domingo, 13 de setembro de 2009

porque hoje é domingo

D’ inicio foste um ninho de gaivotas
onde atracavam mouros e traficantes
Depois, aldeia feita de palhotas,
Habitada por medos e encantos

Para espreitares a ria e as ilhotas
Ergueste as açoteias e mirantes
Para chegares a terras mais remotas
Embraveceste pobres e bacantes

És hoje uma senhora, ó ex-menina,
Com os filhos de bom porte social
A passear-se ao lado da marina

Mas nos sonhos do velho no areal
Nos olhos da cegonha peregrina
Corres descalça e nua no sapal.

julieta lima - pensamentos

10 comentários:

L. Guia disse...

gostei mas quem é julieta lima?

Anónimo disse...

ainda hoje os mouros continuam a vir sacar as nossas riquezas mas são os mouros de lisboa em forma de patos bravos.
e os traficantes continuam a traficar(não é por acaso que olhão é considerado a capital do tráfico do haxe),não productos comerciais mas productos do faz rir.
muitos enriquecem com essas duas actividades.e ilegalidades mas que paga com isso é o mexilhão.

julieta lima disse...

Obrigada «Olhão Livre» pelo destaque ao soneto s/ um OLhão que creio - vc tem razão - sempre ostentou uma liberdade à parte.
----
À L. Guida devo apresentar-me : Julieta Lima, filha de Olhão, autora desconhecida de vários livros impublicados ( se calhar impublicáveis - um deles «Porta Sim-Porta Não».
------------------------

Ao Anónimo que se «alevanta» contra mouros e patos bravos e os traficantes e afins... dou-lhe um beijo de camarada Mexilhão!!!

Anónimo disse...

aos do tempo do porta sim porta não, sempre digo à Julieta,que a sua homonima,do celebre 18 se dedica agora há reconversão se almas perdidas no pecado,numa das muitas seitas religiosas que cada vez mais há em olhão,e que o filho do dono de outra célebre casa de "meninas" é agora conselheiro do leal e de alguns patos bravos que se instalaram no concelho com armas e bagagens.
olhão que dantes era apalidao de porta sim porta não e donde a maioria das portas sim vinham de fora,é hoje uma terra de miséria onde os barcos e o homens do mar que a Julieta tanto enaltece nos seu belos poemas,foram destruidos,e o que prevalece são caixotes de plástico que não cumprem normas nas ria formosa, fundeando em cima de colónias de cavalos marinhos, destruindo assim o seu habitat.

um observador atento disse...

Aos menos atentos quero dizer o seguinte:
Este é o ano da revolta.Esta votação no Olhão livre vale o que vale,mas digo-lhes o seguinte não fica muito longe do sentir dos olhanenses e dos portugueses.Estes senhores vão ter uma grande surpresa no dia 27 e que se vai prolongar até dia 11.Escrevam ai o que estou aqui dizendo.

Anónimo disse...

J.Valerio igual a Socrater, tenha do.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Ao anonimo das 16.07 repare que não se trata da mesma pessoa. Assim como ao das 9.44 não lhe fica muito bem ir buscar a familia de alguem que possa servir os interesses do Leal a não ser que tambem o familiar estivesse a usufruir dos beneficios do mesmo. Os comentarios embora sejam feitos com um objectivo, podem tornar-se num caminho aberto a assuntos aos quais o blog deve estar alheio se quiser ter credibilidade.

Floripes disse...

julieta lima é uma poetisa genuinamente olhanenese,e não a pessoa com que a confundiram neste blog,é melhor não confundirem as pessoas.
A Julieta é uma pessoas que adora a sua terra ,o mar e a natureza,embora não seja muito divulgada em olhão.penso eu, por não andar a bajular o poder instituido.

rc disse...

para que não sejam alimentadas dúvidas sobre quem é Julieta Lima posso acrescentar, porque li no seu blog "pensamentos",era conhecida pela filha do Joaquim Amador, quem for de Olhão com mais de 50 anos fica esclarecido e para todos também posso esclarecer que a outra, Julieta, a que afogava gostos, hoje é uma distinta missionária na divulgação da palavra, de quem não sei explicar.