sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

OLHÃO: MAS QUE GRANDES NEGOCIATAS!

Como certamente se lembrarão os nossos leitores, durante a campanha eleitoral, uma das promessas do nosso "estimado" presidente, era a construção da Variante para a qual já tinha um percurso alternativo, embora com alguns troços do projecto inicial.
Agora tudo o indica, não passou de mais uma promessa. É que uma Variante é por natureza uma via rápida e por aquilo que se prepara, será tudo menos isso, conforme demonstraremos mais à frente.
Em tempos, a Câmara Municipal de Olhão, apresentou uma candidatura a fundos comunitários, que deixou perder, para a construção de um quartel novo para os Bombeiros. A Câmara dispunha nessa altura de um terreno, seu, entre a rotunda do Restaurante "O Monte" e o acesso à Zona Industrial de Marim.
Com Pina na presidência, a Câmara acabou por comprar um outro terreno, a norte daquele acesso, onde diz ir agora instalar o tal quartel de Bombeiros.
Acontece, que ambos os terrenos estão na faixa de protecção do traçado da Variante Norte à 125, como se pode ver na imagem que se segue.
Vejamos o que diz o Plano Director Municipal a este respeito, conforme imagem que se reproduz do Diário da Republica.
É interdita a construção nas seguintes faixas e áreas de reserva, destinadas a infraestruturas projectadas e programadas
Artigo 21º, alínea c): Corredor de 400 metros para implantação da Variante da EN 125 à cidade de Olhão.
Por isso, a Câmara Municipal de Olhão, está violando o seu próprio PDM. Quem diria?
Esta situação remete-nos para uma outra, que é a de saber por quanto foi comprado aquele terreno, já que nada se podia construir? E se era para instalar serviços de interesse do município, porque não foi objecto de expropriação? Ou será que foi antes mais uma negociata para aliviar o antigo proprietário, que de outro modo veria a sua propriedade desvalorizada?
Mas também se deve colocar a questão de saber como vai ser a tal Variante? Vai ser uma Via rápida ou apenas mais uma estrada? É que como via rápida não se perceberá como vão ser as saídas e entradas tanto da Zona Industrial de Marim, como a dos Bombeiros? E se for apenas mais uma estradeca, ninguém ou muitos poucos a utilizarão!
A Variante Norte à 125 foi inviabilizada pelo facto da autarquia, no passado, ter autorizada a edificabilidade em cima do traçado e faixa de protecção, mas agora é a própria autarquia a fazê-lo.
Pelos vistos a ideia da Variante caiu mal se percebendo porque o Pina veio anunciar a sua construção futura, quando é ele quem a está a inviabilizar. Como quando a esmola é farta, o pobre desconfia, a pressa dada para a justa construção de novas instalações para os Bombeiros, faz-nos pôr em causa o que na realidade se prepara.
É que as actuais instalações dos Bombeiros se inserem numa das melhores zonas de Olhão, a Avenida Bernardino da Silva, fazendo gaveto com a Rua da Olivença, e ocupando uma área considerável, bem apetitosa para alguns patos bravos.
No fundo, parece estarmos a assistir a mais uma grande negociata, anunciada como tendo sido uma trabalheira enorme para o sucesso.
Vão enganar outros!

1 comentário:

Anónimo disse...

Eu diria antes, os bombeiros situam-se na Rua da Olivença, fazendo graveto com a Avenida. As saídas para as viaturas são nessa ruela de um só sentido. Os camiões auto-tanques estacionados na rua, ocupam metade da mesma, obrigando os peões a andarem num só passeio bastante estreito. Atravessar aquela rua, mesmo com semáforos é um perigo por causa da má visibilidade. As instalações são muito antigas, apesar de ao longo dos anos terem sofrido melhoramentos e promessas de mudança de instalações. Os bombeiros e a cidade necessitam que a corporação se situe num sítio diferente, mais amplo, instalações modernas, com várias saídas não condicionadas. Já agora, por falar em zonas privilegiadas, não percebo como é que na ruela dos bombeiros existem casas a cair de podre, com pessoas a lá habitar, sabe-se lá em que condições. Preocupem-se mais em ver estas situações reais do que com futuras supostas negociatas!