segunda-feira, 18 de setembro de 2017

OLHÃO: VENDA A CASA!

A Câmara Municipal de Olhão parece que tem pavor a acabar com um problema quer persiste há muitos anos, o saneamento básico. Para além do que se passa na Avenida D: João VI viemos a saber que o Caminho das Areias também não tem esgotos.
O Caminho das Areias integra a malha urbana de Olhão/Quelfes, situando-se entre o cruzamento do Restaurante Chefe Silva, seguindo para Norte com ligação à estrada de Quelfes.
Na arruada que fez em Moncarapacho para a campanha eleitoral, um dos moradores do Caminho das Areias confrontou o ainda presidente António Pina com a ausência de saneamento básico no caminho dizendo que ele e os demais moradores do sitio estariam disponíveis para ajudar a custear as obras. 
Reagindo mal, como é seu timbre quando confrontado, respondeu:
                                                      Venda a casa!
Bom, mas pelo menos desta vez, não foi tão grosseiro e mal educado como nas anteriores em que mandou, numa ocasião, um munícipe à merda e noutra todos os presentes, mas fica o registo da imagem do presidente que temos.
De qualquer das formas, um conselho que se quer promover e que segundo as palavras do presidente o quer elevar a um patamar bem mais elevado, em pleno século XXI, manter fossas em lugar de providenciar a instalação da rede de esgotos.
Indignado e com razão ficou o morador  que paga as suas taxas como todos os demais munícipes mas que não tem um serviço elementar, básico, para o desenvolvimento e progresso do conselho. 
Quando um (re)candidato à presidência tem atitudes destas em plena campanha, não merece o voto a que apela, posto que denota a intolerância, prepotência e atitudes ditatoriais com que tem gerido e continuará a gerir a autarquia caso saia vencedor da pugna eleitoral marcada para o próximo dia 1 de Outubro.
E se isto é assim em plena campanha, na rua, à frente de toda a gente, imaginem os nossos leitores o comportamento deste arruaceiro quando no uso do cargo, nas sessões de câmara, e o défice democrático que se vive na gestão autárquica..
E porque falamos em sessões de câmara, devemos esclarecer todos os que nos seguem, que os assuntos nelas tratados, sejam ordinárias ou extraordinárias são públicos, pelo que todas as sessões deveriam ser publicas. Aliás uma autarquia que se diz democrática, daria a conhecer prévia e publicamente, a ordem de trabalhos e os documentos que ali vão ser discutidos para que os cidadãos interessados nestas questões se pudessem pronunciar. Nada existe na Lei que o impeça, mas é fruto de um Regimento do órgão com vista a esconder do Povo aquilo que devia ser do conhecimento de todos. A quem interessa este obscurantismo? Ao Pina e companhia!
Não deixarei de lançar também uma farpa aos partidos com acento nos órgão autárquicos porque se aqueles órgãos o não fazem, podem e devem os partidos tomar essa atitude, porque só assim poderão granjear o apoio popular ao ver neles a defesa de causa que interessam a todos os munícipes.
Não é por acaso que às sessões de câmara e às Assembleias Municipais poucos munícipes comparecem. O desconhecimento das reuniões, o desconhecimento dos assuntos, a opacidade que envolve tudo quanto diga aos órgãos de decisão a tal induzem. 
Porque não uma gestão mais aberta e participada?
Será que se assim fosse, o ainda presidente teria a atitude que teve com este morador do Caminho das Areias? Estamos em crer que não!
  












8 comentários:

Anónimo disse...

Não vou colocar aqui em causa o diz que disse mas (para quem não sabe) os esgotos não são como a agua.
Não é verdade quando se diz que o caminho das areias não tem esgotos, existe sim uma parte do mesmo onde tecnicamente não é possível fazer a sua instalação, para tal acontecer seria necessária a construção de uma rede elevatória para depois munir a totalidade do mesmo

Anónimo disse...

Inédito foi o padre de Quelfes agradecer publicamente em altura de campanha a doação de 10 000eur ao presidente da câmara e ao presidente da junta de quelfes. Durante 4 anos e só agora é que foi feito o donativo? Suspeito, não?

Inédito é o talão para o jantar de apresentação de candidatos do Pina ter sido emitido a 10 eur (e enviado para o CNE a 10 eur) e a cobrança ser a 5 eur. Quem paga os restantes 5 eur?

Inédito é os ilhéus terem pago mais 600 eur que não têm conhecimento para que causa, e os 600 eur terem sido para a causa do "camaleão" que o Pina fez campanha que era obra dele.

Em 4 anos qual foi mesmo a obra deste executivo?
Concluir a obra do anterior e promessas para depois do dia 1 de outubro.

Quem vai pagar as indemnizações das tomadas de decisão erradas deste executivo?
Os olhanenses, com o aumento de impostos.

É assim, pelos erros de poucos pagam todos.

Anónimo disse...

E nenhum maluco lhe arreia o molim quando ele se arma aos cágados? E ainda há quem vote nesse pestinha? Os deuses devem andar loucos já toda a gente é presidente.

Anónimo disse...

A grande maioria quando quer saber sabe, no assunto das ilhas barreiras todos sabiam quando se realizava as assembleias municipais e as reuniões de câmara porque estava em causa um problema individual que formava grupo de interesses.
Os políticos partidários também teem culpas porque não mobilizam os seus apoiantes para que possam questionar os autarcas, aos mesmos só lhes interessam mobiliza-los quando está em jogo o disse disse de resto tudo não passa de uma falsa questão.
Dia 1 de Outubro será o dia de escolher quem nos vai governar na autarquia, muitas promessas de todos mas a verdade é que durante 4 anos ninguém lhes pede resultados.
Os grandes críticos de uma qualquer autarquia não conseguem levar os militantes ou simpatizantes a uma simples reunião da assembleia que se realiza de dois em dois meses para questionar o executivo.
Mais fácil é criticar no café ou num qualquer blog, dar a cara é mais difícil, assim vai a nossa democracia ativa.

Anónimo disse...

Pois eu fui a missa e gostei de ver o presidente .voces tem e uma azia brutal

Lima Nascimento disse...

Já estou mais satisfeita.
Afinal o Pina não me pagou para fazer um donativo ao padre de Quelfes.Convenhamos que foi por uma boa causa,o padre precisava mais do que eu.
Ainda me ficou a dever 224.00€ que espero lhe sirva para apanhar uma indigestão.Teresa Nascime to.

Anónimo disse...

Ajoelhaste e rezaste? Acreditar neste homem ( “h” bem minusculozinho), báhh!! nem com FÉ a coisa vai ... Temos é boas vísceras pois o que ele merecia sei eu...

Anónimo disse...

Ahagaga dia 1 conversamos