segunda-feira, 7 de março de 2016

Morreu Raul Coelho um antifascista e anti-social fascista!

 Morreu ontem Raul Coelho um dos fundadores do Blog Olhão Livre.

 Foto de perfil de Raul Coelho

Para quem não conhece a história da luta pela liberdade pela democracia em Olhão,  da qual Raul Coelho fez parte ao aderir ao  MRPP antes do 25 de Abril, foi também um dos fundadores do PCTP/MRPP, aqui fica o relato sobre a prisão de Raul Coelho (retirado deste blog que pode ver carregando aqui )por ordens de Salgueiro Maia que comandava o Presidio Militar de Santarém.

No seguimento dessa prisão fascista, em Santarém por Salgueiro Maia, fez uma greve da fome para exigir a sua libertação que durou   47 dias, deixando-o bastante debilitado para o resto da sua vida.

Raul Coelho foi um resistente anti-fascista e um lutador pela liberdade e pela democracia, motivo pelo qual levou a ser um dos fundadores do Blog Olhão Livre e de vários outros blogs,

Como autor  do Olhão Livre, foi perseguido quase até morrer, por elementos do poder local, por ser um critico acérrimo da prepotência e falta de transparência, da parte dos caciques, que pensam que todos tem de ser subserviente do poder local ditatorialmente instalado na CMOLhão desde o 25 de Abril.

F.Leal e António Miguel Pina fizeram queixa de Raul Coelho, como tem feito a  outros autores do Olhão Livre, por se sentirem ofendidos na sua Honra em artigos publicado no Blog Olhão Livre, como se a sua honra não tivesse manchada por vários crimes de urbanísticos, e de violação do PDM assim como de milhares de crimes ambientais praticados pela CMOLhão, ao jogarem diariamente veneno nas aguas da Ria Formosa, por essa razão, foi um dos autores da queixa ao Parlamento Europeu em 2009, por parte do Movimento de Cidadania Activa "Somos Olhão" juntamente com António Terramoto e o Drº Lourenço Mendonça entre outros.

Era actualmente Deputado Municipal, e a melhor homenagem que a Assembleia Municipal lhe pode fazer é dar o seu nome a uma artéria da cidade realçando o sua luta pela Liberdade e Democracia.

Aqui deixo deixo o comunicado da RPAC, sobre a sua prisão em 28 de Abril de 1975, que é a minha singela homenagem para que conheçam o seu timbre de lutador,  pela liberdade e democracia, e que por isso foi perseguido antes e depois do 25 de Abril.

  As minhas condolências aos seus filhos e familiares e amigos.

 

1975-04-29 - ABAIXO A REPRESSÃO MILITAR-FASCISTA! VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO! - RPAC

ABAIXO A REPRESSÃO MILITAR-FASCISTA!
VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!
AOS SOLDADOS E MILITARES DE ÉVORA!
A TODO O POVO DE ÉVORA!
CAMARADAS:
Ontem, dia 28 de Abril, foi preso o 2º furriel miliciano RAUL COELHO, do D.R.M.16 de Évora, quando pretendia visitar os anti-fascistas presos em OLHÃO e que se encontram presos no PRESIDIO MILITAR DE SANTARÉM, onde este camarada foi detido e preso.
Esta prisão, vem no seguimento da vaga de prisões que a NOVA-PIDE-COPCON vem fazendo e entre as quais se contam:
- de 3 de Abril a 12 de Abril 200 prisões de patriotas, democratas e anti-fascistas!
- ARNALDO MATOS, secretário geral do MRPP e HORACIO CRESPO do Comité Central do mesmo Partido!
- 28 camaradas de OLHÃO, pela calada da noite de 22 para 23 de Abril, acompanhada de as­salto, saque e destruição da sede do MRPP nessa vila, feita pelo COPCON do RIF e por bufos social-fascistas do P"C"P com ele conluiados.

CAMARADAS:
A esta vaga repressiva respondeu a classe operária e o povo com a sua tempestuosa maré revolucionária, que varreu o país de lés a lés e que, como consequência imediata, arrancou: das masmorras da burguesia os camaradas Arnaldo Matos, Horácio Crespo e vários outros, pois, face à ofensiva das massas populares, a burguesia só tinha duas saídas, qual delas a pior (para ela-burguesia) Ou soltava os camaradas presos, como o fez, ou as massas populares, com a classe operária à cabeça, quebrariam todas as grades das prisões e arrancariam à burguesia os seus mais queridos filhos.
As manifestações, populares, de repudio e indignação por esses actos dignos de fascistas e; social-fascistas têm-se multiplicado por esse país fora nos últimos tempos, e o caso de Olhão, mostra à evidência, como os camaradas presos (28) são filhos queridos, do povo, pois ante os boatos, as provocações-e as agressões dos social-fascistas, 2.000 anti-fascistas de Olhão responderam a elas comparecendo no comício e na manifestação que exigia a libertação dos camaradas presos e, isolando o grupelho de "bêbados" e "arruaceiros" do P"C”P de Barreirinhas Cunhal.
CAMARADAS:
Aproxima-se o 1º de Maio, dia em que os proletários vêm para a rua lutar pelo fim da exploração, da opressão, da fome, e da miséria, lutar contra o fascismo e o social-fascismo, imperialismo e o social-imperialismo os piores inimigos de todos os povos do mundo.
Para nós e para o povo alentejano, o lº de Maio significa um dia de luta árdua e dura contra o poder dos latifundiários e dos grandes agrários, contra a opressão e exploração esta data, faz-nos lembrar os camponeses e trabalhadores rurais, que defendendo bandeiras que não eram, nem são as do proletariado português e do povo, como seja a do partido traidor e vende-operários de Barreirinhas Cunhal, o partido dito "comunista português", tombaram sob as balas assassinas da G.N.R. quando pediam pão e a terra para os camponeses, lutavam contra o poder da burguesia e dos seus lacaios.
CAMARADAS:
Nós, soldados dos Quartéis de Évora, devemos comemorar este dia de luta, erguendo bem alto a nossa luta contra a disciplina e o terrorismo militarista. Contra a ditadura-militar pela libertação imediata de todos os anti-fascistas, presos é; levantando bem alto a bandeira vermelha da REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR.
Ao lado do povo: viraremos as armas contra a burguesia e varreremos da face da nossa Pátria os monopolistas e latifundiários e grandes agrários, todos os exploradores e seus lacaios, instauraremos um GOVERNO POPULAR, uma DEMOCRACIA POPULAR que dará ao nosso povo o Pão, a Paz, a Terra, a Liberdade, a Democracia e a Independência Nacional.
CAMARADAS:
Perante a repressão militarista, a opressão, o desemprego e a miséria que se abate sobre o nosso povo, e enquanto todos os partidos traidores à classe operária e ao povo preparam-se para "comemorarem" o 1º de Maio fazendo festas, banquetes e piqueniques, sentando-se à mesma mesa fascistas e social-fascistas para dividirem o bolo que representa a nossa Pátria, nós soldados e militares anti-fascistas como filhos do povo que somos, devemos, desta grande data dos povos do mundo inteiro que é o 1º de Maio, fazer uma grande jornada de luta, um grande 1º de MAIO VERMELHO, colocando—nos ao lado do povo na luta contra a repressão militarista e social-fascista, contra a opressão militar-fascista e marcharmos na GRANDE VIA DA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR.
LIBERTAÇÃO DO FURRIEL ANTI-FASCISTA COELHO E TODOS OS ANTI-FASCISTAS PRESOS!
NEM UM TIRO NEM UMA AGRESSÃO CONTRA O POVO!
VIREMOS AS ARMAS CONTRA A BURGUESIA!
ABAIXO A DITADURA MILITAR!
EM FRENTE NA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR!              
VIVA O 1º DE MAIO VERMELHO!
VIVA A RPAC!
29 de Abril de 1975
Soldados simpatizantes da RPAC do RI/16-RAL/3-DRM/16
TODOS AO LARGO DA SANTA (Alto do Seixalinho) – BARREIRO – 16 Horas

6 comentários:

Salsa disse...

O Raul Coelho foi um dos meus amigos durante os anos que vivi em Olhão. Recordo-me dos dias passados no café Tropical onde ele antes do 25 de Abril de 74 já nos dava a conhecer as suas ideias politicas.

Carlos Correia

Anónimo disse...

Recordar aqueles tempos de 1975?Ainda hoje,talvez para sempre, há barreiras intransponíveis, diálogo sereno impossível para muitos. A incontornável lei da vida e da morte cumpriu-se para Raul Coelho. Fica a recordação de um homem que queria à sua maneira o melhor, o mais justo, para o seu semelhante,para a sociedade, para Portugal. Fica o seu ideário político, quer se goste ou não, merece reflexão e respeito. Pouco a pouco vai acabando, sem alternativa ao mesmo nível, uma geração que pela sua atitude cívica, formação humana e política faz imensa falta a Portugal.
Raul Coelho, presente.

Anónimo disse...

Fiquei a saber mais um pouco da história de Raul Coelho e da história de Olhão.
Porque apagam o que aconteceu em Olhão no período pós 25 de Abril??

Anónimo disse...

Seria interssante perceber onde estão hoje aqueles que a plenos pulmões gritavam nesse tempo pela cabeça do Maia (presidente da CMO antes do 25/4) ou os que se dedicam a homenagens a ex funcionárias da camara suspensas por condutas impróprias... o António Terramoto pode explicar...

Anónimo disse...

alguns que pediam a cabeça do Maia, estão avençados,pois há quem pense assim: não os podes derrotar junta a eles e sempre cai umas migalhas.
por acaso por roubiOlhão por camaleão e outros por poesia.
E depois há aqueles "malucos" que não tem emenda e continua a luta pela denuncia do mal e dos vendilhões do templo.

Anónimo disse...

...ainda que sem nenhum contacto próximo com o Raul, segui o seu esforço para manter um comportamento coerente, afastado dos interesses que por aí foram tomando conta da coisa pública.

E se em alguns reconheço o mérito intelectual que revelaram ou a capacidade empreendedora que determinou a sua natural ascensão...outros há, que encontraram nos partidos e nos amiguismos fonte para a sua prosperidade!

Os lóbis, entretanto, criados, a transformação inopinada e sem sustentação de figuras que à custa de mistificações básicas, transformaram pais e familia em personagens de referência cultural olhanense à custa de opúsculos primários de cariz, dizem antropológico, são de bradar aos céus!

O tempo se encarregará de reescrever a história que alguns, vos quiseram vender!