quarta-feira, 8 de julho de 2020

OLHÃO: A MERDA QUE CERTA GENTE TEM NA CABEÇA!

Na imagem de cima, que um anonimo me enviou, pode ler-se o comentário de um atrasado mental, o pai do actual presidente da câmara  municipal de Olhão; ex-vereador, ex-director regional de educação, ex-governador civil, ex-presidente do turismo do Algarve e ex-social-fascista!
Não admira pois o conteúdo do comentário mas merece uma resposta adequada. É que para esta aventesma, o facto da agua se apresentar cristalina é sinonimo de qualidade, confundindo a poluição dissolvida com a suspensão, sendo que mesmo a dissolvida pode alterar a cor da agua. Mas já vamos ao resto.
  Na sua vão tentativa de dizer que as aguas da Ria Formosa não estão poluída, prossegue com o comentário exposto em cima. Este anormal, talvez nunca tenha ido á praia da Messejana, mas deve saber que pelo menos por lá não há esgotos a desaguar na massa de agua, como nós temos aqui na Ria.
Numa coisa ele tem razão. É que de facto há negócios em espaços ligados à Ria e ninguém melhor que o filho, que conta com alguns viveiros em que pelo menos um deles está na situação de ilegalidade, ocupando um espaço publico que não lhe foi atribuído. Mas nem assim se esconde atrás das moitas, porque por lá deverá andar o papá a ver como param as modas, não vá alguém desviar uma ostra.
Quando este anormal tem saídas destas, devemos lembra-lhe que na costa da Ria Formosa, entre Quarteira e a Torre de Aires, a zona de apanha de bivalves está classificada como sendo de classe B por contaminação fecal. Das duas uma, ou o IPMA não sabe o que anda a fazer ou estamos perante um estratagema para acabar com a actividade da ganchorra. Mas o Macaco que tanto elogia as instituições dirigidas por elementos do seu partido certamente não vai desdizer aquilo que o IPMA diz.
E se na costa é assim, no interior da Ria, a zona de produção 1 está classificada como sendo de classe C pelo mesmo tipo de contaminação; Olhão 3 está simplesmente proibida porque não nenhuma caca. A que ali estava saltou para a cabeça do Macaco.
Isto trás à memoria a actuação em determinado período de um movimento que se dizia de defesa da Ria Formosa, movimento esse que viria a ser instrumentalizado pelo filho, e que apontava a poluição como o principal problema da Ria. Passado este tempo, os ditos "defensores" da Ria deixaram de enxergar a poluição não fosse o Pina zangar-se. Tal pai tal filho.
Já agora convem recomendar ao Macaco a utilização de lentes microscópicas para ver o que vai na agua, tão límpida que ela está. Com um pouco de sorte talvez consiga ver, à distancia, uma rapariga despida, sem necessidade de esconder atrás dos arbustos.
E como não há poluição na Ria porque não vai o anormal dar um mergulho no lado poente do T? Merda com merda não faz mal nenhum!

3 comentários:

Anónimo disse...

Deve ser por isso que os perfumes desaparecem das parteleiras dos supermercados alguns deles sem pagarem, deve ser para tirar o cheiro à merda que envenenam a RIA E DEPOIS MANDAM O APLOLINÁRIO DAR UMA ESMOLA PARA CALAR OS VIVEIRISTAS DESCONTENTES COM A POLUIÇÃO.

Anónimo disse...

Ele que vá ver o lixo que o filho tem nos viveiros pneus, e plásticos em monte tenho o viveiro ao pé dele as multas são só para os tristes.

Salsa disse...

São estes os vendilhões da Ria Formosa. Sempre a atirar areia para os olhos do povo. Ainda há olhanenses que se deixam enganar por estes amigos de Peniche.