segunda-feira, 17 de março de 2008

MAIS UMA OBRA DE FACHADA, NÃO?



Que a cultura é importante, ninguém tem dúvidas. Que todos devemos ter acesso a ela também é verdade, mas só no papel. Na realidade, as pessoas que vivem do ordenado mínimo não tem dinheiro para comprar um jornal, quanto mais um livro. E, já não é mau de todo, se lerem algum jornal que comprem, ainda que sejam no essencial jornais desportivos.
Uma biblioteca faz sempre jeito àqueles cujas posses não lhes permitem comprar livros. Em que termos vai funcionar?
Mas não é a biblioteca que nos trás até aqui, que nos faz pegar neste edifício e procurar que ele se transforme numa prioridade, uma verdadeira prioridade. Para os mais velhos, o edifício do "hospital velho" era pertença do compromisso marítimo. Os tempos foram-se passando e foi mudando a sua posse até ficar nas mãos da autarquia.
Se olharmos à nossa volta, se olharmos para o dormitório que é Olhão, não é difícil de verificar que há um elevado número de pessoas que não tem onde colocar os seus familiares que se encontrem em fase terminal ou a necessitar de cuidados permanentes. As unidades de cuidados permanentes, mais próximas, são as de Loulé e de Vila Real de Santo António. Mas, para uma pessoa que viva do ordenado mínimo, a deslocação de um seu familiar para um centro desses representa despesas acrescidas, representa um tempo importante para ganhar o seu pão. De Olhão para Loulé não há transporte directo. Tem que apanhar o autocarro ou o comboio para Faro e depois outro autocarro para Loulé. Quanto tempo implica a ida e volta?
Tendo a biblioteca a sua importância, qual a prioridade snr. presidente? A biblioteca ou a unidade de cuidados permanentes?

12 comentários:

Anónimo disse...

Independentemente do que é mais importante, e já que temos uma biblioteca construída - gostaria de perguntar a quem souber responder - Quando será inaugurada a nova biblioteca?

Anónimo disse...

Para as eleições, como convém...

Anónimo disse...

no passado dia 16 de junho de 2007,eu vi um autocarro chegar com um grupo de 20 a 30 pessoas,que desembarcaram nas mediações do hospital velho e se dirigiam para tal edificio,todas essas pessoas trajavam fatos de cerimónia pudendo sentir o cheiro a nafalina de alguns desses fatos, pergunto eu sendo alguns deles autarcas incluindo o presidente senão foram inaugurar o que foram lá fazer?gostava também de saber se alguém deste blog ,ou leitor do mesmo sabe quanto se gastou ,nesta obra de santa engrácia,e qual a area total de construção,pois já me veio aos ouvidos que custou cerca de 700 000 mil contos em dinheiro português,será verdade?

Anónimo disse...

O que interessa são as grandes obras, aquelas que envolvem muito dinheiro que também servem para arranjar um corta-fitas no momento certo. Já tivemos um Américo Tomáz e agora...quem será o novo corta-fitas?

l&f disse...

"Independentemente do que é mais importante, e já que temos uma biblioteca construída - gostaria de perguntar a quem souber responder - Quando será inaugurada a nova biblioteca?"

Ora pois.

Anónimo disse...

portugal de hoje cada vez está mais parecido ,com o portugal do antigo regime,e deixo no ar esta interrogação,não será o acto de proibir de fumar em lugares fechados uma medida facista, e o de proibir um menor de 18 anos de usar pircings e tatuagens, e o de apreender litões em Olhão argumentando que cheiravam mal chegando depois a conclusão que não eram um risco para a saúde publica ,mas não devolveram os mesmos ao artesão mas queimando-os,não será esta medida da ASAE uma medida facista de eu quero posso e mando como eram as medidas salzaristas?e o que dizem os nossos autarcas acerca da destuição, deste producto genuinamente olhanense que faz com que olhao ,todos os anos pelo natal tenha honras de primeira página em todos os canais de tv?nada ,simplesmente nada, não seria altura da certificaçao de um producto de OLHAO ?

Maria disse...

Respondendo à pergunta feita no post a minha opinião é a seguinte: Numa boa Cidade com uma boa CM a construção de uma biblioteca não deve implicar a não construção de uma unidade de cuidados permanentes, no caso dos dois edificios serem necessários. Obviamente que o autor deste post sabendo o padrão dos srs do poder já sabe que é feito ou uma coisa ou outra, ou só a que mais interessa. Isto não é uma boa CM, nem uma boa cidade. Gostando muita da gente de Olhão e sendo uma Olhanense no futuro adorava continuar a viver em Olhão, mas parece-me que não. Há ofertas melhores de outras CMs.

Anónimo disse...

Penso que a questão posta - a biblioteca ou a unidade de cuidados permanentes - é uma falsa questão e até demagógica.
Faz-me lembrar a demagogia de Durão Barroso que quando foi primeiro-ministro ainda disse, peremptório, que nunca construiria um novo aeroporto enquanto houvesse uma criancinha sem vacinas no nosso país! Para mim uma biblioteca tem a ver com educação e cultura e, para mim, educação e cultura tem a ver com nível de vida e também com criação e boa distribuição de riqueza! Não é possível termos um bom nível de vida, nomeadamente uma unidade de cuidados continuados, se formos uma terra de iliteratos ou analfabetos. Os inimigos das bibliotecas, dos livros, da educação, da cultura, nunca construiram boas unidades de cuidados permanentes, nem criaram sociedades ricas, e muito menos justas.
Agora se houve desperdício nesta construção de biblioteca, ou se a mesma poderia ser construída noutro lugar, não sei.
Um informação curiosa que me deram mas que não posso confirmar, é que a CMO foi a única Câmara do País que se esqueceu de se candidatar a um fundo próprio para a aquisição dos livros , o que atrasou tremendamente o processo e que provavelmente ainda está a atrasar a inauguração!
O certo é que este atraso que já tem cerca de 3 anos até tem sido aproveitado demagogicamente pelo Presidente Leal: apesar do atraso ter a ver com a sua incompetência, cada ano que atrasa ele pode continuar a dizer aos olhanenses que está trabalhando para essa grande obra. Actualmente até pode dizer que a vai inaugurar pelas Comemorações dos 200 anos! Se ele fosse competente, já não poderia falar assim...
E assim os políticos convertem a sua incompetência em grandes feitos!

Anónimo disse...

Bem, a questão é que o edifício era do antigo Compromisso Marítimo e que, pelo menos, se deviam ter acautelado algumas coisas. Olhão sempre foi uma terra de pescadores e também foram os pescadores que deram vida a esta terra. Claro que a biblioteca faz falta. Ninguém diz o contrário. Mas também é verdade que após o encerramento do hospital colocou-se a possibilidade de a Santa Casa da Misericórdia transformá-lo em lar de terceira idade. Aí já não dava pro causa do ruído dos comboios, etc, etc. As obras eram muito avultadas, etc, etc. Os iletrados de ontem não querem que os seus filhos sejam iletrados no futuro, mas também querem ter acesso a um sitío onde ficar, quando for caso disso e pelos preços praticados nos lares de terceira idade, ainda por cima, dizendo-se de "solidariedade social"...

Paulo disse...

A biblioteca está terminada e pronta a abrir. Para o efeito são necessários 18 técnicos pra catalogação, manutenção, conservação, etc. Como a câmara está sem "cheta"...

Anónimo disse...

a camara está sem cheta? então e o dinheiro da venda carissma dos lotes da vergonhosa,nova zona industrial?sim digo vergonhosa ,porque só uma autarquia sem dois dedos de testa, é que converte aquela belissima zona com uma vista espantosa,em zona industrial.está sem cheta?então e o dinheiro da venda de terrenos valiosissimos para a constução de hoteis de luxo?se a camâra está sem cheta é devido ás obras megalóma-nas que tem e está a fazer, sem praticamente beneficios nenhuns para a população que é onde a mais desemprego e subsidios minimos no algarve.

Anónimo disse...

Demagogia ou Ditadura? Sera que alguma fez se fez um debate publico sobre o que deveria vir a ser o antigo hospital ? Sera que alguma vez se perguntou as pessoas se queriam mais um auditorio ? Temos um numero muito alongado de perguntas mas ha mais uma ; quem e que vai pagar tudo isto ? Dizer-se que nao ha cheta, entao nao sabiam ? E ja agora quem e que vai para la trabalhar ? Faz-se "concurso" publico como se tem feito ou seja meter os tarefeiros arranjados pelos Srs. vereadores e amigos ou ja sera uma coisa mais democratica. ?