sexta-feira, 30 de junho de 2017

HOSPITAL DE FARO CONDENA DOENTES À MORTE POR FALTA DE ASSISTÊNCIA!

O Serviço de Hematologia do Hospital de Faro está a condenar doentes oncológicos à morte com a falta de assistência.
O Serviço de Hematologia não tem lista de espera, mas algo de muito mal vai naquele serviço. A chefe de serviço foi de férias, das quais regressou na passada segunda feira, e sem as suas instruções não são marcadas consultas. Felizmente foi apenas uma semana, mas se fosse por mais tempo, o problema subsistiria porque o seu comportamento é o de uma autêntica rainha sem o mínimo de respeito pelos seus súbditos, os doentes.
Durante as férias da chefe, foram encaminhados para aqueles serviços, pela especialidades em que estavam a ser acompanhados, dois doentes oncológicos, prioritários, com indicação de urgente e pelo menos um deles com a indicação de muito urgente.
Regressada de férias, a chefe não teve tempo para marcar as respectivas consultas, sabendo de antemão que àqueles doentes ainda falta fazer análises que permitam fazer o tratamento mais adequado.
Um deles, o designado "prioritário" e "muito urgente", apresentou-se na terça feira e na quinta feira, mas a chefe esteve fora na terça e quarta feira só regressando na quinta, já depois das onze horas quando o seu horário de entrada diz que será às nove. Embora o doente se tivesse apresentado com um aspecto cadavérico, com ausência de massa muscular e óssea, a senhora entendeu não dar nem marcar consulta, regressando o doente a casa sem qualquer tratamento, fazendo apenas o controlo da dor indicado ainda pelo serviço onde fora acompanhado.
Este episódio vem pôr a nu algumas questões, começando desde logo pelo conceito de prioridade da chefe, quando se sabe que até numa mercearia de bairro existe o chamado atendimento prioritário, conceito que no Hospital de Faro parece não existir.
A indicação de muito urgente não serve de nada perante a nova rainha, quando não, teria dado as consultas, tão necessárias aos doentes.
Porque já vai sendo rotineiro na administração publica, também o conceito de que na ausência de que na ausência de alguém responsável por um serviço, ele deixa de funcionar, apesar de haver substitutos à altura. Na ausência da rainha do sangue, seria natural que ficasse a gerir o reino o príncipe regente, mas a rainha não o permite.
Por outro lado, percebe-se claramente porque não existe lista de espera, uma vez que se as consultas nem sequer são marcadas não pode haver uma tal lista, considerando-se um serviço muito eficiente, embora os doentes fiquem a definhar de dia para dia.
Este tipo de funcionamento do Serviço de Hematologia Oncológica condena os seus doentes à morte por falta de assistência.
Resta saber se a administração e a direcção clínica do hospital, e tudo leva a crer que sim, tem conhecimento do que se passa no Serviço de Hematologia Oncológica e que medidas pensa tomar para que casos destes não ocorram mais.
Devemos ainda dizer que aos doentes nesta situação, assiste-lhes o direito de apresentar uma queixa na Inspecção Geral de Actividades em Saúde, porque o designado "Livro Amarelo" mais não serve do que para limpar o às de copas, com a hierarquia a branquear as reclamações dos doentes.
O Hospital de Faro, é o hospital de todo o Sotavento Algarvio pelo que aquilo que de mau ali se passa nos diz respeito a todos, lamentando-se que algumas autarquias se prestem a negociatas com serviços privados quando tinham a obrigação de apoiar o Serviço Nacional de Saúde e exigir respostas do mesmo, É para isso que no conselho de administração está um representante das autarquias. Ou está lá apenas para mamar um bom ordenado?
REVOLTEM-SE, PORRA!

12 comentários:

Anónimo disse...

Se isso acontecesse em Lisboa Porto ou Coimbra os órgão da comunicação social andavam como cães emcimada noticia como é no Algarve todo o mundo se cala.

Atento disse...

É fartar vilanagem os doentes a morrer e o SNS a vê-los morrer.
em Olhão o dinheiro para enriquecer clínicas privadas está a dar a oportunidade de vários amigos serem operados quando não tem necessidades financeiras,à conta dos etários.

Anónimo disse...

Lisboa, Porto, Coimbra e os outros.

Zé do Mar disse...

Eu estou completamente de acordo com o que aqui se diz:
O hospital de Faro tornou-se num centro de autocracia, onde toda a gente desde os seguranças, aos médicos passando pelos atendentes, e enfermeiros, tratam o público como lixo, Ate ao ponto de eu ter de perguntar a uma atendente se ela sabia quem lhe pagava o ordenado, pela maneira como o serviço por lá se processa, é fácil verificar que que a gerência anda a dormir.

Anónimo disse...

aqui no reino dos algarves só se o cidadão for turista é que está o caldo entornado - os algarvios podem ser negligenciados e abandonados à sua sorte pela inoperância dos serviços públicos de saúde, podem morrer à vontade em acidentes de viação diários na EN125 pois a via do infante continua a não ser a alternativa prevista aquando da sua construção (manutenção de portagens), podem até dar graças a deus pelos poderes regionais venerarem o turismo acima de tudo pois, se o fenómeno não existisse, nem uma palavrinha se ouviria contra a exploração de petróleo na nossa costa (os pescadores e os cidadãos logo se adaptariam...). Hipocrisias de quem diz defender o Estado social e o desenvolvimento sustentado!

Anónimo disse...

infelismento sou oncolojica e axo que todos os comentarios sao merecidos

Anónimo disse...

Agora como não há pretos, há algarvios e outros tais. Lisboa, depois Lisboa, a seguir Lisboa,e no fim os outros a servirem de moldura.E ainda têm a desfaçatez de afirmarem que o Alberto é desbocado, desmiolado, independentista, etc etc.

Paulo Jorge disse...

infelizmente passei por isso a minha querida mãe faleceu por causa desses carniceiros

Anónimo disse...

Vê lá: fiquei a esperar um dia todo, gastei euros e euros naquelas máquinas de lanche da emergência, e no fim voltei para casa sem ser atendido, e com o peito todo doendo. Um dia inteiro sentado sem ser atendido. 2 médicos atendendo 50 pessoas, mais emergências a nível vermelho.
Aquele hospital só pode ser corrupto. Mandem investigar o que se sucede ali dentro e logo acham. Falta de médicos, secretárias mal-educadas, os médicos que lá estão tratam o paciente mal. Haveria corrupção? Tem de ser investigado. Esse estresse todo e desinteresse é um sinal grave! Pior hospital de Portugal todo. Os equipamentos no hospital são muito bons, pelo que se vê, mas as pessoas não.
É hora de reestruturar aquela Emergência. Diz-se que alegrias não têm preço. Assim também o sofrimento. Aquelas pessoas estão a ver outras a sofrer e pouco ligam. Não precisamos delas. Saiam e que se metam outras humanas e competentes. Denunciem aquele hospital. Mandem as reportagens gravarem secretamente lá. Em uma semana consegue-se provas do abandono.

Anónimo disse...

Para o hospital de um Reino que uma república mafiosa transformou em província colonial, gente a condizer: para preto qualquer trampa serve. Pode acontecer que algum dia o preto queira ser tratado como branco de primeira e se revolte.

Anónimo disse...

E essa tal chefe, dita rainha tem nome ?

Anónimo disse...

Pois esse hospital de merda morreram pelo menos três pessoas da minha família inclusive o meu pai.
Todos por falta de cuidados de cuidados médicos competentes...!
Os médicos que lá estâo, a maioria quaze que nem português falam e têm como tradutores brasileiros, foi o que aconteceu com o meu pai.
Mais a maioria só lá estão para se "divertirem" com algumas infermeiras...!