domingo, 30 de março de 2014

OLHÃO: QUE MERDA DE CONCURSO PUBLICO FOI ESTE?


Na Assembleia Municipal de ontem, compareceu a candidata a Directora Financeira da Ambiolhão, EM que, de viva voz, manifestou a sua indignação e revolta pela forma como decorreu o processo de selecção, que como se sabe, foi ganho pelo cunhado do presidente da Câmara Municipal de Olhão e também presidente da empresa em causa.
Perante a indignação da ex-candidata, o palhaço em presidente na resposta realçou a "transparencia" com que decorreu o acto, lavando as mãos e passando a bola para o júri de selecção do qual faziam parte dois vereadores da oposição e um colega do presidente no conselho de administração da Águas do Algarve.
Um dos vereadores visados puxou dos galões para enaltecer a sua carreira de gestor privado para garantir do excelso profissionalismo com que abordou a analise das candidaturas e asseverando da "transparencia" do concurso.
Infelizmente a ex-candidata não pôde responder a ambos, ficando por esclarecer o lado obscuro do concurso, mas desde já queremos dar os parabéns pela forma exemplar como denunciou os meandros do concurso e chamando os bois pelos nomes. um EXEMPLO A SEGUIR! Assim fossem todos os olhanenses.
Como se pode ver na imagem de cima, no ultimo paragrafo, o vencimento anunciado era de 1.800 euros, segundo informação prestada pelo palhaço António Miguel Pina. Ora o cargo de director financeiro da empresa municipal é equiparado ao de director de departamento da autarquia e o vencimento anunciado jamais poderia ser aquele.
Pelo desenrolar do processo, somos obrigados a concluir que o anuncio  de um tal vencimento foi de molde a provocar a desmotivação dos participantes, o que se viria a confirmar quando a Drª Sónia Lopes desistiu do concurso. Nessa altura os membros do júri nada disseram ou fizeram e deixaram que a senhora se auto-excluísse. Mas eis que de seguida entra em cena o cunhado do Pina que também mostra a intenção de abandonar o concurso por não concordar com a remuneração oferecida e aí, já o vereador Eduardo Cruz, membro do júri, vai questionar o presidente da Ambiolhão e o vencimento passa a 2.987,25 euros, acrescidos de 273,87 euros de despesas de representação e subsidio de alimentação de 4,27 euros por dia de trabalho.
Desde logo coloca-se a questão porque só durante a entrevista com o cunhado do Pina se procura  esclarecer a questão do vencimento, sendo certo que num assomo de "transparencia" o júri decidiu interromper o processo para ver se a candidata desistente, face ao novo vencimento, estava ou não interessada no concurso.
Mas não se ficaram por aqui as habilidades deste concurso, pois como se pode ver na imagem seguinte, o candidato Júlio Fernando Pereira da Silva foi pura e simplesmente excluído, sem sequer ser submetido à entrevista por não preencher determinados requisitos, conforme consta do terceiro paragrafo.
Ora, a grelha que a seguir publicamos, mostra que nenhum, mas nenhum dos candidatos preenchia aqueles requisitos e como tal todos mas todos teriam de ser excluidos, havendo razões de sobra para pedir a impugnação e repetição do concurso.
Dos catorze candidatos iniciais, foram seleccionados cinco para as entrevistas cuja notação consta da grelha que apresentamos a seguir.
Nesta grelha podemos ver como se armadilhou a notação dada aos candidatos.
A avaliação era feita a partir de três parâmetros: Conhecimentos complementares, comportamentos e liderança e ainda a motivação.
Ali se pode ver que o colega de administração na Águas do Algarve deu a nota máxima ao cunhado do Pina, 25 numa escala que ia até 25. Nem o J. Cristo era perfeito quanto mais o cunhado do Pina, cuja família e apêndices parecem ser umas sumidades (em cambalachos). Ora o cunhado do Pina foi o ultimo candidato a ser entrevistado, sabendo logo o mestre Mestre da Águas do Algarve da notação dada aos demais candidatos, pelo que ao dar a nota máxima ao Nuno Pinto, cunhado do Pina, estava, objectivamente, a colocá-lo no top five.
É visível que a candidata que ficou em 2º lugar, na pontuação total obteve 130 pontos contra os 134,5 do Nuno Pinto, portanto uma diferença de 4,5, quando só à pala do mestre Mestre teve mais nove pontos que a candidata que ficou em segundo lugar.
Tudo na máxima "TRANSPARENCIA" e honestidade intelectual e profissional, como foi dito na assembleia municipal, mas que para nós se trata de mais um caso de policia.
A candidata mostrou a raça e fibra de que é feita, ao enfrentar e afrontar a escumalha politica, sem papas na língua, mostrando a INDIGNAÇÃO e REVOLTA contra a injustiça que foi este concurso, INDIGNAÇÃO e REVOLTA que gostaríamos de ver em todos os olhanenses, alvo do gamanço, da injustiça e do desprezo a que estes autarcas de merda votaram o Povo de Olhão.
CONTRA A PULHICE, SACANICE POLITICA
REVOLTEM-SE, PORRA!

7 comentários:

Anónimo disse...

Os favores pagam-se e só questão de estar atento,pois quem participou nessa aldrabice,vai cobrar o favor.
seja com uma rotunda seja com um tachinho para um familiar.

Anónimo disse...

não há horas nem funçionários alguns até passam fome outros vestem-se há chuva mas alguns ganham bem e estão bem sentados

L.Pedra. disse...

o fagmilia pina vai colocar essa drª na lista negra,e por muito mais valor que tenha numca mais vai entrar num cargo publico donimado pelas autarquias ps,pois a fagmilia não perdoa,a quem tem a coragem de lhes fazer frente.

Cara Ratada. disse...

Mais uma nódoa para o ps em Olhão.
Razão tem a concelhia de pedir contas ao moço pina tão mal aconselhado que anda.

JLA disse...

Limpinho Limpinho Limpinho,esmo à moda da CMOlhão.

Salpicos Romã disse...

Parabéns à denunciante que o fez em Assembleia Municipal. Que hajam mais pessoas assim, ao menos fica em acta.
Quanto à avaliação dos seguintes parâmetros: Conhecimentos complementares, comportamentos e liderança e ainda a motivação.
Diga-se de passagem que estes parâmetros de avaliação são iguais a zero isto para o leitor comum. Para o juri da Ambiolhão, que parece não ser muito inteligente estes parâmetros são iguais a papel de limpar o cu.

O que significam exactamente estes conhecimentos complementares? Serão os conhecimentos familiares?

Quais os melhores comportamentos? Os mafiosos?

Qual a motivação? Será que bastou dizer que tinha saudades do cunhado e que queria trabalhar com o cunhado?

Gente baixa é o que é!

Joker disse...

este júri foi tão imparcial tão imparcial que o seu presidente é colega da exposa do candidato vencedor, mana do Pininha.
E siga o baile