privatizar) para custear a conservação da natureza. Não dizem é que, à pala disso, correm com a população autóctone com menos capacidade económica, como se o desfrutar da natureza tenha de ser pago a peso de ouro, quando na verdade o que se pretende é dotar de partes daquela natureza de uma maior privacidade, e claro que isso tem de ser pago.
Mas pior do que isso, é o crime que as entidades publicas vêm cometendo, por forma a que aqueles que vivem da Ria, onde vão buscar o seu sustento, se vejam obrigados a abandonar as suas actividades. Reparem que desde o inicio de Março que as zonas de produção de bivalves Olhão 1 e 3 foram desclassificadas para classe C, impedindo o trabalho, uma autentica violação do direito ao trabalho, e a APA faz saber que os viveiristas estão obrigados a retirar as protecções dos viveiros e substitui-las por calhau rolado. E quem paga se não têm ganhos para isso?
Diga-se também que com aquela desclassificação, o uso balnear seria interdito, o que podia atingir uma das praias urbanas do Pina, a de Marim. Mas claro que isso não pode afectar o turismo e silencia-se.
Neste contexto, Pina não só é o novo demolidor como é o principal canalha a condenar o Povo que o elegeu, e que nas próximas eleições o deve ter em conta.
ABAIXO O PINA!

terça-feira, 11 de abril de 2017

RIA FORMOSA: QUE FUTURO?

Nos últimos dias surgiram algumas noticias sobre a Ria Formosa que pelo conteúdo merecem uma reflexão mais atenta como forma de se tentar perceber o que os marginais que estão no Poder pretendem fazer do futuro das populações nativas.
Uma era uma entrevista do responsável pelo centro de investigação do IPMA, em Olhão, que para além de apresentar a proposta de produção de sardinha em cativeiro para a industria, enquanto a selvagem ficaria para o consumo directo. Por outro lado, diz aquele responsável, que a escassez de peixe na nossa zona se deve mais à poluição do mar do que às capturas intensivas.
Em parte, estamos de acordo e percebemos que se cinja a uma postura mais técnica e menos politica. Na verdade o responsável do IPMA, não é a primeira vez que se refere à poluição como causa da degradação económica e social da Ria Formosa. Mas esquece que os espanhóis capturam na nossa costa enormes quantidades de  espécies e que na sua costa mediterrânica, não perdem a oportunidade de pescar juvenis, seja de sardinha, carapau e outras, porque tudo serve para fazer dinheiro, sem respeito pela calibragem do peixe que apanham. E é assim, que vemos nos nossos mercados surgir peixe que de outra forma seria proibido. Em resumo, proíbe-se aos portugueses, o que aos espanhóis é permitido capturar nas nossas aguas.
Por outro lado, investigadores do CCMAR da UALG, a propósito do cavalo marinho, uma espécie em vias de extinção, levantam duvidas quanto ao estado do stock daquela espécie, atribuindo responsabilidades à poluição e ao ruido da nautica de recreio, como se pode inferir do artigo em http://barlavento.pt/destaque/cientistas-nao-sabem-se-a-ria-formosa-ainda-e-um-santuario-do-cavalo-marinho.
Há muito tempo que alertamos para o facto da poluição, oriunda das ETAR e dos esgotos directos, vir a provocar o desaparecimento das plantas de fundo, a nossa conhecida "seba", à qual se agrra o cavalo-marinho. Mas também não deixámos de alertar para o facto das correntes dos iates fundeados junto à Fortaleza, onde residia a maior comunidade de cavalos-marinhos, destruirem aquelas algas sem as quais o animal pouco hipóteses de sobrevivência terá.
Claro que o Poder politico que tem gerido os destinos do País se está borrifando para isso. Para eles, o problema da Ria Formosa são as casas, porque impedem o desenvolvimento turístico!
Em sentido inverso, anda o traste do Apolinário, que não sabemos bem o que ele é, se secretário de estado das pescas, se secretário de estado do turismo ou ainda presidente da Docapesca, como se pode ver em http://www.jornaldaeconomiadomar.com/governo-quer-mais-intervencao-de-municipios-na-nautica-de-recreio/.
Vem o traste fazer a defesa da transferência de competências para as autarquias em matéria de criação ou transformação de infraestruturas para a nautica de recreio, discurso acompanhado por um outro traste, o tal que elaborou o estudo da capacidade de carga das praias do Farol e da Culatra, e que apontava para  areas de concessão (privatização) da mancha de areal, mandando a população autóctone para trás do cerro se não tivesse uma carteira recheada.
Claro que o objectivo, é virar toda a costa do Algarve para o turismo à custa do sacrifício de quem aqui trabalha e vive, sob as mais variadas formas, entre as quais a náutica de recreio. Essa é a grande opção politica!
É bom lembrar que no hotel da pirataria, ainda houve uma sessão publica onde a sociedade Polis dava a conhecer que iria proceder ao estudo da capacidade de carga de tráfego marítimo dentro da Ria. E bastaria isso, para pensarmos que se se pretende por um lado, diminuir os impactos do tráfego e se aposta na náutica de recreio, o alvo objecto das restrições a impor, será a náutica profissional, os pescadores!
Contra isto se devem insurgir todos os olhanenses!
BASTA 
CHEGA DE TRASTES!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

RIA FORMOSA: DEMOLIÇÕES PARA BREVE!

É noticia do CM de hoje que as demolições das casas objecto da tomada de posse administrativa estarão concluídas até ao fim de Maio, como se pode ler em http://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/demolicoes-de-habitacoes-ate-junho.
A primeira questão prende-se com o facto do Pina ser o representante dos municípios junto da sociedade Polis e como tal, melhor que ninguém saber quando se realiza o bota abaixo. Mas como não quer dar a cara, manda o seu primo e presidente da Associação de Moradores da Ilha do Farol pronunciar-se.
Recordando o passado não muito distante, lembramos que em 2010 e 2011 foram lançadas duas petições que apontavam, não apenas o edificado, como toda a problemática da Ria Formosa, como sejam a poluição, as barras naturais, o cordão dunar, o sapal e a biodiversidade em presença. Convidadas a participar, submetendo o texto das petições a alterações que as associações entendessem como necessárias, depois de se terem pronunciado favoravelmente, deram o dito por não dito e roeram a corda. Nessa altura ainda não estavam eminentes as demolições, mas deixava já perceber o quilate das pessoas que as representavam. Em 2013, quando começa a tomar forma o processo de demolições, foi por nós lançada nova petição, submetida mais uma vez a apreciação das associações que depois de terem dito que sim, voltaram atrás. Esta petição, acabaria por ser retirada porque entretanto surge o SOS Ria Formosa com uma outra petição, com o objectivo óbvio de nos tirarem da lide.
Ainda assim, e porque somos contra qualquer demolição enquanto o Estado, a administração publica, não tratar todos da mesma forma, fornecemos às associações e ao SOS, documentação sobre o Domínio Publico Marítimo, sobre a poluição e sobre tudo o que afectava a Ria Formosa.
E na verdade, perante o espectro das demolições o SOS acabou por levantar a bandeira da poluição como principal causa da degradação da Ria Formosa, sobrepondo-a à necessidade das demolições. Só que isso ia contra a estratégia dos socialistas, os principais responsáveis, não apenas pela poluição provocada pela ETAR como também pelos esgotos directos.
Depois disso entra em cena o Pina, presidente da câmara, que com a iniciativa do camaleão não só apagou o fogo da luta, como alimentou a ilusão da esperança de que seria possível travar o processo de demolições. É óbvio que o Pina pretendia única e exclusivamente proteger a casa do papá. Nessa altura estávamos perante o governo de Passos Coelho e o Pina via nisso uma excelente oportunidade de fazer oposição. Mas com isso adormeceu os moradores das ilhas.
Em 2015, dá-se a formação do governo socialista, e o Pina foi aconselhado a calar-se e a travar a resistência dos moradores, concebendo uma manobra de divisão que consistia na concepção de três fases para as demolições e inventando uma "zona de risco", até aí inexistente, salvaguardando assim a sua casinha e a de alguns amigos. Fez então passar a mensagem da necessidade de demolições nessa faixa de "risco" como um mal menor. E alguns moradores aceitaram como boa a sugestão.
A divisão estava criada entre os que veem as suas casas a demolir e as dos que ficavam, uma especialidade socialista.
Daí à tomada da posse administrativa foi um passo, com o presidente da associação do Farol, qual funcionário da Polis, colaborando com a Policia Marítima, a indicar quais as casas a marcar.
Mas há moradores de todas as fases que estão descontentes com os seus representantes e de tal forma assim é que deram inicio a pesquisas sobre o que se prepara para a Ria Formosa. E se bem pensaram melhor agiram, entrando em contacto connosco e nos fornecem elementos até aqui desconhecidos, práticas recentes do nosso poder político.
Foi assim que nos chamaram a atenção para o facto da empresa à qual esteve. se é que não continua ligado o actual ministro socialista do ambiente e ordenamento, ter participado na Avaliação Ambiental Estratégica do POOC Sado-Sines 2014-2020. E também foi possível verificar que na RCM de 2013 que manda suspender aquele POOC, se podia ler " Aprova a suspensão parcial do POOC Sado_Sines e estabelece medidas preventivas para as áreas de protecção costeira adjacentes aos empreendimentos turísticos do concelho de Grândola".
Tudo para o turismo e restrições para os nativos do concelho!
Que ilusões alimentam as associações e movimentos ditos de defesa dos moradores? Continuem a acreditar nestes socialistas, não ofereçam resistência e depois verão o que lhes acontece!

domingo, 9 de abril de 2017

OLHÃO: FISCAIS DA CÂMARA CONDENADAS POR CORRUPÇÃO!

As duas fiscais da fiscalização de obras foram condenadas, na passada sexta feira pelos crimes de corrupção e peculato, conforma noticia o CM em http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/fiscais-condenadas-por-corrupcao-e-peculato.
Apesar de condenadas a prisão, vão beneficiar da pena ser suspensa. Entretanto, uma delas, pouco depois da bronca estalar pediu a demissão, prescindindo dos salários a que teria direito até à sentença transitar em julgado; já a outra manteve-se como funcionária, recebendo todos os meses o seu vencimento.
Perante isto resta saber que atitude vai tomar o Pina, já que a chefe do serviço de fiscalização foi uma escolha sua, pessoal, mesmo sabendo dos antecedentes dela e que já indiciavam práticas pouco recomendáveis.
Numa outra situação, a Câmara Municipal de Olhão, recebeu a denuncia de uma construção na estrada de Alfanfanga-Moncarapacho, ainda no inicio da obra, mas deixou passar algum tempo, e só quando nós pedimos o acesso ao processo de obras, foi aberto o processo de contra-ordenação, já a obra estava no fim. O proprietário é um tal Madeira, amigo do anterior presidente, e que tem usado e abusado de construções clandestinas, sem projectos, em terrenos da reserva agrícola e leitos de cheia, sem que as autoridades façam o mínimo dos mínimos para o impedir. Nada melhor do que ter amigos destes!
A questão que se coloca agora é a de saber se a Câmara Municipal vai ou não proceder disciplinarmente contra a chefe dos serviços de fiscalização, até porque o lugar que está de momento preenchido por outro.
A Câmara Municipal de Olhão, nos últimos anos, tem vindo a ser confrontada com irregularidades ou ilegalidades em processos urbanísticos, alguns herdados de um passado recente mas já com o aval do Pina que nada fez, nem faz, para os evitar.
Depois desta condenação já ninguém pode negar a existência de actos de corrupção na CMO. A sentença veio confirmar isso mesmo!

sábado, 8 de abril de 2017

OLHÃO: PINA CONTRA A PROTECÇÃO DO PATRIMÓNIO!

Num comunicado enviado à Agência Lusa, e que pode ser lido em http://www.avozdoalgarve.pt/detalhe.php?id=23809 , António Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão, teceu algumas considerações sobre o que pensa da protecção do património.
No caso de Olhão, e à semelhança do que acontece em muitos outros pontos do País, o pároco local deu inicio a uma intervenção na sua igreja, edifício classificado desde 2013.
Foto retirada do Sul Informação online

Talvez por ignorância, o ainda presidente da câmara, parece não perceber que para a classificação de um edifício torna-se necessário um conjunto de procedimentos administrativos, um dos quais passa pela anuição do proprietário à sua classificação, podendo deduzir oposição se não tiver interesse nela.
Por outro lado, quanto ao financiamento deste tipo de intervenções, o Pina mais uma vez cai na tentação de apontar o dedo ao governo, neste caso do seu partido. Acha o Pina que o Estado tinha a obrigação de financiar a igreja para proceder a obras de manutenção que só são feitas de X em X anos..
Mas a igreja já tem um forte apoio do Estado, isentando-a do pagamento do IMI sobre o seu património, que em Olhão não é assim tão pouco. Ora se a igreja estivesse obrigada a pagar IMI como qualquer outro cidadão durante o período de tempo que medeiam as obras de manutenção, certamente que aquele valor daria para cobrir as despesas.
É preciso não esquecer que a intervenção se resumia à limpeza das pedras e "pintura", enquanto no acaso em apreço foi utilizado o jacto de agua, que actua mais profundamente, arrancando pedaços do reboque e originando infiltrações de humidade.
Por outro lado, existe alguma incompatibilidade entre os materiais utilizados e os de origem. No passado estas construções eram feitas com recurso a uma mistura de cal e areia enquanto no presente se utiliza o cimento, mais forte que a mistura de origem originando diferentes reacções entre elas.
Na "pintura" destes edifico era utilizada a cal, mais absorvente das humidades, e mais saudável para as paredes permitindo a sua respiração.
É evidente que quem ganhou a obra apresentou um orçamento, que foi aceite, no qual eram discriminados os materiais que iria utilizar, não lhe sendo imputável qualquer responsabilidade, que essa é única e exclusiva de quem mandou fazer a obra, e que tinha por obrigação saber que o edifício fora classificado
Quando o Pina se vem pronunciar nos termos em que o faz, questiona-se o que pretende ele fazer com a candidatura da Ria Formosa a património da UNESCO, ou seja a sua classificação como monumento, sabendo de antemão que caberá às câmaras da respectiva área criar as condições para a manutenção desse património, algo incompatível com os esgotos directos.
Resultado de imagem para esgotos do T em Olhão
E porque se fala de património, também não podemos esquecer que o Pina pretendia demolir um edifico, pertença da autarquia, do século XVIII para no seu lugar fazer uma torre-mirante ou para o estado de degradação que afecta a Vivenda Victoria, também ela pertença da câmara, e quase irrecuperável. Ou seja, o Pina tem pavor de tudo quanto diga respeito à peservação e protecção do património.
Com um presidente assim, Olhão tenderá a degradar-se continua e deliberadamente na senda da substituição das suas características arquitectónicas para dar lugar ao betão e encher os bolsos dos patos bravos.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

RIA FORMOSA: O CAMINHO DAS DEMOLIÇÕES!

Depois de um comunicado, completamente divisionista, em que uma pretensa organização de representantes dos moradores das ilhas se transformou numa organização do Partido dito Socialista, surge na comunicação social uma noticia, que vai no mesmo sentido e que merece um comentário mais aprofundado para que todos os moradores tomem consciência do que se vai passar num futuro próximo.
Desde que o actual governo tomou posse que aquela organização desistiu de lutar como o fizera durante o consulado de Passos Coelho. Assim vieram pelo menos quatro governantes à região sem que os moradores tivessem tomado qualquer iniciativa de contestação, antes pelo contrário, chegaram a aplaudir as intervenções do governo demolidor. O ministro das infraestruturas, a ministra da justiça, o ministro e secretário de estado do ambiente. Nem uma só manifestação de contestação.
Olhando para trás, verificamos que a única "vitória" conseguida supostamente por aquela organização, foi a tomada da posse administrativa das cinquenta casas, ditas em zona de risco. Já o dissemos por varias vezes que tudo isso foi em principio aflorado durante a campanha eleitoral que levou o PS ao governo e mais tarde discutida e aprovada nas costas dos moradores pelo Pina, que apresentou uma planta com as três zonas ou fases para as demolições. E os ditos representantes dos moradores aceitaram a ideia como sendo uma mal menor, uma vez que as suas casas ficavam a salvo, por enquanto.
Vieram agora, o Pina e o Luís Graça, presidente da câmara municipal de Olhão e o deputado socialista anunciar para breve a revisão do POOC, que ficará a cargo da APA, ou seja de Sebastião Braz Teixeira acusado de ser o responsável pelas demolições. Poderá alguém de bom senso acreditar que o Sebastião, depois de tudo o que se passou e passa, mudar de posição? E que raio de ministro é este que sabedor disso endossa para o inimigo dos moradores a responsabilidade de tal revisão?b Ou o ministro vai pressionar o Sebastião a violar a Lei? Como não acreditamos no Pai Natal, as "boas" noticias postas a circular pretendem apenas esconder alguma coisa que vai surgir para breve.
E é com base na hipotética revisão que, segundo a noticia, serão accionadas novas providências cautelares para evitar a demolição das cinquenta casas, outra mentira! Esquecem os senhores Pina e Luís Graça, que o POLIS foi dotado de poderes do Estado e que ao tomar a posse administrativa, as casas deixaram de pertencer às pessoas e a sua posse passou automaticamente para o Estado, podendo, quem vier a ser encontrado nelas, alvo de procedimento judicial por desobediência à autoridade. Por outro lado quem vai meter as providências cautelares? As pessoas? Mas essas já esgotaram as suas capacidades económicas com advogados e custas judiciais e a maioria sem meios para o fazer, para além da inutilidade das mesmas.
E questionamos porque razão, o também deputado socialista e candidato à câmara de Faro, autarquia a que pertencem administrativamente os nucleos dos Hangares e do Farol, está calado? Era bom saber o que pensa esse candidato, porque pode estar em sintonia com o seu camarada Apolinário que sabemos ser um defensor das demolições.
Então porque razão surgem estas reuniões e noticias neste momento?
Está prevista a DEMOLIÇÃO das cinquenta casas para o próximo dia 17 de ABRIL!
Não seria então melhor organizar a resistência e procurar um advogado para as pessoas que eventualmente possam vir a ser objecto de procedimento criminal?
E se nós sabemos que estão programadas as demolições, quem acredita que o Pina e o Luís Graça não saibam e não o tenham transmitido àqueles que dizem defender!
Porque já estamos habituados aos nossos detractores, aproveitamos para dizer que a nossa posição de princípios é contra qualquer demolição e não estamos à venda como outros, e somos completamente solidários com aqueles que estão a dias de perder as suas casas. Mal se compreenderá que quem se diz defensor ou representante dos moradores aceite uma só demolição que seja, porque isso é apenas o tentar salvar a sua, isso sim, uma visão parcial e divisionista.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

RIA FORMOSA: MINISTRO IMORAL, DIVISOR E DEMOLIDOR!

Nos post anteriores já desvendámos algumas coisinhas sobre a teia de cumplicidades do actual ministro do ambiente, mas continuamos a trazer à luz mais pormenores.
Assim a empresa do ministro, a Matos, Fonseca e Associados, celebrou contratos com o estado ou com organismos e empresas do estado, o que vem a dar no mesmo, já depois de ter tomado posse como ministro.
Não se pense que à qualquer ilegalidade nisto porque basta-lhe ter renunciado aos órgãos sociais da empresa para que o possa fazer. Mas não deixa de ser completamente imoral, que a empresa de um governante celebre contratos com empresas por ele tuteladas. No fim de contas, o lucro proporcionado pela empresa vai chegar-lhe às mãos. 
Um desses contratos foi celebrado com a Polis Litoral da Ria Formosa, ainda este ano, mais precisamente em quatro de Janeiro de 2017, como se pode  ver em http://www.base.gov.pt/Base/pt/ResultadosPesquisa?type=contratos&query=texto%3D507933460%26tipo%3D0%26tipocontrato%3D0%26cpv%3D%26numeroanuncio%3D%26aqinfo%3D%26adjudicante%3D%26adjudicataria%3D%26desdeprecocontrato_false%3D%26desdeprecocontrato%3D%26ateprecocontrato_false%3D%26ateprecocontrato%3D%26desdedatacontrato%3D%26atedatacontrato%3D%26desdedatapublicacao%3D%26atedatapublicacao%3D%26desdeprazoexecucao%3D%26ateprazoexecucao%3D%26desdedatafecho%3D%26atedatafecho%3D%26desdeprecoefectivo_false%3D%26desdeprecoefectivo%3D%26ateprecoefectivo_false%3D%26ateprecoefectivo%3D%26pais%3D0%26distrito%3D0%26concelho%3D0 .Mas que diz esse, outros foram celebrados já depois de ter tomado posse.
Só não é ilegal porque a màfia politica, os partidos do arco da governação, produzem leis para se resguardarem de tudo e mais alguma coisa. Eles têm o Poder de decidir o que, como e quando podem ter este tipo de iniciativas, protegendo-se uns aos outros.
Foi este ministro quem começou, ainda em fase de estudos a planear a divisão dos moradores das ilhas da Ria Formosa, criando zonas legais e ilegais, primeira e segunda habitação, espaços a renaturalizar e espaços a requalificar, mas tudo muito mal definido, deixando a porta aberta para decisões a bel prazer.
Mas foi também este ministro que inventou um novo conceito de risco porque até aí, o risco previsto era o de galgamentos oceânicos, ou s4eja de fora para dentro da Ria. Descobriu então que havia uma faixa de risco dentro da Ria, omitindo que foram as intervenções da Polis que puseram em risco as casas, se é que estão mesmo. E foi com base nesse critério de risco que alinhavou uma nova divisão par as demolições.
De manhã, iam as que ficavam numa faixa de quarenta metros, de tarde iriam as que ficavam do lado nascente e só à noite iriam as restantes.
Esta estratégia divisionista caiu como mel na sopa, protegendo as casas de alguns, mas demolindo as dos outros, partindo do principio que enquanto for a do vizinho e não for a minha, está tudo certo. Este cenário começou a ser desenhado em plena campanha eleitoral, num almoço em Lagoa, quando o Pina foi encostado à parede pelo José Apolinário e que contou desde logo com a cumplicidade de Luís Graça.
Nesta estratégia embarcaram alguns moradores, indo de encontro às ideias do Pina. Afinal não passava de um mal menor, diziam alguns, enquanto o Pina defendia a necessidade de haver demolições, apontando o dedo aos"radicais" que contestavam qualquer demolição.
Mas há coisas muito mal explicadas no meio disto tudo. É que representantes dos moradores, numa assembleia realizada no auditório da Praceta Agadir, elogiaram e agradeceram a intervenção dos demolidores socialistas, omitindo o papel dos restantes partidos. E como se isso não bastasse o recente comunicado do SOS Ria Formosa afina pelo mesmo diapasão, embora saibam que nas ilhas há simpatizantes de todas as forças políticas. Então porque bajular uns e omitir a intervenção dos outros? Os bajulados estão no Poder e têm a possibilidade de resolver o problema de tal forma que em Outubro passado alteraram o POOC mas não mexeram naquilo que é essencial. Será que algum acredita que, depois da tomada da posse administrativa, as casas serão devolvidas às pessoas? Não brinquem com isto!
A Associação de Moradores da Culatra agradeceu a todos, da direita à esquerda, os que apoiaram a sua luta, enquanto o SOS Ria Formosa, vesgo, só aprecia um dos intervenientes. Então porque os convidam a ir à ilha e lhes pedem reuniões?
O tempo mostrará de que lado está a razão e a liderança do SOS, ainda que em surdina, começa a ser contestada, por andar sempre a reboque do Pina, o tal que defende a necessidade de demolições.

terça-feira, 4 de abril de 2017

RIA FORMOSA: O EMBUSTE CONTINUA!

Em primeiro  lugar convém dizer que a política é feita de ideias, valores, princípios e não da satisfação de interesses e todas as situações que envolvam a vida das pessoas deve ser discutida com frontalidade por muito que doa a algumas pessoas. Os autores do Olhão Livre não vão a votos e mesmo que o fossem, jamais deixariam de usar da frontalidade por mais votos que isso implicasse. Portanto não se admirem os nossos leitores de algumas pessoas ficarem amuadas connosco, mas não nos desviaremos  do caminho que traçámos! 
Coincidência ou não, no mesmo dia em que dávamos inicio a um conjunto de denuncias e traições de alguns intervenientes que pretende desmascarar a demagogia e a teia de cumplicidades que envolvem a Ria Formosa, reuniam na Câmara Municipal de Olhão, o presidente da autarquia, mesmo depois de ter afirmado em Assembleia Municipal nesta matéria se havia esgotado, o deputado Luís Graça e o Movimento SOS ria Formosa, o qual lançou um comunicado congratulando-se para a revisão próxima do POOC.
Acontece que o POOC já foi alterado, parcialmente, por Resolução do Conselho de Ministros nº 65/2016 de 19 de Outubro, dando nova redacção aos artigos, 3, 4, 23, 55, 58 a 61, 67 a 77, 93 e 95. Tudo menos o famigerado artigo 37º.
Tudo feito nas costas do Povo da Ria Formosa, desconhecendo-se se houve alguma discussão publica e ou Avaliação Ambiental Estratégica, prévia. Mas vamos estar atentos e ver melhor as alterações efectuadas. Vir anunciar-se a revisão do POOC nos termos em que foi feita, para além de ser um acto de hipocrisia, é um embuste eleitoral, na tentativa de dar mais alguns votos ao Pina, porque essa revisão levará anos, mesmo que deem inicio ao processo nesta semana.
E porque não concordamos com a subserviência ao Pina a outro político qualquer, devemos denunciar o facto do SOS Ria Formosa ter sido informado do tipo de denuncias a que demos inicio, quando, na defesa dos interesses dos seus representados, lhes devia dar a conhecer os bastidores da política que os envolve.
Entrando na denuncia do ministro do ambiente, dizemos que em 2012-2013, foi nomeado assessor do CA das Empresas Terminais do Norte e Portos do Norte (Grupo Manica), Moçambique, assumindo funções de gestão do Porto de Nacala.
Aí travou conhecimento com um empresário sul-africano que pretendia investir na Ilha do Príncipe (S. Tomé e Príncipe.Empresário esse que queria saber primeiro o que pensava o governo local. À revista Visão de 8/5/2014, admitiu estar a tratar da candidatura do Príncipe a reserva da Biosfera da UNESCO, o que não impedia a instalação de um Eco-Resort, o Project in Sundi Beach. Portanto qualquer semelhança ou simples coincidência entre aquela candidatura e a anunciada candidatura da Ria Formosa a Património da UNESCO, não passará disso mesmo. Ou será que foi o próprio ministro que lançou a ideia ao Pina? Porque o que mais se precisa na Ria Formosa, é de eco-resorts.
Mas o ministro Matos Fernandes não se fica por aqui. Ele  integra a Matos, Fonseca e Associados, que por acaso ou talvez não, mantém a sua lista de associados no segredo dos deuses, tal o secretismo que rodeia os negócios em que se envolvem!
Acontece que a Quartenaire Portugal e a Matos, Fonseca estiveram envolvidas com o grupo SONAE em Troia, mais outra coincidência.
E porque falamos na Quartenaire vejam em http://www.base.gov.pt/Base/pt/ResultadosPesquisa%3Frange%3D48-72%26type%3Dcontratos%26query%3Dadjudicatariaid%253D488%26ordering%3Dsort%28%252BinitialContractualPrice%29 , os milhões que essa empresa já ganhou à pala do erário Publico. Tudo boa gente!
Mas atenção que a Quartenaire também esteve ligada à Quinta do Lago, cujos interesses na Ria Formosa são mais que muitos, mas que deixaremos para outra ocasião, que isto já está muito longo.
Com trastes destes  o que se reserva aos ilhéus da Ria Formosa?
Abaixo a canalha socialista que anda a enganar os ilhéus!

segunda-feira, 3 de abril de 2017

RIA FORMOSA: A TRAIÇÃO DE MÃOS DADAS COM O PODER!

Depois de um longo silêncio sobre a situação das demolições na Ria Formosa, damos inicio a um conjunto de textos que os ilhéus precisam de saber, onde se procura desmascarar a pandilha que perpetrou as demolições na Ria Formosa e não só, começando pelo topo.
E no topo vem nem mais nem menos o actual ministro do ambiente e ordenamento, ele e a mulher, atascados até às orelhas, no onda de demolições em todo o litoral português. Um ministro que devia ser imediatamente preso pelos crimes cometidos contra o Povo, escorraçado do seu habitat, em nome de um pseudo desenvolvimento, que encobre no fundo uma enorme teia de negociatas pouco transparentes.
João Matos Fernandes, assim se chama o artista, integrou o primeiro governo de António Guterres. Não integrou o segundo, é verdade, mas em 2000 fo9i nomeado coordenador da equipa encarregada de pôr em prática os POOCs.
A essa altura, era Ministro do Ambiente, o nosso conhecido José Sócrates, que em declarações ao jornal Publico de 8 de Março de 2001, que queria fazer um grande projecto nas ilhas barreira. Eis senão quando o Grupo Vale de Lobo, o tal que deve mais de cem milhões à Caixa Geral de Depósitos, com a ideia de construir uma ilha artificial.
Em 2005, Matos Fernandes trabalhava na Quartenaire Portugal, empresa essa, convidada a participar nos estudos de caracterização da zona de intervenção do POOC.
O POOC que por sua vez ap0ontava para a valorização e qualificação das praias consideradas estratégicas por motivos...  Turísticos. É nesse contexto que para os núcleos dos Hangares e do Farol, o plano de recuperação apontava para a demolição prioritária das edificações! 
Entretanto os grupos parlamentares do PS e PSD, cozinharam nas costas do Povo, a Lei de Bases do Ordenamento Marítimo, no qual se previa o recurso a concessões que podiam ir até aos cem anos, dependendo dos investimentos feitos.
Com uma tal benesse, fazia algum sentido gastar dinheiro na construção de uma ilha artificial quando elas já existiam e eram naturais? Não, mas para isso é necessário correr primeiro com as pessoas!
E de tal forma assim é que mesmo em relação à Armona, o ministro vem dizer que foram construidas 150 casas fora da área concessionada, ainda que com alvarás de construção emitidos, razão pela qual os presidentes de câmara que as autorizaram deviam estar presos. Ao mesmo tempo, o ministro anuncia que vai avaliar a renovação da concessão da Ilha da Armona, sendo mais que provável o seu fim.
E como se isso não bastasse, a Quartenaire Portugal, foi encarregada de elaborar para a AMAL, gerida por outro traste, o Jorge Botelho, presidente da câmara de Tavira, também ele socialista, o Plano Intermunicipal de Alinhamento com a Estratégia Regional Algarve 2014-2020.
A promiscuidade entre o Poder político e um certo sector empresarial, com ministros ligados, durante os interregnos políticos, a empresas que depois vêm a ser contratadas pelo aparelho de estado, é simplesmente vergonhosa. Até porque por detrás destas decisões, quem se lixa sempre são as pessoas, vitimas destes politiqueiros de trampa.
Nos próximos dias divulgaremos mais algumas coisas que mostram bem o comprometimento e traição do Pina e as razões que levaram as organizações dos ilhéus a calarem-se desde que este governo tomou posse.

domingo, 2 de abril de 2017

OLHÃO: PINA ATROPELA TODOS OS PLANOS DE PROTECÇÃO!

Depois de ter anunciado a construção de dois hotéis ou eco-resorts em zonas protegidas, depois de ter subsidiado o crime contra o património aquando da intervenção na Igreja Matriz, descobrimos que o Pina está metido em mais outra barraca, outro atentado contra a faixa de protecção dos Mercados.
Os Mercados de Olhão são edifícios classificados, tendo por via disso e automaticamente uma zona de protecção de 50 metros, à qual foi anexada uma zona especial de protecção, constituindo ambas, SERVIDÃO ADMINISTRATIVAS, nas quais não podem ser concedidas pelo município ou por qualquer outra entidade licenças de construção sem o parecer prévio da Direcção Regional de Cultura.
Acontece que o antigo edifício da Companhia Portuguesa de Congelação, é em parte abrangido pela zona especial de protecção dos mercados, a fazer fé na cartografia daquela zona publicada em portaria nos termos da Lei 107/2001.
Na sequência da abertura do processo de obras no espaço da antiga Congelação, a Direcção Regional de Cultura emitiu um parecer desfavorável, parecer esse agora contestado pela Câmara Municipal de Olhão, na pessoa do presidente Pina, argumentando com a falta do Regulamento da Zona Especial de Protecção dos Mercados.
Omitiu o Pina que a APOS, associação de defesa do património requereu atempadamente a elaboração daquele Regulamento, razão mais que suficiente para a suspensão de qualquer decisão em matéria de ocupação da Zona Especial de Protecção.
Mas porque razão, o Pina, faz tanta questão no avanço desta obra?
O dono da obra, é o mesmo pato bravo que construiu o Edifício Delmar dentro de agua na Fuzeta, e é o putativo comprador dos lotes 2 e 3 do Loteamento do Porto de Recreio, lotes contíguos ao da Congelação.
No caso dos lotes 2 e 3, a primeira hasta Publica ficou deserta e para a segunda foram alterados os procedimentos, alteração essa que ampliava o prazo de apresentação do projecto de arquitectura para dois anos e mais oito para a conclusão das obras, na prática, dez anos. Esta hasta publica ainda não avançou, e alguns seguidores do Pina e indivíduos do PSD, num claro conflito de interesses, vêm agora afirmar que o putativo comprador se desinteressou, quando tudo indicia, que a 2ª hasta publica também irá ficar deserta para dar lugar à negociação directa, ou seja, vender ouro ao preço da agua.
Não podemos nem devemos esquecer que foi o Pina, e não nós, quem disse que tinha um saldo de cinco milhões, cinco milhões à custa do empobrecimento dos olhanenses, com o aumento do tarifário da agua à margem da Lei, com a manutenção do IMI e sem devolver um cêntimo da receita de IRS, à semelhança do que outros autarcas fizeram.
Tirar aos mais desfavorecidos para dar aos beneficiados de sempre, é o lema do Pina, que não olha a meios para enriquecer.
Que cada um tire as ilacções que entender, mas que manter este trafulha à frente da gestão autárquica é um risco, é, importando por isso, nas próximas eleições infligir-lhe uma pesada derrota, a ele e a todos que como ele se têm servido dos cargos públicos em proveito próprio.
OLHÃO PRECISA DE MUDANÇA DE POLÍTICAS!

sábado, 1 de abril de 2017

PS Algarve contra as Portagens da Via do Infante(A22)!

Portagens na A22: “GOVERNO TRAIU O ALGARVE” – Jorge Botelho


DSC_0225
Da esqª p drtª: António Ponce (FOE), Desidério Silva (RTA), Vítor Aleixo (CML), João Vasconcelos (CUVI), Jorge Botelho (AMAL) e Paulo Morais (Assoc.Transpar. e Integridade)
DSC_0235
O II Fórum Algarve /Andaluzia de luta contra as portagens reuniu, este sábado, no Núcleo Empresarial da Região do Algarve (NERA), em Loulé, autarcas e empresários algarvios e andaluzes, sendo que António Ponce, presidente da FOE (Federação Onubense de Empresários) e do Conselho Andaluz da Câmara de Comércio, trouxe consigo uma grande comitiva, representativa das mais diversas áreas. Com sala cheia, a iniciativa da Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI) atingiu os objectivos –  criar uma plataforma entre autarcas e sociedade civil para trabalhar “pelo fim das portagens” na A22, anunciou o edil tavirense e presidente da Associação de Municípios do Algarve (AMAL),  Jorge Botelho, que, ladeado pelo presidente da RTA – Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, e do edil louletano, Vítor Aleixo, reafirmou estar “mandatado pelos 16 presidentes de Câmara do Algarve”, que compõem  a comunidade intermunicipal da região, acusando o Governo de “traição ao Algarve” e seus autarcas ao ter avançado com as portagens na VI sem a prometida requalificação da estrada nacional 125.
DSC_0270 DSC_0266
A iniciativa, parceria da CUVI, NERA e Câmara de Loulé, “foi um sucesso”, reconheceu um dos elementos da CUVI, João Vasconcelos, em defesa de “um consenso o mais alargado possível, que ultrapasse as questões político partidárias”.
Perante o estudo, contendo muitas críticas e acusações à forma como foram constituídas as PPP´s – Parcerias Público Privas,  apresentado pelo convidado de honra do evento, o catedrático Paulo Morais, vice-presidente da Associação Transparência e Integridade, provocando vários bruás entre os presentes com números que apontam para que “o Estado português pague rendas desajustadas e bem acima do custo do serviço e que os contratos integram cláusulas que retiram todo o risco do negócio do setor privado e o colocam exclusivamente do lado do setor público”, foi consensual, igualmente entre os intervenientes da plateia, onde pontuaram os deputados da Assembleia da República, Cecília Honório (BE) e Miguel Freitas (PS), que “a introdução das portagens na Via do Infante está a revelar-se um desastre económico e para a mobilidade, com números desastrosos para o turismo e comércio  no Algarve e Andaluzia”. 
DSC_0281 DSC_0273
Ideia-força sublinhada por Vítor Neto (NERA), Adriano Pimpão, presidente da Assembleia Municipal de Loulé e ex-reitor da Universidade do Algarve, Armando Santana, da Associação de Empresas Rent-a-Car do Algarve, e José Vitorino, líder da Associação Cívica Salvar Faro e antigo edil da capital algarvia, sentado numa mesa contígua à mesa de honra, onde o autarca Vítor Aleixo leu um manifesto, que no final do debate foi dado a assinar aos presentes.
DSC_0240
No documento estão destacados “os prejuízos que a Via do Infante continua a dar ao Governo”, até pela redução de quase 50% do tráfego na VI, com o consequente aumento do trânsito, insegurança e aumento dos acidentes graves na EN 125, com efeitos altamente negativos para o turismo algarvio e menor capacidade de atracção do mercado da vizinha Andaluzia.
Presente no evento, o presidente da Câmara de Olhão António Pina, surpreendeu toda a gente com uma afirmação muito dura: “Estava aqui a ouvir o Dr. Paulo Morais e a pensar numa coisa e se a dizia ou não dizia. Há uns filhos da puta que nos andam a roubar!”, aproveitando para pedir a Paulo de Morais que resumisse as denúncias que fez em Loulé, para que a possa “enviar uma carta junto da conta da água aos munícipes de Olhão”. 


Nota do Olhão Livre: Para que o PS Algarve não nos meta um processo em Tribunal como é hábito do presidente da CMOlhão,  fazer contra alguns autores do Olhão Livre, avisamos todos os leitores que a Noticia embora hoje sendohoje o dia dos políticos,  não é mentira, pois todas as declarações foram noticia no 24 de Março de 2014no Algarpress online.
Porque será que os políticos,para se manterem no poder viram quase TODOS Camaleões?

P.S.(Post Scriptum) : Será que António Pina presidente da CMOlhão,  ainda continua a dizer que há F.D.P. do governo,  que nos andam a Roubar no caso das portagens da Via do Infante? Ou como o governo hoje mudou de cor, hoje  á está de acordo com o roubo? E serão os que hoje estão no governo FDP como ele apelidou os que estavam no poder em 2014?
Será que rasgou a carta que pediu a Paulo Morais  para lhe enviar,  ou Paulo Morais conhecendo a sua ascensão politica,  cagou-se para  o Pina ?